Coronavírus

Covid-19: profissionais de saúde de minorias têm mais chances de contrair a doença

Tempo de leitura: 3 min.

Profissionais de saúde, em particular os que fazem parte de minorias étnicas, enfrentam um risco maior de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19), indica um estudo publicado no The Lancet Public Health.

O racismo sistêmico associado às desigualdades no acesso aos equipamentos de proteção individual (EPIs) foi apontado pelo grupo de pesquisadores ingleses e americanos como fator preponderante para a diferença entre as minorias e os demais grupos.

Um dos fatores influenciadores citado foi a desigualdade dentro das diferentes funções dentro do setor de saúde, incluindo desde recepcionistas, porteiros e faxineiros de hospitais.

A pesquisa, conduzida por uma equipe liderada por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts (MGH), nos Estados Unidos, analisou os dados de 2.035.395 indivíduos da comunidade e 99.795 profissionais de saúde da linha de frente da Covid-19.

Os voluntários utilizaram o aplicativo Covid Symptom Study, desenvolvido com contribuições científicas da MGH e do King’s College London, na Inglaterra. Entre os participantes, 5.545 afirmaram ter testado positivo para a Covid-19, entre os dias 24 de março e 23 de abril.

Leia também: Hospital brasileiro cria plataforma para auxiliar médicos no diagnóstico da Covid-19

Risco três vezes maior de testar positivo para a Covid-19

De acordo com a pesquisa, os profissionais de saúde da linha de frente apresentam um risco três vezes maior de pegar a doença. Isso levando em consideração a diferença na frequência de testes entre eles e a comunidade em geral.

Outro dado importante divulgado é que profissionais de saúde negros, asiáticos e de outras minorias étnicas somam ainda um risco quase duas vezes maior em comparação aos trabalhadores de saúde brancos e em geral na linha de frente da Covid-19.

De acordo com o autor sênior e epidemiologista do Hospital Geral de Massachusetts, Andrew Chan, o estudo destaca ainda mais o problema do racismo estrutural sistêmico. Desta vez, refletido tanto nos papéis da linha de frente, quanto nos EPIs, fornecidos aos grupos minoritários.

“Se você pensa que os profissionais de saúde devem estar em pé de igualdade no local de trabalho, o nosso estudo realmente mostrou que definitivamente este não é o caso”, disse Chan, que também é professor na Escola de Medicina de Harvard.

Saiba mais: Covid-19: estudo compara eficácia de 14 tipos de máscaras

Desdobramentos da pesquisa

Os resultados do estudo seguem outra pesquisa mostrando que trabalhadores de saúde de minorias tendem a cuidar de pacientes de minorias infectados por Covid-19 em suas próprias comunidades, muitas vezes em instalações com menos recursos.

Esses trabalhadores também podem ter uma proporção maior de pacientes doentes, uma vez que dados federais mostram que pacientes de uma minoria tiveram testes desproporcionalmente positivos e foram hospitalizados com o vírus.

“Não estou surpreso com essas descobertas, mas estou desapontado com o resultado”, afirmou Utibe Essien, médico e professor assistente de medicina da Universidade de Pittsburgh.

Já Fola May, médico e pesquisador da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, disse que o estudo também reflete o fato de que profissionais de saúde negros e latinos podem viver (ou visitar a família) em comunidades minoritárias, que são mais duramente atingidas pela pandemia, uma vez que muitas pessoas trabalham na linha de frente de todas as indústrias.

Desigualdade aprofundada

Outra descoberta divulgada foi que trabalhadores latinos e negros tinham 20% mais probabilidade do que trabalhadores brancos de cuidar de pacientes com a Covid-19. A taxa subiu para 30% especificamente para trabalhadores negros.

Os negros e latinos, em geral, têm três vezes mais probabilidade do que os brancos de serem infectados pelo vírus, como indica também uma análise publicada no New York Times, com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Os trabalhadores de saúde de grupos étnicos minoritários também foram mais propensos a relatar EPIs inadequados ou reutilizados, a uma taxa 50% maior do que os trabalhadores brancos. Para os latinos, a taxa era o dobro dos trabalhadores brancos.

Você pode obter mais informações sobre Covid-19 na nova edição da Revista PEBMED

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Poliomielite no século 21: onde estamos?

Apesar de controlada no Brasil, a ocorrência de casos em outros países mantém a possibilidade…

15 horas atrás

Tromboembolismo pulmonar: métodos diagnósticos e tratamento [podcast]

Neste episódio, o Dr. Gabriel Quintino vai falar sobre tromboembolismo pulmonar. Há ainda espaço para…

15 horas atrás

Bloqueio dos nervos ilioinguinal e iliohipogástrico no parto cesariano

Uma revisão sistemática e metanálise teve o objetivo de avaliar a eficácia do bloqueio II-IH…

16 horas atrás

Covid-19: Fiocruz busca voluntários para testar medicamento que pode evitar a replicação do vírus

A Fiocruz está à procura de voluntários para testar o molnupiravir, antiviral que pode evitar…

17 horas atrás

ACSCC 2021: Controvérsias no tratamento do abdômen agudo

Todo o cirurgião geral deve estar familiarizado com urgências abdominais, visto que faz parte do dia…

18 horas atrás

Miocardiopatia chagásica: acompanhamento em longo prazo de indivíduos soropositivos para Trypanosoma cruzi

Pesquisadores realizaram um estudo de coorte a fim de avaliar a mortalidade e incidência de…

19 horas atrás