É possível a redução e suspensão dos anti-TNF em pacientes com espondiloartrites e artrite psoriásica?

O uso de anti-TNF está relacionado ao aumento no risco de infecções e reações, além de um aumento importante nos custos de tratamento.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Os biológicos (anti-TNF) melhoraram substancialmente os desfechos relacionados às espondiloartrites axiais (axSpA) e artrite psoriásica (PsA). No entanto, seu uso está relacionado ao aumento no risco de infecções e reações infusionais e/ou locais, além de um aumento importante nos custos de tratamento. Dessa forma, diversas estratégias de redução de dose e suspensão vêm sendo estudadas.

Apesar da falta de evidências conclusivas de alta qualidade metodológica, as estratégias de redução até suspensão ou reativação das axSpA e PsA vêm sendo recomendadas, com base em resultados de alguns estudos nessas doenças e na artrite reumatoide (AR). Na PsA, um RCT encontrou que a manutenção do ixequizumabe (inibidor da IL-17A) foi superior à suspensão, mas a reintrodução da medicação fez com que a maioria dos pacientes retornassem ao estado de baixa atividade de doença (LDA). Já nas axSpA, seis RCTs encontraram que a maioria dos pacientes na estratégia de redução de dose se mantinham em remissão ou LDA; caso o paciente reativasse, o controle era obtido de maneira rápida após reajuste da dose. No entanto, a suspensão foi desencorajada em alguns deles pelo risco de flare.

Leia também: Novos guidelines da BSR para o tratamento da artrite psoriásica com biológicos e moléculas alvo específicas

Visando contribuir com o corpo de evidência para tomada dessa decisão, Michielsens et al. conduziram um RCT de não inferioridade comparando as estratégias de redução de dose e suspensão em pacientes com axSpA e PsA.

em pacientes com espondiloartrites e artrite psoriásica

Métodos

Trata-se de um ensaio clínico randomizado pragmático, open-label, monocêntrico e de não inferioridade para comparar a estratégia treat-to-target (T2T) com redução escalonada da dose dos anti-TNF (intervenção) versus a estratégia T2T padrão sem redução da dose dos anti-TNF (controle) em pacientes com axSpA e PsA. O desfecho primário analisado foi a proporção de pacientes em LDA ou remissão após 12 meses, com margem de não inferioridade de 20%. Diferentes desfechos secundários também foram analisados.

Para serem incluídos, os pacientes deveriam ter 16 anos ou mais e estarem em LDA ou remissão (axSpA: ASDAS < 2,1 / PsA: PASDAS ≤ 3,2 e área de superfície corporal acometida pela psoríase ≤ 3%) por pelo menos 6 meses. A randomização foi feita em blocos de 3 ou 6, estratificada pela doença (axSpA ou PsA) e pelo uso de DMARDs sintéticos convencionais (sim ou não). O seguimento foi realizado a cada 3 meses (ou em casos de reativação), com duração total de 12 meses após alocação.

As doses eram reduzidas para 66%, 50% e 0% a cada visita, caso o paciente se mantivesse em LDA. No caso do adalimumabe e certolizumabe, isso era obtido através do espaçamento dos intervalos para 3 semanas, 4 semanas e interrupção, respectivamente. Já o etanercepte era administrado a cada 10 e 14 dias, seguido de suspensão. No golimumabe, os intervalos eram aumentados para 45 e 60 dias, seguido de suspensão. E as doses do infliximabe eram reduzidas para 2,25 mg/kg e 1,5 mg/kg a cada 8 semanas, seguida de suspensão.

Caso o paciente apresentasse flare (axSpA: ASDAS ≥ 2,1 ou aumento ≥ 0,9 / PsA: PASDAS > 3,2 ou aumento ≥ 0,8), o uso de AINEs e glicocorticoides como ponte eram permitidos. Caso o paciente se mantivesse acima do alvo programado, o tratamento pleno era instituído novamente. Não era permitido o desmame de DMARDs sintéticos convencionais durante o período de estudo.

Resultados

Foram incluídos 122 pacientes, alocados da seguinte maneira: 81 (39 axSpA e 42 PsA) no grupo intervenção (redução até suspensão das doses) e 41 (19 axSpA e 22 PsA) no grupo controle (manutenção das doses). Não houve perdas de seguimento, logo as análise por intenção de tratar e por protocolo foram semelhantes.

Ao final de 12 meses, a proporção de pacientes em LDA no grupo intervenção foi de 69% vs. 73% no grupo controle. A diferença ajustada foi de 5%, com intervalo de confiança de -10 a 19%, demonstrando a não inferioridade da estratégia de desmame.

A incidência acumulada de flares foi de 85% no grupo intervenção vs. 78% no grupo controle (p=0,32). No entanto, a incidência acumulada de início ou aumento das doses de medicações concomitantes foi maior no grupo de redução de dose, especialmente para AINEs (54% vs. 24%, p=0,002).

Saiba mais: Nas espondiloartrites periféricas precoces, qual a frequência do acometimento axial?

Dos pacientes que reduziram as doses de anti-TNF, 72% se mantiveram com doses reduzidas, sendo que 28% deles conseguiram suspender a medicação. A dose média de anti-TNF foi significativamente reduzida no grupo intervenção (53% vs. 91%), no mês 12. Os 28% restantes não conseguiram progredir com a redução das doses, sendo que 22% deles necessitaram retornar com as doses cheias das medicações.

Não houve diferença entre os grupos em termos de eventos adversos graves. A funcionalidade e a qualidade de vida foram semelhantes entre os grupos.

Comentários

Esse estudo acrescenta dados sobre a possibilidade de se progredir o desmame dos anti-TNF com relativa efetividade, quando comparados com a manutenção. Apesar disso, o estudo apresenta algumas limitações que podem agregar vieses, como o seu desenho aberto e de não inferioridade. Ademais, como desconhecemos o poder do estudo para os desfechos secundários, é possível que o tamanho amostral não seja suficiente para avaliar diferenças na funcionalidade e na qualidade de vida nesse cenário. Em contrapartida, esse tipo de estudo aumenta a possibilidade de se generalizar os resultados para um ambiente de prática de vida real.

Concluindo, resultados desse estudo são animadores, uma vez que a dose utilizada de anti-TNF se reduziu de maneira substancial, o que minimiza o risco de eventos adversos e o custo envolvido com o tratamento. Estudos de seguimento de longo prazo podem nos ajudar a tirar conclusões definitivas a esse respeito.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Michielsens CAJ, den Broeder N, van den Hoogen FHJ, et al. Treat-to-target dose reduction and withdrawal strategy of TNF inhibitors in psoriatic arthritis and axial spondyloarthritis: a randomised controlled non-inferiority trial. Ann Reum Dis. 2022;0:1–8. DOI:10.1136/annrheumdis-2022-222260.