Leia mais:
Leia mais:
Síndrome pós-COVID-19: quais os desafios nos cuidados nutricionais?
CDC aprova o uso da vacina Moderna contra covid-19 para crianças de 6 a 17 anos
Alterações no padrão de sono após infecção por covid-19
Qual o papel da anticoagulação na covid-19?
Papel das comorbidades na infecção grave por covid-19

Existe associação entre uveíte não infecciosa e vacinação para SARS-CoV-2?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A vacina de RNA mensageiro BNT162b2 (Pfizer) demonstrou alta eficácia na prevenção da infecção por SARS-CoV-2, hospitalização e morte. Estudos em grandes populações demonstraram bom perfil de segurança, mas foi identificado algum risco aumentado para complicações sistêmicas como a infecção por varicela zoster, a linfadenopatia, a síndrome de Guillian Barre e a miocardite. Associações prévias entre vacinas e complicações oculares como uveítes foram sugeridas, incluindo a uveíte. A maioria dos relatos de casos são de apenas um ou poucos casos e incluem neuroretinopatia macular aguda, retinopatia serosa central, rejeição de transplante de córnea, paralisia de nervo craniano e uveítes.

A maioria dos casos de uveíte são relacionados a uveíte anterior (mas alguns incluem MEWDS, síndrome deVogt-Koyanagi-Harada e panuveíte idiopática). Em todos esses casos a associação a vacina foi feita pela proximidade temporal, com os achados tendo sido um a trinta dias após a dose da vacina. Não ficou claro ainda quando a vacina é relacionada a um aumento da incidência de uveíte e quando a associação é por termos populações de mais alto risco.

Vacinas contra covid-19: O que temos descrito sobre alterações da retina pós-vacina?

uveíte

Estudo

Um estudo publicado em maio de 2022 na Ophthalmology examinou uma grande população que recebeu a vacina em questão e comparou as taxas de uveíte não infecciosa ativa. O estudo foi uma coorte retrospectiva e realizado em Israel. Os casos observados de uveíte não infecciosa ativa após a vacinação para covid-19 foram comparados com os casos de uveíte ativa esperados antes da vacinação para covid-19 com base nos dados de 2019 antes da pandemia e 2020 durante a fase da pandemia pré-vacina. Foram incluídos os pacientes que receberam pelo menos uma dose de vacina, com mais de 16 anos, que receberam a primeira dose entre dezembro de 2020 e abril de 2021. 2.602.557 pessoas com média de idade de 46.8 ± 19.6 anos receberam a primeira dose da vacina entre 20 de dezembro de 2020 e 30 de abril de 2021. Dessas 2.441.719 receberam a segunda dose entre 10 de janeiro de 2021 e 30 de abril de 2021. Um diagnóstico prévio de uveíte não infecciosa foi documentado em 18.236 (0.7%) dos que receberam a primeira dose e 17.250 pessoas (0.7%) dos que receberam a segunda dose. 

Resultados

Após a vacinação, 188 pessoas tiveram uveíte ativa e dessas 100 pessoas durante os 21 dias após a primeira dose e 88 pessoas durante os 21 dias após a segunda dose, refletindo um risco de 3.85 e 3.61 por 100.000 vacinados. A média de tempo para o surgimento da uveíte foi de 8.5 dias após primeira dose e 10 dias pós-segunda dose com 68% e 67% dos eventos ocorrendo nos primeiros 14 dias. A taxa de incidência de uveíte ativa foi de 66.8 a cada 100.000 pessoas- ano na primeira dose e 62.7 por 100.000 pessoas-ano na segunda dose. A taxa nas populações referência (2019 e 2020) foi de 45.7 por 100.000 pessoas- ano e 45.1 por 100.000 pessoas- ano. Entre pessoas sem história de uveíte o risco de um quadro de uveíte foi de 1.63 e 1.98 eventos a cada 100.000 vacinados após primeira e segunda dose.

Comparando-se com a população referência de 2019 sem história de uveíte, o risco para um quadro de uveíte foi de 1.3 e 1.57. Os dados mostraram que uma pessoa com história de uveíte tem um risco maior de uveíte recorrente ativada pós-vacina. Em relação as características clínicas da uveíte não infecciosa pós-vacina, dos 188 casos, 166 foram unilaterais (88.3%). A uveíte anterior foi o achado principal em 171 olhos (90.96%). A média da acuidade visual foi de 0.3±0.44logMAR. A investigação clínica foi feita em 127 eventos (67.55%) com a uveíte idiopática sendo a etiologia mais comum (n=106, 56.38%), seguida por pacientes com uveíte associada a  HLA-B27 (n=12, 6.38%) e doença de Behҫet (n=2, 1.06%).

Conjuntivite e uveíte: diferenças e atenção [podcast]

Conclusão

O estudo de forma alguma desencoraja a vacinação, mas os pacientes devem ser orientados sobre os sintomas da uveíte ativa, particularmente durante os primeiros 14 dias após vacina e devem procurar imediatamente o oftalmologista caso ocorram. É importante lembrar que a causalidade envolve mais do que a associação temporal. Por isso apesar de sugerir um aumento do risco de uveíte pós-vacina, o estudo em questão não consegue estabelecer uma relação de causa efeito.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
# Tomkins-Netzer O, Sar S, Barnett-Griness O, Friedman B, Shyriaieva H, Saliba W, Association between vaccination with the BNT162b2 mRNA COVID-19 vaccine and non- infectious uveitis: a population-based study, Ophthalmology (2022). doi10.1016/j.ophtha.2022.05.015
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.