Home / Colunistas / Doença de Alzheimer: treinamento cognitivo é eficaz no estágio inicial?
Alzheimer

Doença de Alzheimer: treinamento cognitivo é eficaz no estágio inicial?

Colunistas, Psiquiatria
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

O comprometimento cognitivo leve (CCL) é uma condição que afeta pessoas que estão nos estágios iniciais da demência ou da doença de Alzheimer. Pessoas com esta condição podem ter perda leve de memória ou outras dificuldades para completar tarefas que envolvem habilidades cognitivas. CCL pode eventualmente evoluir para demência ou doença de Alzheimer. Depressão e ansiedade também podem acompanhar o CCL. Ter essas condições pode aumentar o risco de declínio mental à medida que as pessoas envelhecem e portanto exigem atenção do médico responsável.

Cognição pode ser compreendida a grosso modo como  a capacidade de pensar e tomar decisões. Tratamentos sem intervenção medicamentosa que mantêm a saúde cognitiva à medida que envelhecemos atraem cada dia mais e mais a atenção de especialistas médicos. Manter a capacidade de pensar com clareza e tomar decisões é crucial para o bem-estar e a vitalidade dos idosos.

O treinamento cognitivo pode melhorar a memória, habilidades de raciocínio em idosos com comprometimento cognitivo? A Sociedade Americana de Geriatria parece ter encontrado uma direção.

Estudo sobre comprometimento cognitivo leve

Um estudo recente, publicado nesse ano no Journal of American Geriatrics Society por cientistas de centros de pesquisa em Montreal e Quebec City, no Canadá, investigou se o treinamento cognitivo, um tratamento sem medicação, poderia melhorar o comprometimento cognitivo leve.

Leia mais: Qual é a relação entre diabetes e Doença de Alzheimer?

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram 145 idosos, com cerca de 72 anos de idade, de clínicas canadenses de memória. Os participantes foram diagnosticados com CCL e foram designados para um dos três grupos. Cada grupo incluiu quatro ou cinco participantes e se reuniu por oito sessões semanais por 120 minutos.

Os três grupos foram:

  •  Grupo de treinamento cognitivo: os membros deste grupo participaram do programa MEMO (uma frase francesa que se traduz como “método de treinamento para memória ótima”). Eles receberam treinamento especial para melhorar a memória e a atenção.
  • Grupo psicossocial: os participantes deste grupo foram encorajados a melhorar seu bem-estar geral. Eles aprenderam a se concentrar nos aspectos positivos de suas vidas e a encontrar maneiras de aumentar as situações positivas.
  • Grupo de controle: os participantes não tiveram contato com pesquisadores e não seguiram um programa.

Durante o tempo das sessões de treinamento, 128 dos participantes completaram o projeto. Após seis meses, 104 completaram todas as sessões em que foram designados.

Resultados

As pessoas do grupo MEMO aumentaram suas pontuações de memória em 35% a 40%. Além do mais, a melhora foi a maior para os idosos com “recall atrasado”. Isso significa memória para palavras medidas apenas 10 minutos depois de as pessoas as terem estudado. A “memória atrasada” é um dos primeiros sinais da doença de Alzheimer, esta foi uma das principais conclusões.

Aqueles que participaram do grupo MEMO disseram que usaram o treinamento que aprenderam em suas vidas diárias. O treinamento deu-lhes maneiras diferentes de lembrar as coisas. Por exemplo, eles aprenderam a usar imagens visuais para lembrar nomes de pessoas novas e usar associações para recordar listas de compras. Essas lições permitiram que eles continuassem mantendo as melhorias na memória após o término do estudo.

Significado

O estudo mostrou que atividades que estimulam o cérebro, como o treinamento cognitivo, podem proteger contra o declínio das habilidades mentais. Mesmo adultos mais velhos que têm CCL ainda podem aprender e usar novas habilidades. Enquanto as pessoas do grupo psicossocial e do grupo de controle não experimentaram benefícios de memória ou melhoria de humor.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Sylvie Belleville, Carol Hudon, Nathalie Bier, Catherine Brodeur, Brigitte Gilbert, Sébastien Grenier, Marie-Christine Ouellet, Chantal Viscogliosi, Serge Gauthier. MEMO Eficácia, Durabilidade e Efeito do Treinamento Cognitivo e Intervenção Psicossocial em Indivíduos com Deficiência Cognitiva Leve . Jornal da American Geriatrics Society , 2018; DOI: 10.1111 / jgs.15192.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.