Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Pediatria / Existe relação entre depressão materna e dermatite atópica em crianças?

Existe relação entre depressão materna e dermatite atópica em crianças?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Pesquisadores do departamento de Dermatologia da George Washington University School of Medicine, nos Estados Unidos, encontraram uma associação entre a depressão materna pós-parto e o risco de desenvolver dermatite atópica (DA) em crianças e adolescentes. O estudo Maternal Depression and Atopic Dermatitis in American Children and Adolescents foi publicado na última edição da revista Dermatitis.

Depressão materna e dermatite em crianças

Os autores Costner McKenzie e Jonathan Silverberg analisaram dados obtidos do Fragile Families and Child Wellbeing Study (FFCWS), um estudo de coorte prospectivo que incluiu 4898 crianças nascidas em 20 cidades metropolitanas americanas. O FFCWS incluiu entrevistas pessoais ao nascimento de cada criança (entre 1998 e 2000) e entrevistas telefônicas de acompanhamento com mães, pais, cuidadores primários e/ou crianças com idades de 1, 3, 5, 9 e 15 anos.

Os resultados da pesquisa rendem estimativas representativas das crianças urbanas americanas. O FFCWS foi conduzido como um esforço cooperativo do Princeton University’s Center for Research on Child Wellbeing and Center for Health and Wellbeing, do National Center for Children and Families, e do Columbia Population Research Center.

  • A história de um ano de DA foi determinada com base na resposta positiva do cuidador à pergunta “Nos últimos 12 meses, a criança teve eczema ou alergia cutânea?” avaliada nas idades de 5, 9 e 15 anos. A persistência da DA foi definida pelo número de anos em que ela foi relatada;
  • O histórico de asma foi determinado pela resposta positiva do cuidador a “Um médico ou profissional de saúde já lhe disse que a criança tem asma?”, avaliada nas idades de 5, 9 e 15 anos;
  • A perturbação do sono foi determinada pela resposta do cuidador a “Você diria que: não é verdade, até onde eu sei, às vezes é verdade ou frequentemente é verdade para: a criança tem problemas para dormir?” aos 5, 9 e 15 anos. As respostas “às vezes é verdade” ou “frequentemente é verdade” foram consideradas positivas;
  • Na entrevista de acompanhamento de 1 ano, a história de depressão pós-parto foi determinada pela resposta positiva da mãe a: “Nos últimos 12 meses, houve um momento em que você se sentiu triste, melancólica ou deprimida por 2 ou mais semanas seguidas? ”Nas entrevistas de acompanhamento de 5, 9 e 15 anos, a história de 1 ano de depressão materna ou paterna foi determinada pela resposta positiva da mãe ou do pai a“ Nos últimos 12 meses, houve algum momento em que você se sentiu triste, melancólico (a) ou deprimido (a) por duas ou mais semanas seguidas?”.

Leia também: Dermatite Atópica: apresentação clínica e abordagem

Resultados

Os pesquisadores descreveram os seguintes achados:

  • A história de depressão pós-parto foi associada à DA na infância em geral [regressão logística multivariável; odds ratio ajustada (aOR), 1,32; intervalo de confiança de 95% (IC95%), 1,06-1,64], particularmente aos 5 anos (aOR, 1,34; 95% IC 1,04-1,73) e 9 anos (aOR, 1,37; IC95% 1,10-1,70);
  • A depressão pós-parto foi associada a DA mais persistente (presente em 2 anos: aOR, 1,58; IC95%, 1,12–2,22; 3 anos: aOR, 1,73; IC95%, 1,15–2,60);
  • A depressão materna no ano anterior foi associada a chances significativamente maiores de DA aos 5 anos (aOR, 1,54; IC95%, 1,20–1,99), 9 anos (aOR, 1,36; IC95%, 1,10–1,71) e 15 anos (aOR, 1,43; IC95%, 1,13–1,80);
  • A depressão materna foi associada a maiores chances de DA durante 1 ano (aOR, 1,50; IC95%, 1,16–1,94), 2 anos (aOR, 1,60; IC95%, 1,16–2,19) ou nos 3 anos de entrevistas (aOR , 1,61; IC95%, 1,06-2,45).

Conclusão

Os pesquisadores concluíram que, nesse estudo, a depressão pós-parto e a depressão materna mais tardia na infância estão associadas ao aumento da DA e à sua persistência, ao aumento da asma e/ou dos distúrbios do sono.

Mais da autora: Dermatite de fraldas em crianças: como fazer prevenção e tratamento?

Para McKenzie e Silverberg, esses achados clinicamente relevantes devem levar a uma investigação mais aprofundada para o uso de ferramentas de triagem e intervenções que possam atenuar o risco de DA em crianças cujas mães têm depressão. No entanto, os autores destacam que pesquisas futuras são necessárias para confirmar essas associações, determinar seus mecanismos subjacentes e identificar estratégias de prevenção apropriadas.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • MCKENZIE, C.; SILVERBERG, J. I. Maternal Depression and Atopic Dermatitis in American Children and Adolescents. Dermatitis, v.31, n.1, p.75-80, 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.