Cetoacidose diabética (CAD) na pandemia: Covid-19 ou mudanças no estilo de vida?

Seria o aumento da incidência de quadros clínicos de cetoacidose diabética (CAD) em crianças devido a pandemia de Covid-19?

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A Covid-19 foi e está sendo causadora de uma pandemia sem precedentes, levando diversas pessoas ao desenvolvimento de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), complicações pós-infecciosas e óbito. Em 30 de janeiro de 2020, essa doença foi decretada como uma emergência de Saúde Pública pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Dentro desse contexto mundial, pediatras puderam perceber que a frequência de crianças e adolescentes que chegavam na emergência e recebiam o diagnóstico de cetoacidose diabética (CAD) foi elevada. No entanto, sob o prisma da pandemia, a carência de estudos estatísticos significativos torna essa afirmação limitada a suposições e especulações. Seria real o aumento da incidência desse quadro clínico de CAD devido a Covid-19?

Leia também: Covid longa: pacientes podem ter problemas de raciocínio e memória de longo prazo, aponta pesquisa britânica

Cetoacidose diabética (CAD) na pandemia: Covid-19 ou mudanças no estilo de vida?

Cetoacidose diabética (CAD)

A CAD é conhecida como um conjunto de alterações clínico-laboratoriais decorrente da ação insulínica insuficiente e aumento da produção de hormônios contrarreguladores à insulina em resposta a alguma situação de estresse, sendo caracterizada por ser a descompensação aguda mais grave de diabetes mellitus (DM) em crianças e adolescentes portadores dessa comorbidade.

Nesse contexto pandêmico, um estudo publicado na revista “Diabetes, Metabolics Syndrome, Obesity: Targets and Therapy” teve como objetivo analisar e comparar as características clínicas, laboratoriais e a gravidade da CAD em crianças antes e após o surto de Covid-19, com o intuito de identificar os efeitos indiretos na incidência de CAD entre esses dois períodos distintos.

Metodologia do estudo

A pesquisa utilizou uma amostra de 19 crianças entre 0 e 18 anos de idade com CAD que foram atendidas na emergência de dois hospitais universitários na província de Jeonbuk, Coreia, durante os primeiros seis meses dos anos de 2017 a 2020. Os dados coletados abrangeram informações como idade, altura, peso, sintomas clínicos, tipos de DM e achados laboratoriais.

A gravidade da CAD foi baseada na presença de lesão renal aguda, acidente vascular cerebral e nível de consciência alterado. Já os critérios utilizados para o diagnóstico de CAD nesses serviços de emergência foram os seguintes: glicemia maior ou igual a 200 mg/dL; nível de bicarbonato menor ou igual a 15 mmol/L e/ou pH venoso menor ou igual a 7,30 e cetonúria significativa por meio de teste reagente de urina. No que diz respeito ao tipo de DM desenvolvido pelos pacientes, a classificação foi feita de acordo com a dosagem sérica do peptídeo C no momento do atendimento na emergência.

Saiba mais: Baracitinibe: estudos sugerem que medicamento pode ser opção terapêutica contra Covid-19

O presente estudo, sendo caracterizado como retrospectivo, utilizou como método a análise dos prontuários desses pacientes pediátricos com diagnóstico de hiperglicemia ou CAD no pronto-socorro. Sendo assim, as características clínicas, laboratoriais e as taxas de complicações foram comparadas entre os anos de admissão (2017 a 2020).

A amostra do estudo foi composta por 6 pacientes do sexo masculino (31,6%) e 13 do sexo feminino (68,4%) com altura média de 147,32 ± 20,05 cm e peso médio de 45,35 ± 18,73 kg.

Achados

Analisando os dados clínicos dos pacientes, foi observado que, durante o período de pandemia de Covid-19, a maioria deles apresentou três sintomas principais de DM: polidipsia, poliúria e perda de peso, respectivamente nas taxas de 100%, 100% e 85,7%. Além disso, a taxa de poliúria foi significativamente maior no período em vigência da Covid-19 em relação à época pré-pandemia (p < 0,033). No entanto, as taxas de náuseas, vômitos e alteração do estado mental não diferiram entre os anos de internação. Sintomas como a sonolência foram identificados em cinco pacientes. Torpor foi observado em um indivíduo. Os demais participantes estavam conscientes e nenhum deles encontrava-se em coma durante a admissão. Em relação ao diagnóstico de DM, quatro tinham diagnóstico prévio e 15 foram diagnosticados na internação.

Além disso, os pesquisadores observaram que não existiram diferenças nas características antropométricas e nas taxas de complicações quando comparados os períodos antes e durante a pandemia de Covid-19. No entanto, a frequência de polidipsia foi maior no período da Covid-19, com significância estatística, de forma que todos os sete pacientes admitidos durante a pandemia (100%) apresentavam esse sintoma e foram diagnosticados com DM.

Já em relação aos dados laboratoriais, o nível médio do peptídeo C foi de 0,29 em 2018, sendo inferior ao valor normal de 0,5, mas sem significância estatística. Os níveis médios de glicose sérica e hemoglobina glicada de 778,0 ± 455,02 mg/dL e 13,5% ± 0,84%, respectivamente, foram os mais altos em 2017, sem diferença significativa entre os anos de admissão (p > 0,05). A acidose mais grave ocorreu em 2018, tendo como parâmetro o pH arterial médio mais alto de 7,09 ± 0,1 e o nível médio de bicarbonato mais baixo de 4,72 ± 2,17 mEq/L. Entretanto, o hiato aniônico foi maior em 2017 (34,5 ± 14,69), seguido por 2018 (31,28 ± 10,42). O valor médio de cetonas na urina estava acima de +3 em todos os anos e os níveis médios de creatinina, taxa de filtração glomeular e sódio corrigido não mostraram diferenças significativas entre os 4 anos analisados pelo estudo.

No que concerne as complicações, o referente estudo comparou as taxas de complicações específicas em 2020 com as de outros anos de admissão com o objetivo de avaliar as mudanças nesses valores durante a pandemia de Covid-19. Os valores de insuficiência renal aguda foram de 33,3% e 57% nos períodos pré-Covid-19 e Covid-19, respectivamente. Edema cerebral e infarto cerebral, considerados as complicações mais graves da CAD, ocorreram em apenas um paciente em 2020. Todos os seis (50%) pacientes que exibiam estado mental alterado antes da pandemia de Covid-19 estavam sonolentos e todos retomaram o nível basal de consciência após o tratamento. Não houve mortes durante o período de estudo de quatro anos.

Embora o número de pacientes pediátricos internados no pronto-socorro tenha diminuído devido a pandemia (em mais de 50% de 2019 para 2020), o número de crianças e adolescentes com CAD nesses dois hospitais universitários em Jeonbuk apresentou uma elevação maior que o dobro da taxa média esperada para o período de quatro anos na região do estudo. Somado a isso, a incidência de CAD na população estudada excedeu a média esperada, a despeito de uma redução populacional constante, de 2017 a 2020, no local.

Conclusão

O estudo em questão tem algumas limitações, como, por exemplo, uma amostra total insuficiente (n=19), com um número de participantes em cada ano muito pequeno, variando de 3 a 7, consequentemente proporcionando maiores desvios-padrão. Outrossim, devemos estar atentos ao extrapolar seus resultados para nossa prática médica e realidade, já que não é um estudo reprodutível na população brasileira devido a disparidade sociocultural entre os países Brasil e Coreia. A despeito deste fato, o artigo traz à tona questões de extrema importância e suscita discussões e reflexões ao redor do tema CAD e Covid-19. O referido estudo traz também uma questão importante sobre sua amostragem escolhida, pelo fato de todos os pacientes pediátricos incluídos na pesquisa não terem sido testados para o SARS-CoV-2, ou seja, a presença de infecção pelo novo coronavírus não foi um dado avaliado pelo estudo. Sendo assim, a hipótese levantada seria o aumento de casos de CAD graças a mudanças de estilo de vida das crianças e adolescentes. Ao mesmo tempo, outros trabalhos, como um estudo realizado em Daegu, na Coreia, em abril de 2020, relatou dois casos de crise hiperglicêmica aguda após infecção pela Covid-19 em pacientes com DM preexistente, o que iria de encontro a outra explicação para o aumento de casos de CAD durante a pandemia.

A grande questão paira sobre o fato de descobrir se o aumento de casos de CAD em crianças e adolescentes durante a pandemia de Covid-19 está diretamente associado à infecção pelo novo coronavírus ou às mudanças no estilo de vida. Sabe-se, como fundamento teórico, que o SARS-CoV-2 pode se ligar aos receptores da enzima conversora de angiotensina 2 (ECA2) nas células beta-pancreáticas, levando a alterações pleiotrópicas no metabolismo da glicose, o que explicaria a fisiopatologia e a relação da descompensação diabética devido a ação direta do vírus nas células humanas. Já mudanças no estilo de vida, como restrição de atividades físicas, aulas online e alterações na dieta, podem acabar contribuindo para o aumento de glicemia e evoluindo, consequentemente, para complicações como a CAD.

Em suma, deduzimos que não está claro se a Covid-19 está relacionada diretamente ao desenvolvimento de CAD ou se existem outros vieses que justifiquem o aumento de casos dessa complicação durante a pandemia atual. Entretanto, é imprescindível ficar atento para o diagnóstico precoce de DM na população pediátrica, em especial nessa época, a fim de evitar quadros de descompensação (como a CAD) e orientar aqueles com diagnóstico prévio de DM sobre a importância da adesão ao tratamento.

Autores:

Texto produzido por Mariana Silva de Morais (discente de Medicina na Faculdade Souza Marques), com supervisão de:

Referências bibliográficas:

  • Han MJ, Heo JH. Increased Incidence of Pediatric Diabetic Ketoacidosis After COVID- 19: A Two-Center Retrospective Study in Korea. Diabetes Metab Syndr Obes. 2021;14:783- 790. doi: 10.2147/DMSO.S294458
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão