Home / Clínica Médica / Condições crônicas maternas podem ser preditoras de paralisia cerebral na prole

Condições crônicas maternas podem ser preditoras de paralisia cerebral na prole

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Um estudo realizado na Noruega e publicado no jornal Pediatrics mostrou que diversas condições crônicas maternas aumentam o risco de paralisia cerebral (PC) na prole. Inclusive, doenças autoimunes maternas apresentam um risco particular.

A PC é um distúrbio de movimento não progressivo e uma das principais causas de deficiência na infância. Sua etiologia é complexa e apenas alguns fatores de risco pré-natal foram identificados. Entre esses possíveis fatores de risco, estão as condições crônicas maternas, embora os estudos sejam tipicamente insuficientes e limitados a uma ou duas condições. O papel das condições crônicas maternas na etiologia da PC não é implausível. Inflamação, estado trombótico alterado e anormalidades placentárias são características de condições crônicas maternas, e todas foram associadas à PC em estudos prévios. Condições crônicas maternas também estão associadas a parto prematuro, escores de Apgar reduzidos e malformações congênitas, que são fortes preditores de PC. Diante do fato de não haver uma descrição sistemática das condições crônicas maternas e do risco de PC na prole, os pesquisadores exploraram possíveis associações entre 17 condições crônicas das mães e paralisia cerebral em seus filhos.

Leia também: A enfermagem no enfrentamento das condições crônicas de saúde

Condições crônicas maternas podem ser preditoras de paralisia cerebral na prole

Análise recente

Foi realizado um estudo de coorte prospectivo de crianças norueguesas nascidas no período entre 1990 e 2012 e que sobreviveram até os 2 anos de idade. As informações sobre as condições crônicas maternas durante a gravidez foram extraídas do Registro Médico de Nascimentos da Noruega (1990–2012). Informações sobre condições crônicas em mães e pais registradas no Registro Norueguês de Pacientes (2008–2014) estavam disponíveis para um subconjunto de crianças. Os diagnósticos de PC foram extraídos do Esquema de Seguro Nacional (1990–2014) e do Registro Norueguês de Pacientes (2008–2014). Os pesquisadores estimaram os riscos relativos (RR) e os intervalos de confiança de 95% (IC 95%) de PC em filhos de pais com condições crônicas e compararam com a população em geral, usando modelos de regressão log binominal.

Um total de 1.360.149 crianças norueguesas, incluindo 3575 crianças com PC (2,6/1000 nascidos vivos), cumpriram os critérios de inclusão.

No geral, as mães com doenças crônicas tiveram um risco 30% maior de PC em sua prole (RR 1,3; IC 95% 1,2-1,5). O maior risco de PC foi entre filhos de mães com diabetes mellitus tipo 2 (RR 3,2; IC 95% 1,8-5,4), lúpus eritematoso (RR 2,7; IC 95% 0,9-8,3), diabetes mellitus tipo 1 (RR 2,2; IC 95% 1,4–3,4) e doença de Crohn (RR 2,1; IC 95% 1,0–4,1) durante a gestação. O aumento do risco de PC na prole também foi associado à artrite reumatoide (RR 2,0; IC 95% 1,3–2,9), esclerose múltipla (RR 1,8; IC 95% 0,8–4,4) e enxaqueca (RR 1,6; IC 95% 1,2–2,2). Associações mais fracas e menos convincentes foram encontradas para hipertensão crônica, anemia, asma, epilepsia, distúrbio da tireoide e colite ulcerosa. O risco aumentou de 1,3 (IC 95% 1,1-1,4) para mães com qualquer condição, para 1,6 (IC 95% 1,1-2,4) em mães com duas condições e para 3,4 (IC 95% 1,5–7,7) com a presença de três ou mais condições. Nenhum risco aumentado foi observado para filhos de pais com condições crônicas.

Mensagem final

A conclusão desse estudo é de que várias condições crônicas maternas, particularmente doenças autoimunes, foram associadas ao aumento do risco de PC na prole. O risco era maior se a doença estivesse presente durante a gravidez e entre mães com múltiplas condições crônicas. Os pesquisadores reforçaram que a falta de associações entre a doença crônica do pai e o risco de PC apoia a interpretação de que o risco de PC na prole é o resultado direto da condição da mãe e não da predisposição genética ou fatores situacionais não medidos. Entretanto, a falta de associações com as condições dos pais não exclui a possibilidade de mecanismos genéticos que influenciam o neurodesenvolvimento fetal. Sabe-se que tanto a PC quanto as doenças autoimunes se agrupam dentro das famílias. Para os pesquisadores, seria interessante explorar os padrões familiares de doenças autoimunes e suas possíveis associações com os padrões familiares de paralisia cerebral e outras deficiências neurológicas.

Saiba mais: Características gerais da atuação psicológica na doença crônica

A meu ver, esse estudo ressalta o que já se sabe de antemão: a importância do pré-natal durante todo o período da gestação, iniciando-se no primeiro trimestre, e um dos motivos é para que mães com doenças crônicas possam ter suas enfermidades sobre controle e acompanhadas. Além disso, abrem-se portas para a realização de estudos mais robustos para avaliação genética, o que pode, futuramente, esclarecer melhor a causa das PC e não a atribuir somente a asfixia perinatal.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Strøm MS, Tollånes MC, Wilcox AJ, Lie RT, Forthun I, Moster D. Maternal Chronic Conditions and Risk of Cerebral Palsy in Offspring: A National Cohort Study. Pediatrics. 2021;147(3):e20201137. doi:10.1542/peds.2020-1137

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar