Página Principal > Pediatria > Conjuntivite neonatal: você sabe como reconhecer e manejar a doença?
Conjuntivite neonatal

Conjuntivite neonatal: você sabe como reconhecer e manejar a doença?

Essa semana no Portal da PEBMED falamos sobre a nova diretriz para o tratamento da conjuntivite neonatal. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, separamos os critérios sobre apresentação clínica e diagnóstico da conjuntivite neonatal.

Veja as melhores condutas médicas no Whitebook Clinical Decision!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Apresentação Clínica da Conjuntivite Neonatal

Fatores de Risco

  • Pais com sintomas de infecções sexualmente transmissíveis;
  • Conjuntivite recente em contatos próximos.

Exame Oftalmológico

  • Normalmente o quadro da infecção por gonococcos começa na primeira semana e na clamídia de 1-3 semanas, já na irritação química ocorre logo após a instilação e não dura mais que 2 dias;
  • Podem haver outros achados de infecção por clamídia como rinite, otite e pneumonite. No quadro de herpes, podem ser encontrados vesículas na pele e achados compatíveis com encefalite;
  • Vesículas perioculares na infecção por herpes;
  • Hiperemia conjuntival varia de intensidade, secreção importante, edema palpebral são vistos na infecção gonocóccica. Existe risco de ulceração que evolui para perfuração de córnea;
  • Edema leve, lacrimejamento, hiperemia e secreção mucoide são vistos na infecção por clamídia.

  • Histórico: Investigar se os pais tiveram doenças sexualmente transmissíveis durante a gestação e se o pré-natal foi normal;
  • Exame ocular com luz e fluoresceína para investigar se há envolvimento corneano;
  • Sempre colher material antes da instilação de fluoresceína se for planejado teste de imunofluorescência;
  • Raspado de conjuntiva para coloração com Gram e Giemsa;
  • Swab conjuntival para cultura (ágar sangue, ágar chocolate e meio de Thayer-Martin para gonococcos);
  • Pode ser feito raspado de conjuntiva separado para teste de imunofluorescência para clamídia ou reação de PCR, mas nem sempre está disponível;
  • Nos casos de infecção comprovada por gonococco é necessária avaliação sistêmica com exame físico completo. Culturas de sangue e liquor devem ser obtidas nesses casos.

Diagnóstico Diferencial

  • Glaucoma congênito;
  • Dacriocistite;
  • Obstrução congênita do ducto nasolacrimal.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.