Leia mais:
Leia mais:
Atividade física e Covid-19: a importância da reavaliação médica no retorno aos treinos
Novas evidências: Laser fracionado de CO2 para tratamento de atrofia vaginal
Manejo da dispneia na emergência com uso de ultrassonografia point-of-care (POCUS)
CHEST 2021: Fibrose pulmonar idiopática, neurointensivismo, DPOC e muito mais
Estudo mostra bebês prematuros extremos que sobrevivem ao parto também melhoram os desfechos de neurodesenvolvimento

Estudo compara os desfechos do parto entre mulheres com e sem cardiopatia congênita

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Queremos saber a sua opinião! Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

Um estudo observacional retrospectivo publicado recentemente na JAMA Cardiology foi realizado com o objetivo de comparar os desfechos do parto entre mulheres com e sem cardiopatia congênita.

De um total de 27.907.535 internações hospitalares na Califórnia de janeiro de 2005 até dezembro de 2011, foram identificadas 3.642.041 internações de partos. Dentre essas, 3.189 eram mulheres com cardiopatia congênita não complexa (idade média [desvio padrão – DP]: 28,6 [7,6] anos) e 262 mulheres com cardiopatia congênita complexa (idade média [DP]: 26,5 [6,8] anos).

Veja também: ‘Genética das cardiopatias congênitas: o que se sabe até agora’

As mulheres com cardiopatia congênita apresentaram maior probabilidade de realização de cesariana (121 [46,2%] com cardiopatia congênita complexa, 1.236 [38,8%] com cardiopatia congênita não complexa e 1.164.509 [32,0%] sem cardiopatia congênita; p<0,001). A mediana do tempo de permanência hospitalar foi maior para as mulheres com cardiopatia congênita em comparação com as mulheres sem cardiopatia (3 vs. 2 dias; p<0,001).

Adicionalmente, mulheres com cardiopatia congênita complexa (11,1%) e não complexa (6,0%) foram internadas por mais de 7 dias, comparadas com mulheres sem cardiopatia (1,3%).

Insuficiência cardíaca congestiva, arritmias e mortalidade materna foram raros durante a hospitalização, ocorrendo em menos de 10 mulheres com cardiopatia congênita não complexa ou complexa (<0,5% cada).

Após o ajuste multivariado, cardiopatia congênita não complexa (odds ratio [OR]: 9,7; intervalo de confiança [IC] de 95%: 4,7 a 20,0) e cardiopatia congênita complexa (OR: 56,6; IC 95%: 17,6 a 182,5) foram associadas a maiores probabilidades de insuficiência cardíaca congestiva incidente.

E mais: ‘Como manejar grávida com cardiopatia congênita? AHA responde’

Similarmente, foram encontradas probabilidades semelhantes para arritmias atriais em cardiopatia congênita não complexa (OR: 8,2; IC 95%: 3,0 a 22,7) e complexa (OR: 31,8; IC 95%: 4,3 a 236,3), para restrição de crescimento fetal em cardiopatia congênita não complexa (OR: 1,6; IC 95%: 1,3 a 2,0) e complexa (OR: 3,5; IC 95%: 2,1 a 6,1), e para readmissão hospitalar em ambos os grupos de cardiopatia combinados (OR: 3,6; IC 95%: 3,3 a 4,0).

A cardiopatia congênita complexa foi associada a maior probabilidade ajustada de arritmias ventriculares graves (OR: 31,8; IC 95%: 4,3 a 236,3) e mortalidade materna intra-hospitalar (OR: 79,1; IC 95%: 23,9 a 261,8).

Este estudo destaca alguns riscos para gestantes com cardiopatia congênita, os resultados podem orientar o monitoramento das decisões e avaliação de risco para mulheres grávidas com cardiopatia congênita no momento do parto.

As melhores condutas em Cardiologia você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Autora:

Referência:

  • Hayward RM, Foster E, Tseng ZH. Maternal and Fetal Outcomes of Admission for Delivery in Women With Congenital Heart Disease. JAMA Cardiol. 2017 Apr 12. doi: 10.1001/jamacardio.2017.0283. [Epub ahead of print]
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar