Leia mais:
Leia mais:
AAP 2021: terapia com plasma convalescente em adolescente com Covid-19 – relato de caso
AAP 2021: estratégias não farmacológicas para ansiedade em adolescentes durante a pandemia
AAP 2021: IMC e tempo de tela em adolescentes antes e depois da pandemia da Covid-19
AAP 2021: impacto da etnia e dos determinantes sociais durante a pandemia na atenção primária pediátrica
Pacientes com fibromialgia sentem mais os efeitos da covid-19?

Coronavírus: assintomáticos são responsáveis por dois terços das infecções

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Segundo um recente estudo publicado na revista Science, pessoas assintomáticas com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV2), são responsáveis por dois terços das infecções. Essas transmissões enfatizam a importância de medidas de distanciamento social que estão sendo adotadas em comunidades americanas e europeias.

O alerta vem de um grupo de cientistas coordenado pelo médico Jeffrey Shaman, da Escola de Saúde Pública da Universidade Columbia, de Nova York, nos Estados Unidos.

O estudo mostra que, apesar dos pacientes que desenvolvem a doença serem duas vezes mais contagiosos, os assintomáticos chegam a ser seis vezes mais numerosos mesmo com propensão menor a infectar outros, tornando-se o motor dessa epidemia.

“A maioria dessas infecções é leve, com poucos sintomas, mas, se transmitidas, podem matar idosos ou medicamente vulneráveis. As pessoas podem não reconhecer ou achar que estão resfriados”, explica Jeffrey Shaman.

pés de pessoas sentadas em metrô

Disseminação do coronavírus

Esses achados explicam a rápida disseminação geográfica da doença e sugerem que o controle pode ser difícil. Os números foram retirados da análise dos casos registrados em Wuhan, epicentro da epidemia na China, antes do toque de recolher, em 23 de janeiro. Segundo estimativas, naquele contexto, os portadores assintomáticos do vírus representavam 86% dos casos.

“A explosão da epidemia na China foi amplamente impulsionada por indivíduos com sintomas leves ou ausentes, que passaram despercebidos”, afirmou Jeffrey Shaman, da Escola de Saúde Pública da Universidade Columbia, de Nova York, que liderou o estudo.

Não à toa essas transmissões ocultas continuarão representando um grande desafio para a contenção dessa epidemia em andamento.

Leia também: Persistência do coronavírus no ambiente: como evitar transmissão indireta por superfícies?

Simulação via computador

Seis de cada sete infecções (86%) não foram detectadas na China antes das estritas restrições de viagem de janeiro, de acordo com o modelo de computador da equipe. Esse período de viagens e visitas sem restrições era semelhante à vida nas movimentadas cidades americanas e europeias antes de novas diretrizes e restrições.

Entretanto, a qualidade dessas amostras e a probabilidade de resultados falsos negativos em pacientes assintomáticos não foram levadas em consideração naquela época.

Para estimar os casos atualmente assintomáticos foi utilizado um modelo de simulação computacional, que cruzou dados de incidência da doença com dados de mobilidade de pessoas na China para comparar os períodos antes e depois da restrição de circulação, o que foi eficaz em frear o crescimento do surto.

Agora, com o resultado do estudo, há instituições americanas, chinesas e britânicas de pesquisa questionando a esperança de que os casos assintomáticos não fossem tantos.

“A elevada consciência sobre o surto, o aumento no uso de medidas de proteção pessoal e a restrição de transporte ajudaram a reduzir a força total da infecção, mas não está claro se essa redução será suficiente para cortar totalmente a disseminação do vírus”, diz o pesquisador.

Jeffrey Shaman ainda complementa que se o coronavírus seguir o padrão da pandemia de gripe H1N1 de 2009, ele também vai se espalhar globalmente para se tornar um quinto coronavírus endêmico dentro da população humana.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

4 comentários

  1. RubeMar S. Ferreira

    Agradecendo o espaço, suscita dúvida a qual apreciaria que a jornalista investigasse junto a especialistas:
    1) Como o covid-19 é assintomático em 80% dos infectados e as barreira de controle drivethru empregada na Coreia e em wuhan tendem a ser de pouca efetividade no nosso caso haja vista termos a expectativa de contaminação em todo o país, por quê investir tanto recurso na barreira drivethru? Por quê não empregar o recurso em epis e instrumentos nos centros de saúde para profissionais e pacientes?
    2) Considerando que a letalidade é baixa mas atinge predominantemente a população fragilizada em idade e doenças porquê precisamos termos um vírus à porta pra lembrar, sem a hipocrisia que vemos da sociedade e da mídia, que a família brasileira culturalmente não cuida do seu idoso e o Estado também não cuida ?

  2. PAULO JUAREZ ORSI

    DESCOBRIR OS ASSINTOMÁTICOS É DIFÍCIL (85% DAS CONTAMINAÇÕES) ENTÃO O NEGÓCIO É SE AFASTAR DAS PESSOAS, PORQUE NENHUM DOS DOIS, OU DOS CINCO, SABE QUEM É QUEM. É BOM PARA TODOS O AFASTAMENTO SOCIAL.

  3. Antonio Carlos Filho

    Acredito que é necessário tratarmos com muita cautela a questão das pessoas assintomáticas (que não sabemos quem são enquanto não se apresentarem com a doença) até termos a possibilidade de se fazer os testes PRECISOS (considerando que atualmente ALGUNS testes negativos podem ser falsos) e, medidas retritivas que influenciam diretamente na cultura da humanidade são esseciais para retardar o contagio até a chegada efetiva da vacina contra o COVID19.

  4. Rodrigo de Oliveira

    A pessoa que é assintomática no caso da COVID-19, ela esta com a doença mas não apresenta sintomas e provavelmente não apresentara correto? A minha pergunta é se a pessoa assintomática do COVID sempre terá a doença ou ela vai permanecer por um período de depois some?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar