Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Risco de cyberbullying em crianças com distúrbios do neurodesenvolvimento

Risco de cyberbullying em crianças com distúrbios do neurodesenvolvimento

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

As devastadoras consequências em longo prazo do bullying na saúde atual e futura das crianças são bem conhecidas, incluindo impactos na saúde mental e física, bem como em resultados sociais e financeiros mais tarde.

As formas tradicionais desta prátia incluem ações físicas, verbais e sociais (às vezes chamadas de relacionais ou excludentes). Para crianças e adultos jovens, o bullying pode ocorrer não apenas dentro ou fora da escola, mas também na internet ou através de outros dispositivos eletrônicos, e a sobreposição entre o chamado cyberbullying e o tradicional bullying pode ser significativa.

Cyberbullying

O bullying tradicional foi estudado em maior extensão do que o cyberbullying (implicando a necessidade de mais pesquisas). Devido à difusão desta prática online, a repetição de comportamentos prejudiciais de um único agressor pode ser menos importante, pois geralmente ocorrem efeitos de disseminação e acompanhamento. O conteúdo online pode “tornar-se viral” muito mais fácil e mais rápido que os incidentes offline. Sempre que a postagem é compartilhada e visualizada por outras pessoas, isso pode contribuir para uma nova ocorrência de vitimização.

Assim, foram sugeridas as três características específicas a seguir ao cyberbullying: a natureza 24 horas/7 dias da semana do bullying, os diferentes aspectos do anonimato e o público potencialmente mais amplo. Argumentou-se que esses aspectos tornam a prática online um fenômeno mais grave que o tradicional, mas estudos sobre esse assunto têm mostrado resultados inconsistentes.

Leia também: Mídias sociais na infância e adolescência: qual o impacto na vida da família?

Alguns estudos têm demonstrado que crianças e adultos jovens com distúrbios do desenvolvimento neurológico (DDN) têm um risco aumentado de bullying, em comparação com outros indivíduos em desenvolvimento normal. Um DDN geralmente significa um diagnóstico como transtorno do déficit de atenção, transtorno do espectro do autismo, transtornos de aprendizado ou deficiência intelectual.

Ainda não está claro até que ponto os DDN estão envolvidos no cyberbullying. Essa dúvida objetivou os autores Beckman, Hellström e von Kobyletzki (2019) a estudar a prevalência entre estudantes com DDN em escolas e necessitando de educação especial, como agressores, vítimas ou ambos (“vítimas de intimidação”). O artigo Cyber bullying among children with neurodevelopmental disorders: A systematic review foi publicado recentemente no jornal Scandinavian Journal of Psychology.

Metodologia

As bases de dados Web of Science, Scopus, ERIC, PsycINFO, PubMED e Cochrane foram pesquisadas, incluindo uma pesquisa manual de listas de referência, até 24 de fevereiro de 2018.

Mais da autora: Prematuros na UTIN: respostas autonômicas ao posicionamento do corpo e ruídos ambientais

Resultados

  • Foram incluídos oito estudos realizados na Europa, América do Norte, Oriente Médio e Austrália;
  • Houve uma prevalência de vítimas de cyberbullying entre estudantes com DDN de 0% a 41%. A prevalência de cyberbullying como agressores foi de 0% a 16,7%. Já a prevalência como ambos foi de 6,7%;
  • Três em cada cinco estudos que usaram grupos controle mostraram que os estudantes com DDN podem estar mais envolvidos no cyberbullying em geral do que os estudantes em desenvolvimento normal;
  • Alunos em ambientes escolares segregados relatam taxas de prevalência ligeiramente mais altas de cyberbullying em comparação com estudantes com DDN em ambientes escolares inclusivos, especialmente entre meninas. Ao comparar taxas de prevalência entre estudos que utilizam a mesma definição, os autores encontraram taxas de prevalência semelhantes.

Conclusões

De acordo os autores, os alunos com DDN podem estar mais envolvidos com o cyberbullying do que os estudantes em desenvolvimento típico. No entanto, segundo os pesquisadores, o número de participantes desta revisão era pequeno e a maioria dos estudos não possuía um grupo controle. Esses achados precisam ser confirmados em estudos de maior qualidade metodológica.

Ao conduzir estudos de prevalência, a validade das informações sobre comprometimento e bullying é de grande importância e pode influenciar os resultados. Também é importante distinguir e comparar diferentes contextos educacionais. Ademais, é necessário harmonizar medidas e definições para o cyberbullying em estudos que incluem estudantes com DDN, a fim de comparar resultados de diferentes estudos e contextos.

Sempre que possível, segundo os autores, os próprios alunos devem ser os que relatam envolvimento com bullying. No entanto, a inclusão de várias fontes de informantes pode fornecer uma descrição mais ampla.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Beckman L, Hellström L, von Kobyletzki L. Cyber bullying among children with neurodevelopmental disorders: A systematic review. Scand J Psychol. 2019 Feb 28

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.