Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Covid-19 em crianças e infecção nas famílias
Criança passeia com o responsável durante a pandemia de Covid-19 se atentando às instruções de proteção para evitar uma infecção pelo vírus

Covid-19 em crianças e infecção nas famílias

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Parece que as crianças são menos propensas a serem os primeiros casos de Covid-19 em uma mesma família, segundo o estudo Covid-19 in Children and the Dynamics of Infection in Families, publicado no jornal Pediatrics. O objetivo desse trabalho foi descrever a apresentação clínica dos 40 primeiros casos pediátricos de Covid-19 e a dinâmica de seus agrupamentos familiares em Genebra, Suíça.

Leia também: Síndrome pós-Covid-19: sintomas podem persistir por quanto tempo após recuperação?

Metodologia do estudo sobre infecção em crianças

Os pesquisadores Klara Posfay-Barbe e equipe identificaram, por meio da rede de vigilância do Hospital da Universidade de Genebra, todos os pacientes com idade inferior a 16 anos com infecção pelo vírus SARS-CoV-2 no período de 10 de março a 10 de abril de 2020. Essa rede de vigilância notifica os especialistas em doenças infecciosas pediátricas da instituição sobre os resultados das amostras nasofaríngeas testadas para SARS-CoV-2 por reação em cadeia da polimerase – transcriptase reversa (RT-PCR). Os dados clínicos dos pacientes foram recuperados através de revisões de prontuários e os pais foram chamados para acompanhamento de pacientes e de contatos domiciliares (household contacts – HHC). Os HHC foram considerados suspeitos se tivessem febre ou sintomas respiratórios agudos, conforme a definição de caso do Swiss Federal Office for Public Health’s.

Resultados

Os pesquisadores descreveram que, entre um total de 4310 casos de SARS-CoV-2, 40 tinham menos de 16 anos de idade, correspondendo a 0,9% dos casos. Um paciente para o qual o acompanhamento telefônico não foi possível foi excluído devido à incapacidade de avaliar a evolução clínica e os sintomas de HHC. O acompanhamento médio das famílias foi de 18 dias [intervalo interquartil (IIQ) 14-28].

Ouça também: Check-up semanal: cânula de alto fluxo na Covid-19, diretriz de diverticulite e mais! [podcast]

Apresentação clínica, diagnóstico e manejo:

  • Vinte e nove pacientes (74%) eram previamente saudáveis;
  • As comorbidades mais frequentemente relatadas foram:
  • Asma (10%);
  • Diabetes (8%);
  • Obesidade (5%);
  • Parto prematuro (5%);
  • Hipertensão (3%).
  • Sete pacientes (18%) foram hospitalizados na enfermaria;
  • A duração mediana de internação foi de 3 dias (IIQ 2 – 4);
  • Os motivos para a admissão foram:

– Vigilância de pneumonia viral não hipoxêmica (n = 2);

– Febre sem foco (n = 2);

– Evento com risco de vida aparente (n = 1);

– Evento semelhante à sepse (n = 1);

– Uma criança paucissintomática admitida porque ambos os pais tinham Covid-19 grave (n = 1).

  • Nenhum paciente necessitou de internação em unidade de terapia intensiva ou terapias específicas para SARS-CoV-2;
  • Os outros 32 pacientes foram tratados ambulatorialmente;
  • Todos os pacientes tiveram uma resolução completa dos sintomas no sétimo dia após o diagnóstico.

Agrupamentos familiares

  • A avaliação do agrupamento familiar revelou um número t de quatro membros por família (IIQ 3 – 4);
  • Entre os 111 HHC das crianças estudadas, houve um predomínio de:
  • Mães (n = 39);
  • Pais (n = 32);
  • Irmãos pediátricos (n = 23);
  • Irmãos adultos (n = 8);
  • Avós (n = 7).
  • HHC adulto foi suspeito ou confirmado com Covid-19 antes do estudo na criança em 79% (31/39) dos casos;
  • Em apenas 8% (3/39) dos domicílios, a criança do estudo desenvolveu sintomas antes de qualquer outro HHC;
  • 85% (75/88) do HHC adultos desenvolveram sintomas em algum momento, em comparação com 43% (10/23) do HHC pediátrico (p < 0,001);
  • 92% (36/39) das mães desenvolveram sintomas, em comparação com 75% (24/32) dos pais (p = 0,04).

Discussão sobre Covid-19 em crianças

Os pesquisadores destacaram que uma criança desenvolveu sintomas antes de qualquer outro HHC em apenas 8% dos domicílios. Esses resultados corroboram dados anteriores que mostram que as crianças são casos-índice em menos de 10% dos grupos familiares de SARSCoV-2. Entretanto, o desenho do estudo não permite determinar que a transmissão criança-adulto ocorreu. Além disso existem algumas limitações. Posfay-Barbe e colaboradores descreveram que a amostra provavelmente não representa o número total de casos pediátricos de SARS-CoV-2 durante esse período. De fato, pacientes com apresentação mais leve ou atípica podem não ter procurado atendimento médico. Por fim, a recordação do início dos sintomas entre os HHS pode ser imprecisa, embora isso pareça uma vez menos provável devido às medidas de confinamento e à ansiedade na comunidade.

Conclusão

Esses resultados são relevantes devido ao amplo rastreamento de contatos domiciliares e à quase ausência de perdas no acompanhamento. Além disso, nos mostra que as crianças não parecem ser o principal veículo de transmissão da Covid-19. Por fim, a triagem estendida de casos suspeitos e o rastreamento completo de contatos são necessários para entender melhor a dinâmica da transmissão domiciliar.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Posfay-Barbe KM, Wagner N, Gauthey M, et al. Covid-19 in Children and the Dynamics of Infection in Families [published online ahead of print, 2020 May 26]. 2020;e20201576. doi:10.1542/peds.2020-1576

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.