Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

O dia 18 de maio foi instituído pela Lei 9.970 de 2000, como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”. A data faz referência a um crime brutalmente cometido contra uma criança de 8 anos de idade, Araceli Cabrera Crespo, que foi espancada, abusada sexualmente, drogada e morta, sendo seu corpo encontrado seis dias após o seu desaparecimento, próximo a cidade de Vitória, no Espírito Santo. 

No dia 18 de maio, e também em todo o mês de maio, com alusão a cor laranja, campanha “Maio Laranja”, ocorrem debates e reflexões sobre violência infantil e formulação de políticas públicas de proteção à infância conduzidas por entidades governamentais e não governamentais, bem como representantes da sociedade civil. A campanha, que é lançada anualmente pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, através da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, realiza atividades de conscientização, prevenção, orientação, e combate ao abuso e exploração sexual de criança e adolescentes. 

dia nacional contra o abuso e exploração sexual infantil

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

O abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes

O conceito de “abuso sexual” é descrito como “violência que acontece dentro do ambiente doméstico ou fora dele, mas sem a conotação da compra de sexo, podendo o agressor ser pessoa conhecida ou desconhecida da vítima. Uma relação adultocêntrica; o agressor (pais/ responsáveis legais/pessoas conhecidas ou desconhecidas) domina a criança e/ou adolescente, se apropriando e anulando suas vontades, tratando-os, não como sujeitos de direitos, mas sim como objetos que dão prazer e alívio sexual.”

É importante lembrar ainda que a exploração sexual é todo o ato de cunho erótico, tendo ou não contato físico, apresentando ou não uso de força, que ocorre entre um adulto ou adolescente mais velho e uma criança ou adolescente.  

O art 5º do Estatuto da Criança e do Adolescente, garante que toda criança e adolescente, não “será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão (…).” O Estatuto da Criança e do Adolescente e também a Constituição Federal afirmam ser “dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, (…), à dignidade, ao respeito (…)” de toda criança e adolescente.

Leia também: Quais os desfechos de longo prazo do abuso físico infantil?

Considerações

Apesar das leis de proteção à criança e ao adolescente, no período de 8 anos, entre 2011 e 2019, a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos registrou mais de 200 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes, considerando que os estudos apontam para um percentual de notificação de apenas 10% dos casos. Um total de 85% a 90% dos agressores sexuais são pessoas conhecidas pela vítima, sendo 30% pais. Cerca de 72% dos casos ocorre dentro da residência onde a criança ou adolescente moram.

Diante de qualquer suspeita de maus tratos à criança ou adolescente, é dever do profissional de saúde e da instituição de saúde notificar o caso e comunicar ao conselho tutelar da respectiva localidade. Por questões éticas é necessário que o profissional esclareça que não se trata de uma ação de cunho policial, mas sim de prover a criança e família proteção e ajuda competente. 

Autora:

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar