Casos de cardiomiopatia de Takotsubo crescem por conta da pandemia - PEBMED

Casos de cardiomiopatia de Takotsubo crescem por conta da pandemia

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Pesquisadores da Cleveland Clinic, em Ohio, nos Estados Unidos, constataram um aumento no número de casos cardiomiopatia de Takotsubo, saltando de 1,7% para 7,8% durante a pandemia. O estudo foi publicado hoje na JAMA Network Open.

A cardiomiopatia de Takotsubo ou por estresse, conhecida popularmente como síndrome do coração partido, ocorre em resposta ao estresse físico ou emocional e causa disfunção ou falha no músculo cardíaco.

Apesar de não haver uma explicação científica, a hipótese apontada é a de que a reação de uma pessoa a eventos física ou emocionalmente estressantes causa uma liberação de hormônios do estresse que reduzem temporariamente a capacidade do coração de bombear — fazendo com que ele se contraia de forma menos eficiente ou irregular, em vez de em um padrão estável e normal.

Segundo estimativas, em todo o mundo, 90% dos casos de cardiomiopatia de estresse ocorrem em mulheres na pós-menopausa.

Leia também: Uso da maconha dobra o risco de síndrome do coração partido

Mulheres na pós-menopausa são mais afetadas pela cardiomiopatia de Takotsubo

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Como foi realizado o estudo

Em primeiro lugar, os pesquisadores observaram quatro períodos anteriores ao início da aceleração do contágio do novo coronavírus no território norte-americano. Os casos da enfermidade entre pacientes com problemas coronários tinham incidência que variava de 1,5% a 1,8%. Esses quatro ciclos foram comparados com os meses de março e abril, quando a pandemia entrou no foco da vida de muitos norte-americanos: a taxa saltou para 7,8%.

Foram analisados 1.914 pacientes em dois hospitais do estado de Ohio nos cinco períodos do estudo. Os pesquisadores sugerem uma relação dos casos de cardiomiopatia de Takotsubo com o estresse psicológico, social e financeiro provocado pela pandemia e pela quarentena.

Os autores reconhecem que há limitações no estudo, uma vez que o universo da pesquisa é regional.

Sintomas

Geralmente, os pacientes apresentam sintomas semelhantes aos de um ataque cardíaco, mas não têm as artérias coronárias bloqueadas de forma aguda. O ventrículo esquerdo do coração, entretanto, pode mostrar aumento. Outros sintomas incluem batimento cardíaco irregular, dispneia, síncope, pressão arterial baixa e choque cardiogênico.

“Em situações de extrema tensão, o corpo humano é estimulado a produzir mais adrenalina e a descarga desse hormônio na corrente sanguínea provoca um estreitamento momentâneo nos vasos do coração e, consequentemente, o funcionamento do músculo cardíaco é afetado”, explica Antonio Eduardo Pesaro, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Saiba mais: Takotsubo X SCA: um desafio para o emergencista

Tratamento

Pacientes com cardiomiopatia de estresse, geralmente, recuperam a sua função cardíaca em questão de dias ou semanas, embora essa condição possa ocasionalmente causar eventos cardíacos e cerebrovasculares adversos importantes e raramente pode ser fatal.

A cardiomiopatia de estresse é geralmente tratada com medicamentos para o coração para reduzir a pressão arterial e diminuir a frequência cardíaca. Outros medicamentos podem ser prescritos para ajudar a controlar o estresse.

“O uso de diuréticos para reduzir o acúmulo de líquidos no corpo e técnicas para minimizar o estresse podem complementar o tratamento”, finaliza Antonio Pesaro.

No Brasil

Desde junho, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) passou a coletar dados de 32 centros cardiológicos no país para criar um registro nacional de casos da síndrome. Com essa iniciativa será possível identificar como a doença se comporta e quais as características das pessoas mais afetadas conforme as condições no Brasil.

Segundo a entidade, o único levantamento disponível no Brasil sobre a enfermidade é um estudo regional com 169 pacientes com o diagnóstico de Takotsubo entre 2010 e 2017, em doze hospitais do estado do Rio de Janeiro.

A última análise trouxe que a média dos pacientes acometidos pela síndrome tinha 71 anos, era em sua maioria mulheres (90,5%), com prevalência de dor torácica (63,3%) e histórico de estresse emocional considerável, registrados em 40% dos casos.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar