Leia mais:
Leia mais:
Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa (caso clínico)

Dez passos para combater a violência obstétrica

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Violência obstétrica é um tema espinhoso, mas necessário de ser abordado para fornecermos o melhor tratamento para as mulheres nas instituições de saúde.

Ainda não há um consenso sobre a definição de violência obstétrica. As definições mais restritas mencionam “atos de violência física, psicológica, sexual e negligência, perpetrada pela equipe de saúde contra a mulher e seu recém-nascido, em virtude da gestação, parto e nascimento, incluindo puerpério e situação de abortamento”. Outras também incluem discriminação contra a mulher e a adoção de procedimentos não embasados em evidências científicas (ex. cesárea eletiva, episiotomia de rotina, amniotomia precoce e manobra de kristeller). E definições mais abrangentes incluem “comunicação ineficiente da equipe de saúde com a paciente, perda de autonomia e estrutura hospitalar inadequada”. A prevalência de violência obstétrica varia de 18,3% a 44,3% conforme estudos de base populacional brasileiros (HENRIQUES, 2021).

Leia também: Retrospectiva 2021: confira os destaques do ano da área de ginecologia e obstetrícia

Dez passos para combater a violência obstétrica

Análise recente

Uma revisão integrativa realizada por Amorim e Oliveira de artigos científicos nacionais publicados dos anos 2010 a 2019, nas plataformas LILACS, Bdenf, MEDLINE e SCIELO, teve o objetivo de verificar a percepção dos profissionais da saúde quanto ao conceito de violência obstétrica, descrever os tipos de violência e como os profissionais percebem isso. Essa revisão revelou que o conceito que os profissionais de saúde têm de violência obstétrica inclui violência física, verbal, psicológica, moral e/ou institucional, podendo ser propiciada por falta de: comunicação, recursos (materiais e humanos), preparo profissional, preparo institucional e educação em saúde (AMORIM et OLIVEIRA, 2019).

A gestação, o abortamento, o trabalho de parto, o parto e o puerpério são experiências físicas, emocionais e sociais. A mulher que chega ao serviço de saúde traz consigo uma história que pode incluir medos, insegurança, ansiedade, sonhos/idealizações relacionados à gestação/ao bebê ou uma gestação não desejada com quebra de planos, falta de apoio social e/ou culpa. O que essa mulher mais necessita é de profissionais de saúde que ofereçam um ambiente seguro para que ela possa falar o que está passando e sentindo sem ser alvo de prejulgamentos ou julgamentos, e que seja tratada com respeito.

Zambaldi, Cantilino e Sougey fizeram uma revisão que a ocorrência de parto traumático, que inclui mulheres que sentiram dor intensa e prolongada no trabalho de parto, foi sucedida por transtorno de estresse pós-traumático relacionado ao parto.

Aqui, sugiro dez passos para o combate à violência obstétrica em ambiente hospitalar baseados principalmente nas diretrizes do Ministério da Saúde (2014; 2017):

  1. Acolher a paciente, que é tratar de forma digna e respeitosa, escutar, reconhecer e aceitar as diferenças, respeitar o direito de decidir de mulheres e homens, acessar e ter resolubilidade da assistência à saúde.
  2. Não julgar e se despir de prejulgamentos. Ter uma “atitude terapêutica”.
  3. Garantir que todas as parturientes tenham apoio contínuo e individualizado durante o trabalho de parto e parto por acompanhante de sua escolha.
  4. Durante o pré-natal, informar as gestantes sobre os riscos e benefícios de várias práticas e intervenções durante o trabalho de parto (ex. analgesia farmacológica, jejum, episiotomia e outras).
  5. Tentar estabelecer boa comunicação com a mulher e com o(a) acompanhante:
    • com uma boa acolhida, olhar nos olhos da paciente, se apresentar e explicar qual é o seu papel na equipe de saúde;
    • perguntar se a paciente necessita de algo, como prefere ser chamada e se algo a preocupa;
    • abordar de forma calma, confiante e respeitosa;
    • se a mulher tiver plano de parto escrito, ler e discutir com ela, considerando as condições e limitações relativas à evolução do parto e à unidade de saúde;
    • checar se a paciente tem alguma deficiência ou não fala Português para verificar a necessidade de usar língua alternativa;
    • tentar usar linguagem clara e acessível, checando se a paciente entendeu o que foi dito;
    • antes de entrar no quarto ou enfermaria, bater na porta do quarto e esperar antes de entrar, respeitando aquele local como espaço pessoal da mulher.
  1. Sempre que possível, prover à parturiente acesso à analgesia não farmacológica (imersão em água em banheira, chuveiro, massagens, acupuntura, áudio-analgesia e/ou aromaterapia). Fornecer analgesia regional se a parturiente desejar e se houver anestesista disponível.
  2. Antes de qualquer procedimento e/ou exame, solicitar permissão à mulher, explicando o que fará e a necessidade desse.
  3. No final de um plantão ou quando for solicitar algum parecer, comunicar à paciente sobre a troca de plantonista responsável ou que um parecerista virá avaliá-la.
  4. Promover educação continuada para combater a violência obstétrica nas instituições. Promover discussões sobre o tema com estudantes da área de saúde.
  5. Cabe aos gestores e governantes fornecer boas condições de trabalho e infraestrutura em nossas instituições de saúde. E, caso não o façam, devemos lutar por elas.

Conclusão

Para combatermos a violência obstétrica, devemos garantir um bom acolhimento com uma boa comunicação, lembrando de usar linguagem clara e acessível. Por vezes, a paciente e a família podem se exaltar conosco, mas devemos lembrar que podem estar passando por um sofrimento e, a princípio, não devemos assumir que essa questão é pessoal.

Saiba mais: Relevância do pediatra na sala de parto

Outra questão crucial é a promoção da analgesia tanto por métodos não farmacológicos quanto por analgesia regional se a parturiente assim desejar.

Por fim, para prestarmos um bom atendimento, também é necessário treinamento continuado das equipes de saúde, e a disponibilidade de recursos humanos e materiais adequados.

Referências bibliográficas:

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.