Página Principal > Cardiologia > Betabloqueadores em gestantes podem provocar má-formação nos bebês?
betabloqueadores

Betabloqueadores em gestantes podem provocar má-formação nos bebês?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Os betabloqueadores são amplamente utilizados para tratar pacientes com doenças cardíacas como hipertensão, insuficiência cardíaca, arritmia, entre outras. Eles agem na diminuição da frequência cardíaca e a contratilidade, levando à redução da angina e da demanda de oxigênio, além da melhora no limiar isquêmico.

Embora o uso seja comum, os efeitos adversos destes fármacos ainda são objetos de estudo devido a algumas particularidades do medicamento. A administração de betabloqueadores deve ser cuidadosa, principalmente em indivíduos acometidos por infarto agudo do miocárdio (IAM), os diabéticos e idosos após sofrerem IAM.

Estudos sobre betabloqueadores na gestação

Em gestantes, os fármacos eram associados à má-formação congênita, porém uma pesquisa realizada recentemente testou a segurança destes medicamentos na gestação. No entanto, a pesquisa não descartou definitivamente a possibilidade de defeitos congênitos fetais. Todavia, um novo estudo de metanálise investigou os possíveis efeitos nocivos dos betabloqueadores nos três primeiros meses da gravidez.

Leia mais: Uso de betabloqueadores piora os sintomas depressivos?

O estudo de coorte analisou o banco de dados de cinco centros nórdicos e um americano que contribuíram com informações coletadas em diversos períodos (Dinamarca, 1997 a 2010; Finlândia, 1996 a 2006; Islândia, 2003 a 2007; Noruega, 2005 a 2010; Suécia, 2006 a 2010; e Estados Unidos, 2000 a 2010). A pesquisa contou com o total de 18.477 gestantes diagnosticadas com hipertensão. Destas, 2350 foram expostas a betabloqueadores no primeiro trimestre. Os pesquisadores compararam os resultados com as participantes que não foram medicadas com betabloqueadores.

Resultados

O risco relativo (RR) e a diferença por 1000 pessoas expostas (RD1000) associados aos betabloqueadores foram 1,07 (IC 95%, [0,89 a 1,30]) e 3,0 (IC 95%, [−6,6 a 12,6]) respectivamente para qualquer tipo de má-formação.

Para má-formação cardíaca, o risco relativo foi de 1,12 ( IC 95% [0,83 a 1,51]) e o índice RD1000 ficou em 2,1 (IC 95% [-4,3 a 8,4]). Para problemas no sistema nervoso central dos recém-nascidos, o risco foi de 1,37 (IC 95%, [0,58 a 3,25) e a diferença por 1000 pessoas expostas foi 1,0 (IC 95% [−2,0 a 4,0).

O novo estudo não constatou associação direta entre a ação de bloqueadores e o nascimento de bebês com má-formação congênita.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Bateman BT, Heide-Jørgensen U, Einarsdóttir K, Engeland A, Furu K, Gissler M, et al. β-Blocker Use in Pregnancy and the Risk for Congenital MalformationsAn International Cohort Study. Ann Intern Med. [Epub ahead of print ] doi: 10.7326/M18-0338

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.