Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Controle do ritmo pode reduzir mortalidade na IC com fração de ejeção preservada?
eletrocardiograma de paciente que precisa de controle do ritmo em ic

Controle do ritmo pode reduzir mortalidade na IC com fração de ejeção preservada?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Há alguns dias foi publicado no Journal of the American Heart Association um estudo observacional (coorte retrospectiva), o qual sugere que pacientes portadores de insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (ICFEP) e fibrilação atrial (FA) concomitantemente obtêm benefício de redução da taxa de mortalidade em um ano, se a FA desses pacientes (portadores simultâneos de ICFEP e FA com mais de 65 anos) for tratada com estratégia de controle do ritmo (cardioversão química, cardioversão elétrica ou ablação eletrofisiológica) em vez de se usar tratamento com estratégia de controle da frequência cardíaca (FC), usando-se betabloqueador, bloqueador de canal de cálcio ou digitálico.

Controle do ritmo na ICFEP

Sabemos que pacientes com ICFEP têm morbidade e mortalidade similares às dos pacientes portadores de insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida (ICFER). Também é de conhecimento prévio que a FA é a arritmia sustentada mais comum em pacientes com insuficiência cardíaca. Até um terço dos pacientes portadores de insuficiência cardíaca têm também a arritmia FA. Sabe-se ainda que até em torno de 40% dos pacientes portadores de IC com fração de ejeção preservada têm concomitantemente fibrilação atrial.

A ICFEP é a forma mais comum de IC em pacientes com mais de 65 anos e representa mais de 50% dos casos de IC prevalentes na comunidade. A ICFEP é virtualmente a única forma de insuficiência cardíaca observada em nonagenários. Essas informações mostram claramente a magnitude da importância dessa evidência de associação entre redução de mortalidade em um ano e tratamento da FA através da estratégia de controle do ritmo versus a estratégia de controle da frequência cardíaca, observada nesse estudo, de maneira estatisticamente significativa, nos casos de ICFEP.

Leia também: Papel prognóstico do exame físico na insuficiência cardíaca

Metodologia

Entre 2008 e 2014, foram analisados retrospectivamente os registros médicos de 15.682 pacientes, no registro americano GWTG-HF (Get With The Guidelines – Heart Failure).

O estudo foi uma coorte retrospectiva e evidenciou uma estatisticamente significativa associação entre tratamento de FA com controle de ritmo e redução na mortalidade de pacientes simultaneamente portadores de ICFEP e FA que trataram a FA por controle do ritmo, e não apenas com controle da FC, no período de um ano do tratamento.

Resultados

Observou-se que em um ano de acompanhamento o hazard ratio para mortalidade de quem, sendo portador de ICFEP, teve tratamento da sua FA com controle do ritmo foi de 0,86, significando que os pacientes do estudo que trataram a FA por controle do ritmo, comparados àqueles que trataram essa arritmia com controle da FC tiveram 14% a mais de chance de sobreviver ao final de um ano.

Esses resultados ainda precisam ser confirmados por estudos randomizados, no entanto mostraram associação estatisticamente significativa entre tratar FA pela estratégia de controle do ritmo em caso de paciente portador de ICFEP e redução da mortalidade por todas as causas em um ano nesses pacientes.

Mais do autor: AHA 2019: tratamento da cardiopatia isquêmica estável

Conclusões

A literatura médica mostra que mais da metade dos pacientes portadores de IC têm a forma de insuficiência cardíaca chamada de ICFEP – insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada, acima de 65 anos de idade. Dos pacientes com ICFEP, sabe-se que entre 30% e 40% têm concomitantemente a arritmia FA.

O estudo possui alguns vieses, sendo um deles o fato de não ter sido estratificado o tipo de fibrilação atrial (paroxística, persistente ou permanente), o que pode por certo interferir no resultado terapêutico, conforme a estratégia adotada para o tratamento da FA.

Ainda assim, mesmo com alguns vieses, o resultado do presente estudo é bastante promissor em termos de aperfeiçoamento da terapêutica consensualmente recomendada na ICFEP, visto que atualmente não se tem conhecimento de nenhum tipo de intervenção médica que altere prognóstico de mortalidade na ICFEP. Esse estudo demonstrou associação entre controle do ritmo cardíaco de FA e redução do risco de mortalidade por todas as causas em um ano em pacientes com 65 anos ou mais.

Há a necessidade de que estudos randomizados mais provavelmente ratifiquem (ou mais remotamente retifiquem) essa associação estatisticamente significativa, em termos de causalidade, definindo que tratar ritmo de FA, quando presente na ICFEP, reduz mortalidade em um ano.

Quer receber as principais novidades em Cardiologia? Participe do nosso grupo do Whatsapp!

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Rhythm Control Versus Rate Control in Patients With Atrial Fibrillation and Heart Failure With Preserved Ejection Fraction: Insights From Get With The Guidelines – Heart Failure. J Am Heart Assoc. 2019;8:e011560. DOI: 10.1161/JAHA.118.011560.

Um comentário

  1. Avatar
    Milton Voss Jr

    Deve-se lembrar que o atrio E é responsável por 15% do enchimento do VE,dai uma das razões da melhoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.