Hepatite autoimune: dose da predniso(lo)na faz diferença no tratamento? - PEBMED

Hepatite autoimune: dose da predniso(lo)na faz diferença no tratamento?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A hepatite autoimune (HAI) é uma doença crônica de etiologia desconhecida caracterizada pelo ataque das células T ao fígado, o que ocasiona em um processo necroinflamatório progressivo. A HAI acomete geralmente as mulheres, em uma proporção de três a quatro para cada paciente homem. A terapia-ouro para o controle deste tipo de hepatite é por meio da administração de predniso(lo)na seguida pela adição de azatioprina, duas semanas após a administração do primeiro fármaco.

SUS

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Consenso na dosagem da predniso(lo)na no tratamento da hepatite autoimune

Entretanto, ainda não há consenso entre as diferentes diretrizes sobre a dosagem ideal da predniso(lo)na; dependendo do guideline, a dose pode variar de 30 a 60 mg diárias. A fim de definir qual é a quantidade que oferece mais benefícios aos pacientes acometidos com hepatite autoimune, pesquisadores europeus realizaram um estudo retrospectivo de coorte com dados de nove centros médicos espalhados em cinco países da Europa para chegaram a uma definição conclusiva.

Leia mais: Infecção por vírus da hepatite A como gatilho para colangite autoimune

Os dados foram coletados entre 1978 e 2017 e os resultados foram divulgados em janeiro de 2018 no periódico Clinical Gastroenterology and Hepatology.

Participaram do levantamento 451 pacientes diagnosticados com HAI. Os indivíduos foram designados em dois grupos, o primeiro (n=281) recebeu altas doses de predniso(lo)na (≥0,50 mg/kg/dia) e o segundo grupo (n=170) recebeu baixa dosagem do fármaco (<0,50 mg/kg/dia). O desfecho primário foi normalidade no nível de serum das transaminases nos seis meses após o início do tratamento.

Resultados

Não houve diferença significativa no índices de transaminases entre os dois grupos (70,5% vs 64,7%; P=0,20). Após análise multivariável da regressão da HAI, também não foi identificada diferença significativa nos níveis destas enzimas  (OR, 1.21; IC 95% [0,78 – 1,87]; P=0,38).

Mais estudos precisam ser realizados para definir a dosagem correta e eficaz da predniso(lo)na no tratamento da hepatite autoimune.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar