Covid-19: Gestantes só devem tomar CoronaVac ou Pfizer, orienta Ministério da Saúde - PEBMED

Covid-19: Gestantes só devem tomar CoronaVac ou Pfizer, orienta Ministério da Saúde

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Gestantes sem comorbidades poderão vacinar contra a Covid-19, desde que com seja feito com a vacina CoronaVac ou da Pfizer, anunciou nesta quinta-feira (8/7) o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em coletiva de imprensa realizada em Brasília.

As vacinas da AstraZeneca e da Johnson, não deverão ser utilizadas em grávidas. Nesta semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia recomendado que gestantes não recebessem as vacinas de vetor viral.

Covid-19: Gestantes só devem tomar CoronaVac ou Pfizer, orienta Ministério da Saúde

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

A combinação de vacinas não está autorizada

Outra informação importante é que a combinação de vacinas não está autorizada nem em grávidas, nem em nenhum público. E que os municípios não devem fazer a combinação por conta própria.

“Os secretários estaduais, municipais, têm autonomia, mas não para mudar o cerne do que foi discutido na política tripartite. Não pode ficar criando esquemas vacinais diferentes de maneira discricionária sem ouvir o Programa Nacional de Imunizações”, disse Marcelo Queiroga, durante a coletiva de imprensa.

A combinação da primeira dose da AstraZeneca com a segunda dose da Pfizer em gestantes já havia sido autorizada em, pelo menos, dois estados: no Rio de Janeiro e no Ceará. No caso do Ceará, a autorização também foi estendida a puérperas.

A orientação do Ministério da Saúde é que as grávidas que já receberam a vacina da AstraZeneca devem completar a imunização com a mesma vacina após o puerpério. Mesmo antes da nova orientação da pasta, diversos municípios já vacinavam gestantes sem comorbidades.

Quatro óbitos de grávidas vacinadas confirmadas, apenas um ligado ao imunizante

O Ministério da Saúde apresentou os dados da vacinação de grávidas brasileiras durante a coletiva de imprensa. Até o momento, 313.235 das 3 milhões de grávidas no Brasil já foram vacinadas contra a Covid-19, o equivalente a cerca de 10% das gestantes brasileiras.

Confira como a vacinação foi realizada até agora:

  • 201.452 de gestantes receberam a Pfizer;
  • 63.581 receberam a CoronaVac;
  • 48.202 receberam a AstraZeneca.

Entre as vacinadas, foram identificados 439 eventos adversos. Desses, 24 foram graves. Foram identificados quatro óbitos de gestantes vacinadas. No entanto, apenas uma morte tem relação com o imunizante.

A pasta chegou a orientar a vacinação de grávidas sem comorbidades. No entanto, a orientação foi mudada por causa do óbito citado acima.

A nova decisão de vacinar todas as grávidas – com ou sem comorbidades – veio após uma análise de risco-benefício, que considerou a grave situação do Brasil na pandemia, com o registro de 1,4 mil óbitos de gestantes pela Covid-19.

Benefícios da vacinação superam os riscos

O secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Raphael Câmara Parente, explicou na coletiva de imprensa que os imunizantes produzidos com adenovírus não replicantes, como a AstraZeneca e a Janssen, podem causar eventos adversos em gestantes.

Ele ainda afirmou que a porcentagem de letalidade por Covid-19 no Brasil em grávidas infectadas pelo novo coronavírus é de 10%. O índice é considerado alto e, por isso, a pasta decidiu seguir com a imunização desse público.

Leia também: Butanvac: Anvisa autoriza início do estudo com voluntários

O ministro da Saúde afirmou que os benefícios da vacinação superam os riscos. “Após a análise dos dados de todas que foram vacinadas e do amplo debate dos cientistas e dos pesquisadores, e também dos próprios dados, houve o entendimento de voltarmos com as vacinas das gestantes sem comorbidades. Entendemos que não há porque suspender a vacinação”, explicou Marcelo Queiroga.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

 

 

 

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar