Home / Colunistas / Endometriose pode causar maior risco de eventos perinatais adversos?

Endometriose pode causar maior risco de eventos perinatais adversos?

Colunistas, Emergências, Ginecologia e Obstetrícia, Medicina de Família, Obstetrícia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Segundo um estudo publicado em setembro deste ano, na Obstetrics & Gynecology, a endometriose está associada a uma maior incidência de resultados obstétricos adversos específicos, como aborto espontâneo, pré-eclampsia, diabetes gestacional e gestação ectópica.

A hipótese de que o implante do tecido endometrial em topografia anômala promova comprometimento da evolução da gestacional ocorre devido a uma série de fatores: diminuição na qualidade oócitaria, menor resposta a progesterona, alteração na placentação, diminuição na contratilidade uterina e presença de fatores inflamatórios. Todos estes associados a um maior risco de prematuridade, debates gestacional (DMG) e doença hipertensiva especifica da gravidez (DHEG).

Endometriose versus eventos perinatais

Os pesquisadores realizaram um estudo coorte que avaliou a relação entre endometriose com diagnóstico confirmado por laparoscopia e resultados obstétricos adversos em enfermeiras participantes do Nurse Health Study II.

Leia mais: Endometriose: aspectos clínicos e atualização no diagnóstico ultrassonográfico

A pesquisa teve inicio em 1989 e incluiu 116.429 mulheres com idade entre 25 e 42 anos que responderam um questionário focado no estilo de vida, informações reprodutivas e de saúde gravidez, sendo atualizado a cada dois anos.

A partir de 1993, os questionários eram focados na endometriose com diagnóstico confirmado por laparoscopia. Em 2009, o questionário era a respeito da presença/evolução da gravidez havendo sido relato 196.722 gestações.

cadastro portal

Resultados

Ao comparar os resultados da evolução obstétrica de mulheres com (8.875 gestações – 4,5%) e sem histórico de endometriose confirmada por laparoscopia, pode ser avaliado algumas variáveis como: aborto espontâneo, gestação ectópica, DMG, DHEG (pré-eclâmpsia ou hipertensão gestacional), prematuridade, natimorto (óbito fetal após 20 semanas de gestação) e baixo peso ao nascer.

Desse modo, o estudo concluiu que as mulheres com confirmação diagnóstica apresentaram um risco relativo (RR) elevado para abortamento espontâneo (RR 1,40; Intervalo de confiança de 95% [IC] 1,31 – 1,49), gestação ectópica (RR 1,46; IC 95%, 1,19 – 1,80), DMG (RR 1m35; IC 95%, 1,11 – 1,63) e DHEG (EE 1,30; IC 95%, 1,16 – 1,45).

Veja também: Endometriose: qual o melhor exame para iniciar a investigação?

As variantes secundárias consideradas foram idade, paridade, uso de contraceptivos orais, historia de infertilidade, características do ciclo menstrual, tabagismo e índice de massa corporal (IMC). Através destes, outros associações encontradas em mulheres com endometriose confirmada foram: um maior risco de abortamento espontâneo em primíparas que possuíam menos de 35 anos, maior incidência de gestação ectópica em mulheres sem história prévia de infertilidade e a presença de DMG foi maior em multaras com menos de 35 anos, sem historia prévia de infertilidade.

Todavia, o estudo apresenta alguns vieses que não foram considerados, como: história de incompetência istmicocervical e acretismo placentário, que podem ter influenciado nos resultados.

Ainda assim, os autores concluíram que mulheres com endometriose podem apresentar maior chance de resultados obstétricos adversos, devendo haver sempre uma investigação mais aprofundada da patologia, assim como maior cautela na evolução dessas gestações. De qualquer forma, mais estudos são necessários para que possam elucidar possíveis intervenções preventivas.

Tenha acesso a diversas condutas em ginecologia e obstetrícia com o Whitebook, o maior aplicativo médico do Brasil! Baixe grátis!

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.