Leia mais:
Leia mais:
Ômicron XE: entenda o que é a variante recombinante do SARS-CoV-2
Segunda etapa da Campanha de Vacinação contra Influenza e Sarampo vai até 3 de junho
Vacinas contra covid-19: O que temos descrito sobre alterações da retina pós vacina?
Covid-19: Ministério da Saúde oficializa quarta dose para idosos acima de 70 anos
Pesquisadores avaliam excesso de suicídios no Brasil na primeira onda de Covid-19

Covid-19: Anvisa alerta que testes para diagnóstico não atestam proteção vacinal

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou um comunicado alertando que testes disponíveis no mercado para diagnóstico de Covid-19 não devem ser utilizados para atestar o nível de proteção vacinal contra o novo coronavírus. Segundo a agência, os exames não são para essa finalidade.

proteção vacinal contra Covid-19

O alerta

Ainda na publicação, a Anvisa destacou que é importante informar a população que os produtos atuais registrados no Brasil possibilitam apenas a identificação de pessoas que tenham se infectado pelo Sars-CoV-2. Além disso, mesmo quando usados com o objetivo apropriado, os resultados fornecidos pelos testes só devem ser interpretados por profissionais da saúde.

A falta de embasamento científico

Outro destaque da Anvisa foi o reforço do aviso de que não há embasamento científico que relacione a presença de anticorpos contra o Sars-Cov-2 no organismo e a proteção contra a reinfecção pelo novo coronavírus. Desta forma, nenhum dos resultados de testes de anticorpos (neutralizante, IgM, IgG, entre outros) devem ser interpretados como uma garantia de imunidade e nem mesmo indicar algum nível de proteção para uma nova infecção.

Portanto, independentemente do resultado de um exame sorológico feito, deve-se continuar seguindo todas as orientações e cuidados contra o novo coronavírus, como o distanciamento social, uso de máscaras e higienização frequente das mãos, mesmo após a vacinação contra Covid-19.

Os anticorpos neutralizantes

A presença de um vírus no organismo pode trazer a produção de uma resposta imune multifatorial, contando com combinação de diversos fatores. Essa resposta pode contar com a participação de diferentes anticorpos e outros mecanismos de defesa do organismo, que irão atuar em conjunto para combater a infecção viral presente no corpo do paciente.

Porém, não são todos os anticorpos capazes de combater o vírus e impedir a infecção de novas células e sim, apenas uma fração deles, sendo eles denominados de anticorpos neutralizantes, que se desenvolvem em resposta a uma infecção viral ou à vacinação. Estes são os grandes responsáveis pela defesa do organismo, evitando a entrada do vírus nas células e a sua replicação.

Diante da complexidade do Sars-CoV-2, a avaliação de proteção ao vírus, seja por vacinação ou a possibilidade de imunidade pós infecção, requer estudos e ensaios minuciosos que comprovem a capacidade de neutralização dos anticorpos, além da quantidade necessária para gerar proteção e por quanto tempo eles ficam ativos no organismo. Portanto, é importante que mais estudos científicos sejam realizados, com o objetivo de trazer ainda mais respostas sobre a defesa imunológica ao Sars-Cov-2.

Como os testes disponíveis no mercado podem ser prejudiciais

Desse modo, a utilização de produtos disponíveis no mercado com a finalidade de medir o efeito da vacina pode viabilizar uma análise errada dos resultados e acarretar comportamentos indevidos em tempos de pandemia pela falsa sensação de proteção a partir do resultado do exame.

Leia também: Covid-19: Aprovada com restrições a importação excepcional de doses da Covaxin e Sputnik V no Brasil

A Anvisa reforça que é fundamental que os produtos para diagnóstico in vitro aprovados no Brasil sejam utilizados exclusivamente com o propósito para o qual foram desenvolvidos, expresso nas instruções de uso apresentadas pela empresa no momento do registro desses produtos junto à Anvisa.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

 

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.