Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / DPOC: revefenacina é aprovada para tratamento da doença respiratória
pneumonia aspirativa

DPOC: revefenacina é aprovada para tratamento da doença respiratória

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

A revefenacina (Yupelri), um antagonista muscarínico de longa duração (LAMA), foi aprovada esta semana pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para o tratamento de manutenção de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

O medicamento inalatório deve ser administrado uma vez por dia, a uma dose de 175 μg (3 mL) por meio de um nebulizador. A comodidade posológica é a grande vantagem do tratamento, pois é o primeiro broncodilatador nebulizado com esta característica aprovado para a DPOC nos Estados Unidos, de acordo com comunicado dos produtores.

Leia mais: Síndrome de sobreposição Asma-DPOC é maior em países menos desenvolvidos

A revefenacina pode causar broncospasmo paradoxal. Caso isso ocorra, os pacientes devem descontinuar o uso. É importante também que estejam alertas para sinais e sintomas de glaucoma agudo de ângulo estreito (dor ou desconforto ocular, visão turva, alterações visuais, etc.). Os pacientes devem consultar um profissional de saúde imediatamente caso apresentem estes sintomas. A bula do fármaco também traz a orientação de não iniciar o Yupelri em DPOC agudizado ou para tratar sintomas agudos. Além disso, orienta usar o medicamento com cautela em pacientes com hiperplasia prostática, pois pode piorar a retenção urinária.

As reações adversas mais comuns incluem tosse, nasofaringite, infecção do trato respiratório superior, dor de cabeça e dor nas costas. Os profissionais de saúde devem evitar a administração de revefenacina com outros medicamentos anticolinérgicos. A agência americana não recomenda a administração de revefenacina ao mesmo tempo que os inibidores de OATP1B1 e OATP1B3 (rifampicina, ciclosporina, etc.), pois pode levar a um aumento na exposição do metabólito ativo.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.