Página Principal > Enfermagem > Bexiga Neurogênica: uma das causas da doença renal crônica
Síndrome dolorosa da bexiga - diagnóstico e tratamento

Bexiga Neurogênica: uma das causas da doença renal crônica

Tempo de leitura: 3 minutos.

A bexiga neurogênica é uma das causas da doença renal crônica. Esta, por sua vez, já é considerada um problema de saúde pública com proporções mundiais. 

Estudos recentes mostraram um crescimento no número de casos, com milhões de pacientes submetidos a tratamento através de substituição renal (diálise) ou transplante. O acometimento mundial já ultrapassa 10%, podendo alcançar 50% nos subgrupos de maior risco, especialmente, os portadores de bexiga neurogênica. 

Na infância, a malformação congênita do tubo neural, a exemplo da mielomeningocele, está no grupo das causas mais comuns da bexiga neurogênica. A bexiga neurogênica é responsável por, aproximadamente, 25% das condições mais severas em urologia pediátrica. Desses, pelo menos 40% das crianças com esta condição, agravam para comprometimento renal.

Dentre os adultos e idosos, são diversas as causas e as estatísticas ainda não são claras. Contudo, na maioria dos casos, está relacionada a problemas orgânicos ou traumáticos. 

Leia mais: Doença Renal Crônica: novas diretrizes para diagnóstico e tratamento da doença óssea

Esta disfunção neurogênica das vias urinárias baixas contempla alterações nas funções vesicoesfinterianas que afetam portadores de doenças neurológicas centrais e periféricas. Podendo ser:

  • Flácida: não realiza contração, enchendo a bexiga e transbordando, causando o gotejamento da bexiga;
  • Espástica: contrações da bexiga de forma involuntária e com vontade de urinar, mesmo sem conteúdo na bexiga. 
  • Mista: apresenta comportamento de bexiga flácida e espástica.

A função das vias urinárias baixas é condicionada ao ciclo da micção de armazenamento em baixas pressões e esvaziamento vesical total. A medula espinhal e o sistema nervoso de controle neural regulam e coordenam o enchimento da bexiga e a micção. Isso depende da coordenação e controle voluntário, coordenação entre a função vesical e uretral de forma sincrônica e sinérgica, e envolvimento de inúmeros arcos reflexos e circuitos neurológicos.

O comprometimento renal em decorrência da bexiga neurogênica apresenta diversos fatores de risco, em especial o aumento da pressão, redução da capacidade e complacência vesical, dissinergia detrusor-esfincteriana e resíduo pós-miccional.

 O tratamento precoce dos fatores de risco é primordial para reduzir as complicações relacionadas ao comprometimento renal. A avaliação urodinâmica é reconhecida como padrão ouro diagnóstico. Isso acontece por ser o único exame capaz de apontar de forma segura os fatores de risco. Ele avalia a coordenação e as variações pressóricas entre bexiga, uretra e complexo esfincteriano e a integração entre as fases de enchimento e esvaziamento vesical, aponta as causas da disfunção e orienta o tratamento adequado e o acompanhamento da doença.            

A medida terapêutica mais importante para prevenir a lesão renal ainda é o cateterismo vesical intermitente. A fisioterapia também apresenta benefícios terapêuticos, contudo, ela não deve ser utilizada de forma isolada. Já os medicamentos podem inibir ou diminuir as contrações vesicais, como os anticolinérgicos  e os antagonistas dos receptores beta-3 adrenérgicos. Atualmente, a toxina botulínica tem apresentado excelentes resultados.

É fundamental difundir e ampliar os conhecimentos a respeito da bexiga neurogênica, especialmente quanto à avaliação clínica e tomada de decisão relacionada às medidas terapêuticas e preventivas. O enfermeiro é o profissional que permanece diante do paciente a maior parte do tempo,  contribuindo na manutenção da saúde e qualidade de vida dos pacientes, assim como, provê medidas para bons resultados nos processos de reabilitação.

Baixe o aplicativo NurseBook e acesse os principais diagnósticos e cuidados de Enfermagem!

Autora: 

Referências:

  • Rocha, Flávio Eduardo Trigo; Gomes, Cristiano Mendes. Bexiga Neurogênica. Zerati Filho M, Nardozzo Júnior A E Reis Rb. Urologia Fundamental. São Paulo: Planmark, 2010.
  • Magalhães, Ana Maria Müller De; Chiochetta, Fabiana Veiga. Diagnósticos De Enfermagem Para Pacientes Portadores De Bexiga Neurogênica. Revista Gaúcha De Enfermagem. Porto Alegre, 2002.
  • Polita, Naiara Barros Et Al. Bexiga Neurogênica E O Cateterismo Vesical Intermitente. Journal Of Nursing Ufpe/Revista De Enfermagem Ufpe, 2010.
  • Sartori, Nely R.; Melo, Márcia Rac. Necessidades No Cuidado Hospitalar Do Lesado Medular. Medicina (Ribeirão Preto. Online), 2002.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.