Reumatologia

Gravidez e falso positivos para espondiloartrite axial na ressonância magnética de sacroilíacas

Tempo de leitura: 4 min.

A ressonância magnética (RM) das articulações sacroilíacas (SI) permitiu um grande avanço com relação ao diagnóstico e, consequentemente, tratamento de espondiloartrite axial não radiográfica (nr-axSpA), devido à sua alta sensibilidade. No entanto, já é conhecido que algumas condições podem mimetizar as alterações inflamatórias das nr-axSpA, como variações anatômicas, sobrecarga mecânica devido a atividade física intensa e idade mais avançada, o que pode levar ao sobrediagnóstico dessa condição.

Durante a gestação e o parto, as articulações pélvicas passam por diversas alterações hormonais e por estresse mecânico, podendo levar à dor lombar e/ou pélvica. Alguns estudos já demonstraram alterações inflamatórias na RM de SI no período pós-parto por mais de 16 meses. Além disso, existem estudos que demonstraram alterações inflamatórias e estruturais em mulheres multíparas.

Com base nisso, Hoballah et al. conduziram um estudo para avaliar a prevalência de edema medular ósseo (EMO) nas SI de pacientes nulíparas, no período pós-parto imediato (até 12 meses após o parto) e no pós-parto tardio (após 24 meses depois do parto). Além disso, os autores tentaram identificar fatores associados com essa alteração na RM.

Leia também: Fazer ressonância magnética durante a gravidez é seguro?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Métodos

Trata-se de um estudo transversal, que incluiu pacientes encaminhadas pelo serviço de ginecologia para a realização de RM por diversas indicações que não fossem relacionadas a queixas ou suspeitas de doença musculoesquelética.

Os critérios de inclusão foram: ter entre 18 e 50 anos; disponibilidade da sequência STIR (short tau inversion recovery) ou T2 fat-sat; e possuírem seguro de saúde. Já os critérios de exclusão foram: história pessoal ou familiar de doença inflamatória; período entre 12 e 24 meses após o parto; gestação no momento da RM; história de doença pélvica, trauma ou cirurgia.

Dentre as informações coletadas por questionário, estavam incluídas variáveis demográficas, antecedentes médicos e prática de exercício físico.

A RM foi realizada em aparelhos de 1,5 T, e as SI foram avaliadas por 2 radiologistas especialistas em aparelho musculoesquelético. Cada RM foi classificada como positiva ou negativa para os critérios ASAS. Em caso de discordância entre os 2 radiologistas, um terceiro radiologista foi consultado.

O desfecho primário analisado foi a presença de EMO e/ou lesões estruturais (erosões, osteófitos, anquilose e esclerose) nas SI, conforme a definição do ASAS handbook.

O tamanho amostral calculado foi de 297 (119 nulíparas, 59 pós-parto precoce e 119 no pós-parto tardio), para um poder de 80% e diferença esperada de 20% entre os grupos. As pacientes foram analisadas de novembro de 2015 a maio de 2019.

Saiba mais: Ressonância diminui a incidência de tumor em pacientes com mamas densas?

Resultados

Dos 517 pacientes avaliadas, 423 foram elegíveis. Dessas, 219 eram nulíparas, com idade média de 30,9±7,7 anos e IMC médio de 23,1±4,8; 25% tinham antecedente de dor lombar e/ou pélvica e 23% praticavam esportes capazes de sobrecarregar as SI. Já o grupo de pós-parto precoce (75% com apenas um filho, 18% com 2 e 7% com 3 ou mais) incluiu 60 mulheres com idade média de 31,2±4,5 anos e IMC médio de 24±4,5; 42% tinham relato prévio de dor lombar e/ou pélvica e 37% praticavam atividade física capaz de sobrecarregar as SI. Por fim, no grupo pós-parto tardio (40% com apenas um filho, 28% com 2 e 31% com 3 ou mais), foram incluídas 144 mulheres (44% com antecedente de dor lombar e/ou pélvica e 19% com prática de esportes) com idade média de 38,3±6,2 anos, com IMC de 24±5,1.

As diferenças estatísticas encontradas para as características basais foram as seguintes: mulheres do grupo pós-parto tardio eram mais velhas e faziam menos exercício físico, e mulheres nulíparas apresentaram menor histórico de dor lombar e/ou pélvica dos que aquelas que já tiveram filhos.

Achados

Com relação aos achados na RM, o EMO foi mais frequente nas pacientes no pós-parto precoce (33%), quando comparados com nulíparas (14%, p = 0,001) e com o pós-parto tardio (21%, p = 0,071 – sem significância estatística para essa última comparação). As pacientes nulíparas tiveram EMO de menor dimensão do que as dos grupos pós-parto precoce e tardio. Das pacientes que apresentaram EMO, cerca de 70-80% em todos os grupos preencheram critérios ASAS para sacroiliíte. A prevalência de erosões foi baixa (todas menores que 7%) e semelhante entre os grupos. Uma pequena parcela dessas pacientes apresentou simultaneamente erosões e EMO, sem diferença entre grupos. A presença de esclerose foi mais frequente nos grupos de mulheres que já tiveram filhos, quando comparadas com as nulíparas.

Os pesquisadores encontraram que a idade mais avançada (OR 1,03 por ano, p = 0,038) e o período pós-parto precoce (OR 3,03, p = 0,001) se associaram com a presença de EMO, quando comparadas com nulíparas. Além disso, pacientes com EMO apresentaram maior chance de dor lombar e/ou pélvica no passado, erosões, esclerose e osteófitos.

Comentários

Como pudemos observar nos resultados desse estudo, pacientes com baixa probabilidade pré-teste, quando submetidos ao estudo das SI através da RM, podem apresentar resultados falso positivos, levando ao diagnóstico errado de nr-axSpA. A frequência de EMO identificada nos exames dessas pacientes foi relativamente alta.

Um dado interessante é que as pacientes no pós-parto precoce tiveram maior frequência de EMO do que as nulíparas. Com relação ao pós-parto tardio, elas também apresentaram uma maior tendência a apresentar EMO, porém sem diferença estatisticamente significativa.

Dessa maneira, a principal mensagem desse estudo é que sempre devemos estar atentos à probabilidade pré-teste antes de solicitar a RM, uma vez que ela pode trazer resultados falso-positivos. Como foi demonstrado, o período pós-parto pode influenciar na interpretação da imagem e tanto o reumatologista quanto o radiologista musculoesquelético devem estar atentos para essa questão para evitar diagnósticos errados.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Hoballah A, Lukas C, Leplat C, et al. MRI of sacroiliac joints for the diagnosis of axial SpA: prevalence of inflammatory and structural lesions in nulliparous, early postpartum and late postpartum women. Ann Rheum Dis. 2020. doi:10.1136/annrheumdis-2020-217208.
Compartilhar
Publicado por
Gustavo Balbi

Posts recentes

Uso da inteligência artificial para otimização do tratamento da sepse

Estudo avaliou modelo computacional no campo da Inteligência Artificial, capaz de sugerir tratamentos otimizados para…

38 minutos atrás

Check-up Semanal: semana da sepse, dieta vegetariana em crianças e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre semana da sepse, dieta vegetariana em crianças, apendicite…

2 horas atrás

Anestesia e síndrome carcinoide: o que precisamos saber?

A síndrome carcinoide pode surgir quando os peptídeos vasoativos secretados pelas células tumorais entram na…

3 horas atrás

Anvisa aprova uso de baricitinibe em pacientes hospitalizados com covid-19

A Anvisa aprovou uma nova indicação para o baricitinibe: o tratamento de adultos hospitalizados com…

4 horas atrás

Qual é a melhor combinação no tratamento conservador de lesões do manguito rotador?

Um estudo analisou o melhor regime de supervisão dos exercícios e o benefício das infiltrações…

5 horas atrás

AVC: como obter certificação online para aplicação da NIHSS

Foi criada uma escala para quantificar a magnitude e gravidade do AVC, a NIHSS, sendo…

6 horas atrás