Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Estudo aponta quais antibióticos gestacionais podem aumentar risco de aborto espontâneo
antibioticos de várias cores

Estudo aponta quais antibióticos gestacionais podem aumentar risco de aborto espontâneo

Os antibióticos são amplamente utilizados durante a gravidez, entretanto as avaliações relativas à segurança fetal permanecem limitadas. A literatura existente sobre a associação entre o uso de antibióticos gestacionais e o risco de aborto espontâneo fornece resultados conflitantes.

Um estudo publicado recentemente na Canadian Medical Association Journal avaliou a associação entre a exposição aos antibióticos durante a gravidez e o risco de aborto espontâneo.

Realizou-se um estudo caso-controle aninhado dentro de uma coorte de gravidez do Quebec/Canadá (1998-2009). Dez controles por caso foram selecionados aleatoriamente e pareados por idade gestacional e ano de gravidez. O aborto espontâneo foi definido como diagnóstico ou procedimento relacionado ao aborto espontâneo antes da 20ª semana de gestação.

Veja também: ‘Quais são os antiepilépticos mais indicados durante a gestação?’

Foram incluídas mulheres com idade entre 15-45 anos no primeiro dia de gestação. Gestações com exposição a fármacos teratogênicos conhecidos e aquelas que terminaram com o aborto planejado foram excluídas do estudo.
Foram identificadas 182.369 gestações que atenderam aos critérios de inclusão, das quais 8.702 (4,7%) terminaram em aborto espontâneo clinicamente detectado. A média da idade gestacional média foi de 14,1 (desvio padrão: 3,1) semanas (mediana: 14 semanas).

Em comparação com 87.020 controles pareados, as mulheres com aborto espontâneo tinham maior probabilidade de ser mais velhas, viver sozinhas e apresentar comorbidades e infecções.

O Whitebook tem uma seção exclusiva de Ginecologia! Fique por dentro das melhores condutas. Baixe aqui o aplicativo #1 dos médicos brasileiros.

Após ajuste para os potenciais fatores de confundimento, o uso de azitromicina (odds ratio [OR] ajustado: 1,65; intervalo de confiança [IC] de 95%: 1,34-2,02; 110 casos expostos), claritromicina (OR ajustado: 2,35; IC 95%: 1,90-2,91; 111 casos expostos), metronidazol (OR ajustado: 1,70; IC 95%: 1,27-2,26; 53 casos expostos), sulfonamidas (OR ajustado: 2,01; IC 95%: 1,36-2,97; 30 casos expostos), tetraciclinas (OR ajustado: 2,59; IC 95%: 1,97-3,41; 67 casos expostos) e quinolonas (OR ajustado: 2,72; IC 95%: 2,27-3,27; 160 casos expostos) foi associado com um risco aumentado de aborto espontâneo.

O estudo concluiu que o uso de macrólidos (excluindo a eritromicina), quinolonas, tetraciclinas, sulfonamidas e metronidazol durante a gravidez foi associado a um risco aumentado de aborto espontâneo. Esses resultados podem ser úteis aos tomadores de decisão para atualizar diretrizes para o tratamento de infecções durante a gravidez.

Autora:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.