Leia mais:
Leia mais:
Hantavírus é identificado em duas espécies de morcegos em Mato Grosso

Hantavírus é identificado em duas espécies de morcegos em Mato Grosso

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Foi identificado hantavírus em duas espécies de morcegos (Phyllostomus hastatus e Dermanura gnoma) presentes na região norte do Mato Grosso.

A pesquisa foi desenvolvida pelo Grupo de Ecologia Aplicada (Geca), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em parceria com o Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), a Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), o Centro de Pesquisa em Virologia da Universidade de São Paulo (USP), a Oregon State University e a University of East Anglia.

Saiba mais: Saúde emite alerta para municípios do RJ após caso de óbito por raiva humana

Morcego identificado como portador do hantavírus

Importância da presença do hantavírus em morcegos

Essa descoberta preocupa as autoridades de saúde pela possibilidade de surtos de hantavirose, principalmente em regiões de desmatamento e produção de grãos. A pesquisa foi conduzida a partir da análise sorológica e molecular de amostras biológicas de 47 exemplares, colhidos na região de Sinop.

Método do estudo

Para determinar se os morcegos do sul da Amazônia poderiam abrigar hantavírus, sorológica e molecularmente, o grupo de pesquisadores coletou sangue, saliva, excrementos e tecidos de órgãos de 47 morcegos capturados de setembro a dezembro de 2015.

Apenas os morcegos filostomídeos apresentavam anticorpos contra o hantavírus. A soroprevalência geral foi de 4,2%.

Desmatamento agrava a situação

Esses vírus estão mais associados a pequenos roedores silvestres, que podem transmitir a doença pela urina, saliva e fezes.

O desmatamento e a grande produção de grãos nessas áreas aumentam os riscos de novos casos, uma vez que os animais que transmitem o hantavírus podem se alimentar dos grãos e se reproduzirem mais rapidamente.

“O estado do Mato Grosso já tem mais casos que a média do restante do país e observamos índices elevados da enfermidade nas regiões de Sinop, Tangará da Serra e Diamantina, onde já ocorrem surtos esporádicos”, alertou o professor Gustavo Canale, do campus de Sinop, em entrevista ao Portal da UFMT.

Leia também: A ciência no divã: como prever o constante aparecimento de doenças por novos vírus?

Hantavirose

A hantavirose é uma zoonose viral aguda causada por um vírus RNA, pertencente à família Bunyaviridae, gênero Hantavirus. No Brasil, a infecção em humanos se apresenta na forma da Síndrome Cardiopulmonar por Hantavírus (SCPH).

Por causa da forma de transmissão, as populações mais vulneráveis são as que não possuem um saneamento básico e as que moram no subúrbio das pequenas cidades.

Os sintomas de hantavirose nos casos leves podem ser confundidos com outras zoonoses, como dengue e chikungunya, o que também contribui para uma subnotificação dos casos.

Na fase inicial, a hantavirose causa febre, cefaleia, dor nas articulações, lombar, abdominal e sintomas gastrointestinais.

Já na fase cardiopulmonar, os sintomas são febre, dificuldade de respirar; respiração acelerada, aceleração dos batimentos cardíacos, tosse seca e pressão arterial baixa, desenvolvendo um quadro de Síndrome Cardiopulmonar por Hantavírus nos pacientes.

Como ainda não há tratamento específico para as infecções por hantavírus, as medidas terapêuticas são fundamentais, ministradas conforme cada caso.

Os casos devem ser notificados em até 24 horas para as Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde e o Ministério da Saúde, através da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS).

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar