Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Hipotermia terapêutica em pacientes pós-parada cardíaca com ritmo não chocável
paciente em UTI fora de foco se preparando para hipotermia terapêutica

Hipotermia terapêutica em pacientes pós-parada cardíaca com ritmo não chocável

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

A hipotermia é reconhecida pela neuroproteção após parada cardiorrespiratória (PCR) sendo recomendada pelas diretrizes da ILCOR em 2015. Entretanto os estudos sobre hipotermia terapêutica em pacientes pós-PCR em ritmo não chocável são conflitantes, sendo que alguns mostraram benefícios, e outros danos.

Hipotermia terapêutica pós-parada cardíaca

O estudo HYPERION, um estudo aberto, randomizado, controlado, avaliou o tratamento com hipotermia terapêutica (33° C) em relação a normotermia (37° C) por 24 horas em pacientes admitidos na unidade de terapia intensiva após PCR por ritmo não chocável.

Foram incluídos no estudo 581 pacientes que sofreram PCR por ritmo não chocável e se apresentaram em coma nas unidades de saúde. Os pacientes tinham mais de 18 anos, o nível de coma foi avaliado pela escala de coma de Glasgow tendo como ponto de corte para coma 8 ou menos. Os critérios de exclusão foram:

  • Mais de 10 minutos entre a PCR e o início da massagem cardíaca;
  • Mais de 60 minutos entre o início da massagem até a recuperação do pulso;
  • Pacientes com instabilidade hemodinâmica importante após a reversão da PCR (infusão contínua de noradrenalina ou adrenalina > 1 mcg/kg/min);
  • Tempo entre a PCR e o screening do estudo maior que 300 minutos;
  • Cirrose hepática grave (Child-Pugh C);
  • Gestação ou amamentação;
  • Outras questões gerenciais e administrativas (exemplo: status social, participação em outros estudos).

Leia também: Traumatismo cranioencefálico: hipotermia terapêutica é eficaz?

O desfecho primário era composto por sobrevivência com prognóstico neurológico favorável após 90 dias. O prognóstico favorável era avaliado através do CPC score (Cerebral Performance Category) que ia de 1 a 5, sendo considerados favoráveis resultados entre 1 e 2.

O desfecho secundário era composto por mortalidade, tempo de ventilação mecânica, tempo de permanência na UTI/ hospital, infecções e eventos adversos hematológicos.

Resultados

O estudo mostrou benefício no desfecho primário em pacientes que foram submetidos a hipotermia terapêutica em relação aos pacientes que não foram. No grupo da hipotermia 10,2% dos pacientes sobreviveram com um bom prognóstico neurológico em relação a 5,7% dos pacientes que não foram submetidos a terapia (diferença, 4.5%; 95% intervalo de confiança [IC], 0.1 a 8.9; P=0.04). Não houve diferença significante no desfecho secundário.

Mais do autor: O impacto do coronavírus nas doenças cardiovasculares

A mensagem que fica é: reduzir a temperatura após PCRs de ritmos não chocáveis pode ser benéfica para o prognóstico neurológico dos sobreviventes.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Lascarrou JB, Merdji H, Le Gouge A, et al. Targeted Temperature Management for Cardiac Arrest with Nonshockable Rhythm. N Engl J Med 2019; 381:2327.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.