Diagnóstico e tratamento do câncer de bexiga

O câncer de bexiga é a segunda neoplasia urológica em termos de prevalência, sendo mais frequente na faixa etária 50-70 anos e em homens.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O câncer de bexiga é a segunda neoplasia urológica em termos de prevalência, sendo mais frequente na faixa etária 50-70 anos e no sexo masculino. Mais de 90% dos casos de câncer de bexiga consistem de tumores derivados de células transicionais, sendo o restante CEC e adenocarcinomas.

Leia também: Câncer de bexiga: novo medicamento promete combate mais rápido

Médica analisa texto sobre câncer de bexiga

Quais são os fatores de risco?

  • Tabagismo cumulativo e dose-dependente;
  • Radioterapia pélvica
  • Anilina, benzina;
  • Corantes;
  • Ciclofosfamida;
  • Corpo estranho intravesical.

Em geral, o principal responsável pela neoplasia de bexiga é o tabagismo, assumindo quase 50%. Demais fatores de risco são aqui listados e conferem risco para desenvolvimento da neoplasia por causarem agressão à mucosa.

Qual a apresentação clínica?

Hematúria macro ou microscópica, indolor, recorrente, não justificada por demais causas.

Sintomas irritativos no quadro inicial, a saber: urgência, disúria, polaciúria. Sintomas obstrutivos pelo caráter mais agressivo e invasivo de algumas lesões também podem sobrevir.

Como é realizado o diagnóstico?

Citoscopia mais biópsia. Complementar investigação com TC. EAS também complementa investigação e auxilia seguimento, devido a citologia oncótica (atenção para similaridade com carcinoma urotelial como foi abordado no texto sobre câncer renal).

Como é o estadiamento?

Ta Tumor papilífero não invasivo
T1 Invasão de tecido conectivo subepitelial.
T2 a Invasão do tecido muscular superficial.
b Invasão do tecido muscular profundo.
T3 a Invasão do tecido perivesical microscopicamente.
b Invasão do tecido perivesical macroscopicamente.
T4 a Invasão de tecidos adjacentes: próstata/útero/vagina.
b Invasão do parede abdominal/pélvica.

 

N1 Único na pelve verdadeira: obturador, hipogástrico, ilíaco externo, pré-sacral.
N2 Múltiplos na pelve verdadeira.

Como se trata? 

Ta Ressecção transuretral + tratamento intravesical adjuvante, mediante características de lesão agressiva:

–    Recidiva;

–    Tis associado;

–    > 3 cm;

–    Alto grau;

–    Multiplicidade;

–    Indiferenciada.

T1
T2 Cistectomia radical + linfadecentomia pélvica bilateral + derivação urinária.
T3 Cistectomia radical + linfadecentomia pélvica bilateral + derivação urinária + quimioterapia adjuvante.
T4 Quimioterapia, derivação urinária se necessária.

Além da cessação do tabagismo.

Saiba mais: Unicamp cria medicamento que mata células do câncer de bexiga

Observações:

80% das lesões são superficiais, entretanto há importante risco de recidiva, principalmente, se as lesões forem multifocais, de grande volume e indiferenciadas. Além disso, essas características determinam um risco que pode chegar até a 20% de evolução das lesões superficiais para tumores invasivos da camada muscular.

Após 2-4 semanas de ressecção transuretral, deve-se repetir o procedimento em pacientes T1, quando a amostra da biópsia não teve tecido muscular, ressecção inicial incompleta.

No que consiste a cistectomia radical?

Nos homens, implica na retirada da bexiga + próstata + vesículas seminais = cistoprostatectomia radical.

Nas mulheres, implica na retirada da bexiga + útero + anexos = exenteração pélvica.

Quais são as formas de se realizar a derivação urinária?

A escolha pelo método de derivação urinária depende da idade do paciente, comorbidades que ele apresenta e grau de invasão da lesão localmente.

A derivação mais próxima do fisiológico é a neobexiga ortotópica:

Indicações: pacientes jovens, segmento intestinal a ser utilizado sem alterações, sem comprometimento linfonodal ou do colo vesical ou da uretra (especialmente prostática), competência esfincteriana, o tumor não é avançado localmente; função renal adequada;

É caracterizada por manutenção das funções de armazenamento e esvaziamento urinário, sem exclusão do trato urinário, a partir de um segmento de alça intestinal no qual são anastomosados ureteres e uretra.

Se houve lesão na uretra/colo vesical, opta-se por derivação externa.

Outra derivação possível é a cirurgia de Bricker:

  • Indicações: idosos, portadores de múltiplas comorbidades, tumor localmente avançado;
  • É caracterizada por anastomose dos ureteres ao reservatório ileal, porém não a uretra. Diferentemente da neobexiga ortotópica, aqui realiza-se uma ileostomia cutânea.

Quais são as indicações para realização de cistectomia parcial?

  • Solitários;
  • Não recidivados;
  • Margens livres e bem definidas;
  • Longe do trígono vesical;
  • Sem carcinoma in situ

O grande risco é que o tecido vesical remanescente continua exposto ao fator de risco que levou ao aparecimento da lesão primária, levando a possibilidade real de recidiva.

Quais as complicações esperadas das derivações urinárias?

  • Utilização do jejuno: acidose metabólica hipercalêmica, hiponatrêmica e hipoclorêmica.
  • Utilização do íleo: acidose metabólica hiperclorêmica.

Quais são os tratamentos intravesicais?

Todos os tratamentos visam aumentar o intervalo de evolução de lesão recidivante.

  • Quimioterapia intravesical: realizada com tiotepa, mitomicina, epirrubicina. Dose única e imediatamente após ressecção (até 24 horas após).
  • BCG: cepas atenuadas do Mycobacterium bovis. É mais efetiva que a quimioterapia intravesical, principalmente em tumores de alto risco.

Se não responsivo a essas terapias, opta-se por cistectomia radical.

Referências bibliográficas:

  • Wein AJ, et al. Campbell Walsh Urologia. Rio de Janeiro: Elsevier. 2019.
  • Bellucci CHS, et al. Urologia MEDCEL. São Paulo: Medcel. 2019.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão