Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Como o isolamento social pela Covid-19 influencia a saúde mental das crianças?

Como o isolamento social pela Covid-19 influencia a saúde mental das crianças?

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Doenças infecciosas graves, assim como outras experiências traumáticas, como o isolamento social durante a pandemia da doença pelo novo coronavírus (Covid-19), podem influenciar a saúde mental das crianças, de acordo com o estudo Mental Health Status Among Children in Home Confinement During the Coronavirus Disease 2019 Outbreak in Hubei Province, China, publicado na JAMA Pediatrics.

Saúde mental durante Covid-19

Os estudantes em Wuhan, província de Hubei, China, ficaram confinados em casa no período de 23 de janeiro a 08 de abril de 2020. Na cidade de Huangshi (a 85 km de Wuhan), os estudantes permaneceram em confinamento de 24 de janeiro a 23 de março de 2020.

Para a realização desse estudo, os pesquisadores Xie e colaboradores convidaram um total de 2330 alunos das séries 2 a 6 em duas escolas primárias na província de Hubei, dos quais 845 eram de Wuhan e 1485 eram de Huangshi, a participar de um survey no período entre 28 de fevereiro e 5 de março de 2020. Os alunos participaram por meio de uma plataforma online, após consentimento de um responsável.

Leia também: Covid-19: painel de especialistas propõe o uso de remdesivir para crianças com quadros graves

Todos os questionários foram incluídos na análise após auditoria de qualidade, com taxa efetiva de 100%. As informações incluíam sexo, nota escolar, otimismo sobre o epidemia, preocupações com relação a serem infectados pela Covid-19, e sintomas de depressão e de ansiedade medidos pelo Children’s Depression Inventory–Short Form (CDI-S) e pelo Screen for Child Anxiety Related Emotional Disorders, respectivamente.

Ambas as medidas foram validadas para uso em chinês. Regressões lineares generalizadas foram aplicadas para variáveis ​​contínuas e regressões logísticas para variáveis ​​binárias. Os resultados foram analisados ​​estatisticamente com o SPSS for Windows 22.0 (IBM). A significância estatística foi definida por valores de P<0,05.

Resultados

Foram encontrados os seguintes resultados:

  • Entre 2330 estudantes, 1784 participantes responderam à pesquisa – taxa de resposta de 76,6%;
  • 1012 (56,7%) dos participantes eram do sexo masculino;
  • 1109 crianças (62,2%) residiam em Huangshi;
  • Os estudantes ficaram confinados em casa por uma média (desvio padrão – DP) de 33,7 (2,1) dias em que eles concluíram esta pesquisa;
  • Um total de 403 (22,6%) e 337 estudantes (18,9%) relataram sintomas de depressão e de ansiedade, respectivamente;
  • Os estudantes de Wuhan tiveram escores CDI-S significativamente mais altos do que os de Huangshi [β, 0,092, intervalo de confiança de 95% (IC 95%), 0,014-0,170], com maior risco de sintomas depressivos [odds ratio, 1,426 (IC 95%), 1,138-1,786];
  • Os estudantes que estavam um pouco preocupados ou não estavam preocupados em serem afetados pela Covid-19 tiveram escores CDI-S significativamente mais baixos do que aqueles que estavam bastante preocupados [β, -0,184 (IC 95%), -0,273 a -0,095], com risco reduzido de sintomas depressivos [odds ratio, 0,521 (IC 95%), 0,400-0,679];
  • Aqueles que não estavam otimistas sobre a epidemia, em comparação com aqueles que eram bastante otimistas, tiveram escores CDI-S significativamente mais altos [β, 0,367 (IC 95%), 0,250-0,485], com um risco aumentado de sintomas depressivos [odds ratio 2,226 (IC95%), 1,642 -3,117];
  • Não houve associação significativa entre características demográficas e sintomas de ansiedade.

Veja mais: Sociedade Brasileira de Pediatria alerta sobre vitamina D e Covid-19

Xie e sua equipe descreveram que 22,6% dos estudantes relataram ter sintomas depressivos, o que é superior a outras investigações em escolas primárias da China (17,2%). Durante o surto de Covid-19, a redução das atividades ao ar livre e da interação social pode ter sido associada a um aumento nos sintomas depressivos em crianças.

Esse estudo constatou que 18,9% dos estudantes relataram sintomas de ansiedade, superior à prevalência em outras pesquisas. Os pesquisadores mencionam que a síndrome respiratória aguda grave em 2003 também foi associada a vários sintomas psicológicos entre os estudantes da China. Apesar de não poder avaliar se esses resultados irão persistir após o surto de Covid-19, o estudo de Xie e colaboradores sugere que doenças infecciosas graves podem influenciar a saúde mental das crianças, assim como outras experiências traumáticas.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • XIE, Xinyan et al. Mental Health Status Among Children in Home Confinement During the Coronavirus Disease 2019 Outbreak in Hubei Province, China. JAMA Pediatrics, 2020 doi:10.1001/jamapediatrics.2020.1619

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.