Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Ressonância diminui a incidência de tumor em pacientes com mamas densas?

Ressonância diminui a incidência de tumor em pacientes com mamas densas?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Mulheres com mamas muito densas tem risco aumentado de câncer de mama e, quanto maior a densidade, mais difícil pode ser a detecção do tumor na mamografia de rastreio. Nesse contexto, a ressonância magnética (RM) das mamas vem sendo estudada como método complementar.

Ressonância como método complementar no câncer de mama

Um estudo multicêntrico randomizado controlado realizado nos Países Baixos contou com mais de 40 mil mulheres entre 50 e 75 anos e mamas extremamente densas com mamografia normal. Parte delas foi submetida à ressonância e parte permaneceu no grupo de rastreio mamográfico isolado habitual. O objetivo era avaliar se haveria diferença na incidência de câncer de intervalo durante o período de rastreio de dois anos.

Leia também: SABCS 2019: trastuzumabe-deruxtecan é eficaz para o câncer de mama?

Das 8061 mulheres alocadas no grupo que faria ressonância, 4783 foram de fato submetidas ao exame, dentre as quais 79 apresentaram câncer de mama detectado já na primeira RM. As mulheres com RM normal foram submetidas a novo exame em seis meses – dessas, 4 foram diagnosticadas com câncer de intervalo (0,8/1000). As pacientes inicialmente alocadas no grupo da RM mas que não fizeram o exame ficaram em seguimento por 2 anos.

Dessas, 16 foram diagnosticadas com câncer de intervalo ao final do seguimento (4,9/1000 pacientes). Em relação às 32312 mulheres no rastreio mamográfico isolado, 161 tiveram câncer de intervalo (5/1000 pacientes).

Conclusões

A realização de mamografia suplementar foi associada com uma taxa de detecção de câncer de 16,5 a cada 1000 rastreios, com uma taxa de falso positivo de 8%. Das mulheres submetidas à biópsia de mama indicada pela RM alterada, 26,3% tinham câncer de mama e 73,7% não foram diagnosticadas com a doença.

Mais da autora: Termo tardio e pós-termo: indução ou conduta expectante?

O estudo conclui que ao rastreio suplementar com RM em mulheres com mamas extremamente densas foi capaz de detectar significativamente menos casos de câncer de intervalo do que o rastreio mamográfico isolado habitual. São necessários mais estudos considerando os dados iniciais, com seguimento mais longo, a fim de avaliar o efeito na taxa de cânceres avançados e eventualmente na mortalidade.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Bakker, M. F. et al, for the DENSE Trial Study Group – Supplemental MRI Screening for Women with Extremely Dense Breast Tissue. N Engl J Med 2019; 381:2091-2102 (DOI: 10.1056/NEJMoa1903986)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.