Cinco condutas e testes diagnósticos em hematologia para se questionar

Algumas condutas em hematologia são desnecessárias, além de prejudicar o bem-estar do paciente. Veja cinco dicas que podem ajudar na prática.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Você sabia que até 27% dos testes diagnósticos solicitados para investigação à admissão são dispensáveis, e que essa taxa aumenta para até 63% com o passar do tempo de internação? Há, ainda, uma grande quantidade de estudos que atesta que reduzir testes desnecessários, além de diminuir custos, impacta em maior satisfação do paciente e melhor cuidado em saúde.

Primum non nocere é um termo latino, fortemente associado à bioética, que significa “primeiro, não prejudicar”. Escutamos isso ao longo da nossa faculdade de medicina sem, no entanto, nos questionar qual a importância disso na prática.

Leia também: Crise álgica na doença falciforme: recomendações para manejo na emergência

Um trabalho publicado por um comitê de especialistas da American Board of Internal Medicine (ABIM) Foundation, em colaboração com a sociedade americana de hematologia (American Society of Hematology – ASH), avalia cinco condutas realizadas ou testes diagnósticos rotineiramente solicitados em hematologia, potencialmente questionáveis, devido à ausência de benefício evidenciado em literatura ou, até mesmo, potenciais malefícios associados à prática. O artigo foi publicado na revista Blood, em julho de 2019, e sua citação encontra-se ao final do texto.

Enfermeira tratando de paciente de grupo de risco durante a pandemia do Covid-19

Como foi conduzida a pesquisa? 

Em agosto de 2012, uma força tarefa da ASH Choosing Wisely campaign composta por 11 especialistas renomados no campo da hematologia benigna e maligna, tanto pediátrica como de cuidados relacionados aos cuidados nos adultos e idosos, solicitaram sugestões a oito comitês da sociedade americana de hematologia, assim como a membros diferentes relacionados à academia: tais sugestões eram sobre testes e procedimentos que são rotineiramente praticados, porém com baixo nível de evidência ou com potenciais efeitos maléficos ao paciente.  

Foram recebidas 154 sugestões, de um total de 167 participantes. Utilizando-se de preceitos como redução de danos ao paciente, recomendações baseadas em evidências disponíveis na literatura, redução de custos em saúde, abordagem de temas mais comuns à prática clínica e, de maneira mais específica, aplicadas ao campo da hematologia – nesta ordem de importância -, os especialistas reduziram as sugestões a dez principais itens.  

Dessa forma, uma revisão sistemática foi aplicada a cada item selecionado, buscando-se identificar guidelines publicados a partir de 2008 com nível de evidência satisfatório que justifiquem a aplicação dos referidos testes ou condutas. Literatura primária também foi pesquisada no Medline, com data de início em 1946 até dezembro de 2012. A pesquisa foi restrita à língua inglesa.

As bases de dados referidas foram: Medline, the National Guideline Clearinghouse, Canadian Medical Association Infobase, The Cochrane Database of Systematic Reviews, the Scottish Intercollegiate Guidelines Network, the British Committee for Standards in Hematology.

Recomendações já prontas para a prática clínica

Após todo o trabalho de revisão sistemática, as seguintes recomendações foram feitas pelo painel de especialistas: 

  • Em situações nas quais a transfusão de concentrado de hemácias é necessária, transfunda o mínimo possível para que o paciente tenha os sintomas de anemia aliviados ou retorne a um nível seguro de hemoglobina (7-8g/dL em pacientes estáveis, não-cardiopatas em regime hospitalar). 
  • Não testar para trombofilias pacientes adultos que tenham evoluído com quadro de tromboembolismo venoso agudo no contexto de fatores transitórios maiores (cirurgia ortopédica, trauma, imobilidade prolongada).  
  • Não utilizar filtro de veia cava rotineiramente em pacientes com trombose venosa profunda. 
  • Não administrar plasma ou concentrado de complexo protrombínico para casos em que não existe emergência (como sangramentos intracranianos, cirurgias de emergência ou sangramentos ameaçadores a vida) na reversão de sangramentos associados ao uso de antagonista da vitamina K. 
  • Limitar vigilância com Tomografia Computadorizada para pacientes que foram submetidos a tratamento curativo de linfomas não-hodgkin agressivos e que tenham obtido resposta à terapia e que estejam assintomáticos em regime de acompanhamento ambulatorial. 
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Hicks, Lisa K et al. “The ASH Choosing Wisely® campaign: five hematologic tests and treatments to question.” Blood vol. 122,24 (2013): 3879-83. doi:10.1182/blood-2013-07-518423