Home / Colunistas / Estudo associa mudanças no consumo de carne vermelha com mortalidade

Estudo associa mudanças no consumo de carne vermelha com mortalidade

Colunistas, Medicina de Estilo de Vida, Nutrologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

Diversos estudos epidemiológicos analisaram a relação entre o consumo de carne vermelha e o risco de mortalidade. No estudo “Associação de mudanças no consumo de carne vermelha com mortalidade total e causa específica entre mulheres e homens americanos: dois estudos prospectivos de coorte” foram examinadas se as mudanças no consumo de carne vermelha estão associadas ao risco subsequente de mortalidade total e específica.

Foi analisada a associação de mudanças no consumo de carne vermelha, ao longo de oito anos, com risco de mortalidade durante os oito anos subsequentes. Os participantes eram mulheres norte-americanas do Nurses Health Study e homens americanos do Estudo de Acompanhamento dos Profissionais de Saúde. As Diretrizes Dietéticas para Americanos 2015-2020 incluem a recomendação:

“As estratégias para aumentar a variedade de alimentos proteicos incluem a incorporação de frutos do mar como a opção de alimentos proteicos nas refeições e, também, o uso de leguminosas ou nozes e sementes em pratos misturados ao invés de carne ou frango. Portanto, usamos modelos estatísticos para estimar os efeitos da substituição de carne vermelha por quantidades equivalentes de outras fontes de proteína, como nozes, frango, peixe, laticínios, ovos e leguminosas e cereais integrais e vegetais”, diz o estudo.

Metodologia

O Nurses Health Study é um estudo de coorte prospectivo de 121.700 enfermeiras registradas nos Estados Unidos com idade entre 30 e 55 anos no momento da matrícula. O estudo começou em 1976 e as enfermeiras completaram um questionário inicial sobre fatores demográficos, hábitos alimentares, estilo de vida e histórico médico.

Já o Estudo de Acompanhamento dos Profissionais de Saúde foi criado em 1986, quando 51.529 profissionais masculinos de saúde americana com idades, entre 40 e 75 anos, retornaram um questionário de referência sobre histórico médico detalhado, estilo de vida e dieta habitual. Em ambas as coortes, os questionários foram concluídos bienalmente após o início para coletar e atualizar informações sobre estilo de vida e ocorrência de novas doenças. As taxas de acompanhamento foram de 90% para ambas as coortes. 

A linha de base da análise atual foi estabelecida como 1994, oito anos após 1986, quando informações detalhadas sobre dieta, atividade física e outros fatores de estilo de vida foram coletadas para ambas as coortes. O fim do acompanhamento foi em 2010.

Foram excluídos participantes que apresentavam história de doença cardíaca, acidente vascular cerebral ou câncer, falta de informações sobre dieta e estilo de vida, consumo excessivo de energia (homens: <800 ou> 4200 kcal / dia; mulheres: < 500 ou> 3500 kcal / dia, 1 kcal = 4,18 kJ = 0,00418 MJ), ou aqueles que morreram antes da linha de base (ou seja, 1994). A análise final incluiu 53 553 mulheres e 27 916 homens.

Determinação da mortalidade

Morte por qualquer causa foi o resultado primário desta análise. Os pesquisadores identificaram as mortes usando os registros estatísticos, o índice nacional de óbitos, os relatórios das famílias e o sistema postal. Usando esses métodos, foram calculados 98% das mortes em cada coorte.

A equipe responsável buscou atestados de óbito para todas as mortes e, quando apropriado, foi solicitada a permissão dos parentes próximos para revisar os registros médicos. Um médico revisou as certidões de óbito e registros médicos e determinou a causa básica de morte de acordo com a CID-8 e a CID-9. Foram agrupadas as causas de morte em seis categorias principais.

Resultados

Ocorreram 14.019 mortes em relação a 1,2 milhão de pessoas por ano de acompanhamento. Aumentos no consumo de carne vermelha ao longo de oito anos foram associados a um maior risco de mortalidade nos oito anos subsequentes entre mulheres e homens (ambos P para tendência <0,05, P para heterogeneidade = 0,97).

Um aumento no consumo total de carne vermelha de, pelo menos, metade de uma porção por dia foi associado com um risco de mortalidade 10% maior (taxa de risco combinada de 1,10, intervalo de confiança de 95% 1,04 a 1,17).

Para o consumo de carne vermelha processada e não processada, um aumento de, pelo menos, metade da porção por dia foi associado a um risco de mortalidade 13% maior (1,13; 1,04 a 1,23) e um risco de mortalidade 9% maior (1,09; 1,02 a 1,17), respectivamente.

Uma diminuição no consumo de carne vermelha processada ou não processada de, pelo menos, metade de uma porção por dia não foi associada ao risco de mortalidade.

Conclusões do estudo

  • Aumentos no consumo de carne vermelha, especialmente de carne processada, foram associados a um maior risco de morte;
  • Reduções no consumo de carne vermelha e aumentos simultâneos em escolhas alimentares alternativas saudáveis ​​ao longo do tempo foram associados a um menor risco de mortalidade;
  • Outras evidências confirmam os benefícios para a saúde da substituição do consumo de carne vermelha e processada por fontes de proteína, grãos integrais ou vegetais saudáveis.

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.