Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Bronquiolite viral aguda: nebulização com soro fisiológico pode servir como tratamento ativo?
médico investigando criança com bronquiolite viral aguda

Bronquiolite viral aguda: nebulização com soro fisiológico pode servir como tratamento ativo?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Uma recente meta-análise conduzida por House e colaboradores (2020) e publicada na revista JAMA Pediatrics sugere que a nebulização com soro fisiológico (SF 0,9%) pode ser considerada um tratamento ativo em contraposição a placebo em estudos que avaliam terapias para bronquiolite viral aguda em crianças pequenas.

Nebulização com soro fisiológico na bronquiolite

Para a realização desse estudos, os autores se basearam no fato de que, na maioria dos ensaios clínicos randomizados, a nebulização com SF0,9% é usada como placebo, o que é lógico, já que o soro também é usado como o veículo para nebulização do tratamento ativo. Entretanto, uma melhora consistente acima das taxas esperadas em pacientes que receberam placebo foi observada em ensaios com broncodilatadores. A natureza crescente e decrescente da bronquiolite pode explicar esses achados porém, dada a forte tendência de melhora, os pesquisadores questionaram se também era possível que a nebulização com SF 0,9% esteja atuando como um agente eficaz no tratamento da doença.

No estudo, denominado “Evaluating the Placebo Status of Nebulized Normal Saline in Patients With Acute Viral Bronchiolitis A Systematic Review and Meta-analysis”, House e colaboradores (2020) pesquisaram dados a partir do MEDLINE (de 1946 a março de 2019) e Scopus de (1976 a março de 2019). Foram analisadas também as bibliografias dos estudos incluídos e revisões sistemáticas relevantes, para ensaios clínicos randomizados que avaliaram terapias baseadas em nebulização para o tratamento da bronquiolite.

LEIA TAMBÉM: Vitamina D pode reduzir risco de infecções respiratórias agudas?

Metodologia

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados comparando crianças de até dois anos de idade com bronquiolite que foram tratadas com nebulização com SF0,9%. Os estudos que incluíram um grupo de tratamento que recebeu um placebo alternativo foram incluídos para comparação da nebulização com SF 0,9% com outros placebos. A abstração dos dados foi realizada de acordo com as diretrizes do PRISMA. Modelos meta-analíticos ponderados por variância e efeitos fixos e aleatórios foram utilizados. As estimativas combinadas da associação com escores respiratórios, taxas respiratórias e saturação de oxigênio dentro de 60 minutos de tratamento foram geradas para nebulização com SF 0,9% versus outro placebo e para alteração antes e depois de receber a nebulização com SF 0,9%.

Foram incluídos 29 estudos englobando 1.583 pacientes. As diferenças médias padronizadas nos escores respiratórios para nebulização com SF 0,9% versus outro placebo (três estudos) favoreceram nebulização com SF 0,9% por -0,9 pontos (IC 95%, -1,2 a -0,6 pontos) aos 60 minutos após o tratamento (P <0,001). Não houve diferenças na frequência respiratória ou saturação de oxigênio comparando nebulização com SF 0,9% com outro placebo. A diferença média padronizada no escore respiratório (25 estudos) após nebulização com SF 0,9% foi de -0,7 (IC 95%, -0,7 a -0,6; I2 = 62%). A diferença média ponderada nos escores respiratórios usando uma escala consistente (13 estudos) após a nebulização com SF 0,9% foi de -1,6 pontos (IC 95%, -1,9 a -1,3 pontos; I2 = 72%). A diferença média ponderada da frequência respiratória (17 estudos) após a nebulização com SF 0,9% foi de -5,5 respirações por minuto (IC 95%, -6,3 a -4,6 respirações por minuto; I2 = 24%). A diferença média ponderada na saturação de oxigênio (23 estudos) após a nebulização com SF 0,9% foi de -0,4% (IC 95%, -0,6% a -0,2%; I2 = 79%).

E MAIS: 7 Mitos e verdades sobre as doenças respiratórias

Resultados

De acordo com o estudo, pacientes com bronquiolite tratados com nebulização com SF 0,9% apresentaram melhora significativa na frequência respiratória e no escore respiratório após o tratamento, embora a saturação de oxigênio permanecesse inalterada. Além disso, quando comparados aos pacientes tratados com outros placebos, aqueles tratados com nebulização com SF 0,9% apresentaram melhoras maiores nos escores respiratórios pós-tratamento.

O estudo concluiu que a nebulização com SF 0,9% pode não ser um placebo inerte para pacientes com bronquiolite e deve ser mais estudada para estabelecer o significado clínico de qualquer resultado potencial do tratamento.

Bronquiolite: revisão sistemática das diretrizes de prática clínica

Autor:

Referências bibliográficas:

  • HOUSE, S. A.; GADOMSKI, A. M.; RALSTON., S. L. Evaluating the Placebo Status of Nebulized Normal Saline in Patients With Acute Viral Bronchiolitis A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Pediatrics, 2020, doi:10.1001/jamapediatrics.2019.5195

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.