Página Principal > Colunistas > Delirium em Unidades de Terapia Intensiva: o que precisamos saber
paciente em UTI

Delirium em Unidades de Terapia Intensiva: o que precisamos saber

Tempo de leitura: 6 minutos.

Para entendermos o que é o delirium e qual a sua importância no ambiente de cuidados intensivos, vamos supor que estamos, nesse momento, diante do Seu João, um paciente de 67 anos, grave, internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Vamos imaginar que Seu João foi admitido em nossa UTI com diagnóstico de choque séptico de foco abdominal e que ele esteja sedado, recebendo aminas vasoativas, antibioticoterapia de largo espectro e suporte respiratório através de ventilação mecânica invasiva.

Podemos analisar o seu quadro hemodinâmico porque estamos monitorando continuamente sua frequência cardíaca e sua pressão arterial. Para avaliarmos sua função miocárdica, podemos recorrer ao ecocardiograma funcional. Verificamos sua função renal através do controle da diurese e da coleta periódica de amostras de sangue, com dosagens de ureia e creatinina.

Somos capazes de conduzir os parâmetros ventilatórios e controlar sua função pulmonar de acordo com os resultados de gasometrias arteriais seriadas e de radiografias de tórax, além da observação rigorosa de sua saturação de oxigênio.

Mas como anda a sua função cerebral do Seu João?

Assim como os demais órgãos, o cérebro também pode apresentar falência no curso de uma doença grave. Sendo assim, sua função deve ser monitorada. Dessa forma, se queremos saber se o cérebro de um paciente está saudável ou não, precisamos checar sua função.

Para auxiliar a compreensão de como a avaliação da função cerebral funciona, vamos utilizar uma comparação. Imagine que acabamos de passar em frente à casa de um amigo. Você sabe que a casa tem dono, mas você não sabe se tem alguém lá dentro. Como você faz para saber se tem alguém dentro da casa? Batendo à porta ou tocando a campainha, não é mesmo? Assim funciona a avaliação da função cerebral de um paciente grave: seu paciente pode estar inquieto ou sedado e com abertura ocular espontânea, por exemplo, mas você não saberá se sua função cerebral está preservada se você não “bater à porta” ou “tocar a campainha” do cérebro.

Um episódio agudo de falência cerebral é reconhecido como delirium. O delirium, portanto, é um marcador de disfunção cerebral aguda. É uma emergência médica.

Para que o delirium possa ser reconhecido, ele precisa ser investigado e, por se tratar de uma síndrome clínica, seu diagnóstico deve ser feito à beira do leito. Não é fácil detectá-lo sem que uma triagem seja realizada, já que podemos encontrar somente aquilo que estamos procurando!

Veja também: ‘Quais antibióticos causam delirium?’

DEFINIÇÃO

Liston, em 1982, verificou que havia mais de 30 termos clínicos usados para descrever o delirium, como psicose tóxica, estado confusional agudo, psicose orgânica, psicose da UTI, alterações agudas do nível de consciência, psicose exógena, psicose do paciente grave, disfunção cerebral aguda e encefalopatia tóxico-metabólica. Todas essas expressões são sinônimas de delirium e todas elas são preocupantes.

Em 1990, Lipowski propôs uma definição que tem influenciado as mais recentes classificações psiquiátricas: o delirium é uma síndrome mental orgânica transitória e flutuante de início agudo, assinalada por transtorno global das funções cognitivas, nível de consciência diminuído, anormalidades da atenção, aumento ou redução da atividade psicomotora e distúrbio no ciclo sono-vigília.

O vocábulo delirium é proveniente do verbo em latim delirare, que quer dizer “estar fora do caminho”, sugerindo, metaforicamente, que o paciente “está sem rumo”. Constantemente os termos delirium e “delírio” são usados, de maneira errada, como sinônimos.

A Associação Americana de Psiquiatria (American Psychiatric Association – APA) esclarece a diferença entre ambos em seu Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – DSM) quinta edição (DSM-5®, 2013). De acordo com a APA, o delirium é uma perturbação da atenção e da consciência seguida por variação da cognição que não pode mais ser bem esclarecida por uma demência prévia ou em desenvolvimento. Essa perturbação evolui em um curto período de tempo com propensão a flutuar ao longo do dia e é resultante de uma causa fisiológica direta de outra condição médica, intoxicação ou abstinência de substância, de exposição a uma toxina ou decorrente de múltiplas etiologias. Já o “delírio” é caracterizado pela APA como uma crença fixa, não suscetível de mudança ainda que haja presença de evidências conflitantes.

A Classificação Internacional de Doenças décima edição (CID-10) da Organização Mundial de Saúde (OMS) relata que o delirium é uma síndrome orgânica cerebral de etiologia não específica, reconhecido por distúrbios de consciência, atenção, cognição, psicomotricidade, emoção e interrupção do ciclo sono-vigília.

IMPORTÂNCIA

Em adultos em UTI, a literatura relata uma prevalência de até 80% em pacientes sob ventilação mecânica e de até 50% nos de menor gravidade. Em crianças em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP), a prevalência pode variar entre 10 e 47%.

Recentemente, Traube e colaboradores (2017) relataram uma prevalência pontual de delirium de 25% em um dia em crianças graves sob cuidados intensivos em recente estudo internacional e multicêntrico envolvendo 994 pacientes. Todos esses valores dependem da ferramenta empregada para diagnóstico, da população e das características da unidade, sendo provavelmente subestimados.

Em adultos graves, o delirium está associado ao aumento do tempo em ventilação mecânica, do tempo de internação na UTI e no hospital e da mortalidade. Além disso, esses pacientes podem apresentar intercorrências durante sua permanência nas UTI, como retirada de dispositivos invasivos e autoextubação. Os dados sobre o delirium em crianças gravemente enfermas são limitados. Entretanto, recentes estudos têm relatado complicações semelhantes às verificadas em adultos, como o prolongamento do tempo de internação e aumento dos gastos hospitalares.

No entanto, as consequências do delirium sobre os desfechos clínicos não estão restritas ao ambiente hospitalar. Vamos supor que nosso paciente, Seu João, apresentou delirium durante uma permanência de 31 dias na UTI e que, após 64 dias de internação hospitalar, recebeu alta para casa. Já faz cinco meses que Seu João está em seu domicílio, mas seus filhos relatam que, durante todo esse período, o pai tem ficado “diferente”. “Esse não é meu marido”, disse sua esposa. Seu João está constantemente deprimido, quieto, desatento, esquece o nome de familiares e amigos e está dependendo de auxílio para suas atividades básicas funcionais. Seu João não é mais o mesmo…

O que pode ter acontecido?

Seu João desenvolveu delirium em sua internação. O delirium pode ser o responsável por sequelas cognitivas em longo prazo, sequelas emocionais e pelo aumento da mortalidade, inclusive em até seis meses após a alta hospitalar. Pesquisas têm sugerido que as consequências neuropsicológicas da internação na UTI podem prejudicar a qualidade de vida dos pacientes após sua saída da unidade.

O delirium tem sido reconhecido como um considerável problema de saúde pública, acometendo um elevado número de pacientes adultos graves, aumentando os custos. Só nos Estados Unidos, os gastos hospitalares relacionados variam de 4 a 16 bilhões de dólares anualmente.

Infelizmente, não é valorizado do mesmo modo que as demais disfunções orgânicas. Faria e Moreno (2013) afirmam que o subdiagnóstico do delirium é uma realidade, principalmente nas UTI. Para os autores, cerca de 66% dos casos podem não ser identificados, mesmo com a alta prevalência que tem sido relatada pela literatura. O subdiagnóstico é, portanto, um grande desafio, pois os pacientes com delirium que não são previamente diagnosticados não são beneficiados por um tratamento apropriado.

O delirium pode ser evitado e não deveria acontecer em momento algum em nenhum paciente. A diminuição de sua incidência precisa ser apreciada como um parâmetro de qualidade de uma UTI, demonstrando avanço nos cuidados aos doentes. Por isso, alguns autores propõem que o delirium seja avaliado como o sexto sinal vital.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Referências:

  • AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM 5) fifth Edition. Washington: American Psychiatric Association, 2013.
  • BRANDÃO, Flavia Rodrigues; DALGALARRONDO, Paulo. Instrumentos de Avaliação de Quadros Confusionais (Delirium) em Idosos. In: NERI, Anita Liberalesso; YASSUDA, Monica Sanches; CACHIONI, Meire. Velhice Bem-sucedida: Aspectos Afetivos E Cognitivos, 3. ed. Campinas: Papirus, 2008. Cap. 11, p. 205-209
  • ELY, E Wesley et al. Evaluation of delirium in critically ill patients: validation of the Confusion Assessment Method for the Intensive Care Unit (CAM-ICU). Critical Care Medicine, v. 29, n. 7, p. 1370-1379, 2001.
  • ELY, E Wesley. American Delirium Society Meeting. Nashville, Tennessee, Estados Unidos da América: Hilton Hotel, 06 jun. 2017. Palestra realizada no encontro anual da American Delirium Society.
  • FARIA, Rita da Silva Baptista; MORENO, Rui Paulo. Delirium na unidade de cuidados intensivos: uma realidade subdiagnosticada. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 25, n. 2, p. 137-147, 2013.
  • FLAHERTY, Joseph et al. Delirium is a Serious and Under-recognized Problem: Why Assessment of Mental Status Should be the Sixth Vital Sign. Journal of the American Medical Directors Association, v. 8, n. 5, p. 273–275, June 2007.
  • FLAIGLE, Melanie Cooper; ASCENZI, Judy; KUDCHADKAR, Sapna. Identifying Barriers to Delirium Screening and Prevention in the Pediatric ICU: Evaluation of PICU Staff Knowledge. Journal of Pediatric Nursing, v. 31, p. 81-84, 2016.
  • FLÔRES, Dimitri Gusmão; CAPONE NETO, Antônio. (Ed.). Delirium no Paciente Grave. Rio de Janeiro: Atheneu, 2013.
  • HUMES, Eduardo Castro. Delirium. In: _________.; VIEIRA, Márcio Eduardo Bergamini; FRÁGUAS JÚNIOR, Renério (Ed.); HÜBNER, Maria Martha Costa; OLMOS, Rodrigo Díaz (Ed. Col.). Psiquiatria Interdisciplinar. Barueri: Manole, 2016. Cap. 16.
  • LIPOWSKI, Z.J. Delirium: acute confusional states. New York: Oxford University Press 1990.
  • LISTON, EH. Delirium in the aged. Psychiatric Clinics of North America, v. 5, n. 1, p: 49-66, Apr. 1982.
  • PAGE, Valerie; ELY, E Wesley; VUYLSTEKE, Alain (Ed.). Delirium in Critical Care. 2nd ed. United Kingdom: Cambridge University Press, 2015.
  • PITROWSKY, Melissa Tassano et al. Importância da monitorização do delirium na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 22, n. 3, p. 274-279, jul/set. 2010.
  • SALLUH, Jorge et al. Delirium epidemiology in critical care (DECCA): an international study. Critical Care, v. 14, n. 6, p. R210, 2010.
  • SALLUH, Jorge; PANDHARIPANDE, Pratik. Prevenção do delirium em pacientes críticos: um recomeço? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 24, n. 1, p. 1-3, 2012.
  • SMITH, Heidi et al. The Preschool Confusion Assessment Method for the ICU: Valid and Reliable Delirium Monitoring for Critically Ill Infants and Children. Critical Care Medicine, v. 44, n. 3, p. 592-600, 2016.
  • SMITH, Heidi. American Delirium Society Meeting. Nashville, Tennessee, Estados Unidos da América: Hilton Hotel, 04 jun. 2017. Palestra realizada no encontro anual da American Delirium Society.
  • TRAUBE, Chani et al. Delirium in Critically Ill Children: An International Point Prevalence Study. Critical Care Medicine, Jan.2017.
  • VANDERBILT UNIVERSITY MEDICAL CENTER. ICU Delirium and Cognitive Impairment Study. Disponível em: http://www.icudelirium.org/> Acesso em 30 ago. 2017.
  • WORLD HEALTH ORGANIZATION. ICD-10 Version: 2010. Disponível em: <http://apps.who.int/classifications/icd10/browse/2010/en>. Acesso em: 12 ago. 2016.

2 Comentários

  1. Muito interessante!
    Mas de que forma o delirium pode ser corrigido ou evitado se os pacientes em questão já estão, teoricamente, recebendo os cuidados adequados para seus casos?
    E como combater as “sequelas” dos Estados de delirium, como as mudanças de comportamento em casa pós internação e etc?

  2. Roberta Esteves Vieira de Castro
    Roberta Esteves Vieira de Castro

    Olá, Luiz Felipe!
    Excelente pergunta!
    Delirium é um assunto bem complexo, então vamos lá!
    O delirium tem etilogia multifatorial: são inúmeros os seus fatores de risco! Esses fatores podem ser classificados em precipitantes e predisponentes. Como fatores predisponentes, podemos citar a idade (extremos de idade: idosos acima de 65 anos e crianças com menos de 2 anos), a doença de base, demência ou atraso cognitivo prévio, alcoolismo. Dentre os fatores precipitantes, estão a gravidade da doença aguda, o ambiente da UTI, o uso de benzodiazepínicos, dispositivos invasivos, etc.
    Se seu paciente está delirando, tem algo de errado com ele. Temos que procurar por fatores de risco. Falarei desse assunto detalhadamente em outro texto.
    Prevenção e tratamento podem ser feitas simultaneamente através de abordagem não farmacológica: reduzir luzes e ruídos à noite, promoção do sono, mobilização, evitar contenção no leito, orientar o paciente….
    As sequelas do delirium podem ser irreversíveis. Portanto, a melhor opção é sempre pensar que seu paciente pode apresentar delirium!
    Cada caso precisa ser avaliado individualmente. Dependendo do caso, o paciente pode se beneficiar de atividades de reabilitação, com fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia. É super importante que a família seja orientada e participe ativamente no processo de reabilitação de seu ente querido!
    Espero ter ajudado!!!!
    Roberta 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.