Cinco dicas para falar sobre fertilidade com seus pacientes

De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres falam com seus médicos sobre fertilidade. Saiba mais.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A idade é o maior fator de risco para a infertilidade, porém muitas mulheres ainda têm noções equivocadas sobre o impacto do envelhecimento na fertilidade feminina. De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres falam com seus médicos sobre o tema e, por ainda não ser rotina na maioria das residências médicas de ginecologia e obstetrícia, o colega pode ter dificuldades em abordar o tema de maneira correta com suas pacientes. Então, como os profissionais de saúde podem incorporar essa discussão nas consultas sem receio de falhar? Veja cinco dicas:

fertilidade

Comece a conversa sobre fertilidade o mais cedo possível

A maioria das mulheres na faixa dos 30 acredita que ainda tem muito tempo para ter filhos. Isso pode ser verdade, mas é importante que o médico inicie essa conversa cedo, enquanto o tempo ainda está a favor. Antes dos 30 anos as pacientes devem ser orientadas a respeito da fertilidade e pesquisa de reserva ovariana. Ainda não temos estudos que comprovem, mas nos últimos anos temos observado uma crescente incidência de mulheres com falência ovariana precoce, e também, de mulheres com menos de 30 anos com baixa reserva ovariana. Isso nos faz pensar o quanto de cuidado temos que ter ao orientar sobre fertilidade às mulheres jovens, pois esse é o momento ideal de agir caso exista uma baixa reserva ovariana.

Faça perguntas objetivas

Sempre com empatia e respeito, mas nem por isso não podem ser perguntas simples e diretas, como: “Você pensa em ter uma família no futuro?” ou “Ter filhos está nos seus planos?”. Aproveite a oportunidade para construir a confiança com a paciente, além de fornecer as informações relevantes sobre fertilidade. Não esqueça que algumas famílias não querem ter filhos, e está tudo bem, devemos respeitar. Nossa cultura, religião e julgamentos nunca devem atrapalhar nossa relação com o paciente, e muito menos, nossa prática médica.

Ouça as preocupações

Sua paciente está preocupada pois usou anticoncepcional por muito tempo ou usa DIU? Ouça com respeito e empatia, faça uma análise, oriente e peça exames, se necessário. Lembrando que algumas condições podem afetar a fertilidade: história de cirurgia abdominal, infecções pélvicas, endometriose, leiomiomatose, pólipos endometriais, alterações do ciclo menstrual e hábitos de vida prejudiciais à saúde.

Fale sobre o estilo de vida da paciente

Uma das causas mais comuns de infertilidade é o tabagismo. Mas não menos importante é conversar sobre o etilismo social, hábitos alimentares inadequados, sedentarismo e estresse. Converse com sua paciente sobre as mudanças no estilo de vida que ela pode fazer para melhorar sua fertilidade.

Esclareça os mitos do congelamento de óvulos

Em geral, a fertilidade feminina diminui gradualmente a partir dos 32 anos de idade e decai mais rapidamente aos 37 anos. Por volta dos 40, a maioria das mulheres não consegue sustentar uma gravidez bem sucedida. Essas mulheres, assim como as com fatores de risco, que estão tentando engravidar, precisam saber que é melhor procurar ajuda cedo. E quando falamos cedo é antes dos 30 anos de idade! Precisamos saber sua reserva ovariana para podermos orientar adequadamente e individualmente cada paciente.

Leia também: Adenomiose e infertilidade

Não esqueça de sempre compartilhar informações realistas sobre os tratamentos de fertilidade e preservação. Congelamento de ovos é, provavelmente, a opção mais discutida para proteger a fertilidade feminina, mas o procedimento não garante a concepção no futuro. Um estudo de 2015 do Journal of the American Medical Association revelou que as taxas de nascidos vivos por fertilização in-vitro era de 47,1% para os óvulos congelados. As mulheres não podem presumir que o congelamento de óvulos irá garantir uma eventual maternidade e isso deve ser claro para a paciente, além de anotado em prontuário médico.

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão