Indicações da vacina BCG podem ser mais um motivo de comemoração - PEBMED

Indicações da vacina BCG podem ser mais um motivo de comemoração

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

No dia 1 de julho, comemora-se o Dia da Vacina BCG. Ela protege contra as formas graves de tuberculose, como, por exemplo, a meningite tuberculosa e a tuberculose miliar. Sua indicação é de proteção às enfermidades relatadas, e é sugerido sua aplicação logo após o nascimento da criança. Outra indicação da vacina é para contatos intradomiciliares de pessoas com diagnóstico de hanseníase. Ademais, existem pesquisas que investigam evidências da BCG na profilaxia da Covid-19. 

É importante destacar o protagonismo dos enfermeiros na orientação da vacinação, na avaliação de contra indicações, assim como, na aplicação e na identificação de eventos adversos relacionados ao imunobiológico. Nesse sentido, é importante pontuar as contra indicações vacinais: pessoas com diagnóstico de HIV ou outras imunodeficiências, gestantes, pacientes em tratamento de corticoides em altas taxas, recém nascidos (RN) dos quais as mães utilizaram drogas imunomoduladoras no segundo e terceiro trimestre da gestação. Ainda nesse contexto, deve-se ter precaução na administração da vacina em RN com menos de 2kg, nesse sentido, recomenda-se o adiamento da vacina até que a criança adquira peso superior.

Leia também: Novo teste de detecção da tuberculose pelo SUS

Outrossim, a equipe de enfermagem deve informar ao vacinado, ou aos seus responsáveis, que qualquer alteração da cicatrização da ferida precisará ser avaliada. Alguns exemplos são abcessos subcutâneos (frios ou quentes), granuloma, cicatriz queloide, úlcera no local da aplicação (maior de 1cm). Caso seja identificada alguma reação, como citado, é necessário realizar a notificação, que normalmente está relacionada a erros de imunização.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Evolução da lesão vacinal

Frente a essa realidade, os enfermeiro ou o técnicos de enfermagem, que realizam o procedimento da aplicação da BCG, devem garantir a técnica correta, considerando, também, a indicação vacinal e a evolução da cicatriz. Espera-se que após a vacinação a lesão se comporte da seguinte forma:

  • 1 à 2 semanas: Mácula avermelhada e endurecida (5 à 15mm); 
  • 3 à 4 semanas: Formação pústula, seguido de crosta;
  • 4 à 5 semanas: Úlcera (4 à 10mm);
  • 6 à 12 semanas: Cicatriz

Convém informar que até o ano de 2018, havia indicação de revacinar as crianças que fossem vacinadas e não apresentassem cicatriz vacinal, entretanto, seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil passou a realizar apenas uma dose, independente da cicatriz vacinal, pois segundo estudos a inexistência da cicatriz não sugere ausência da proteção.

BCG X Covid-19

Vale mencionar, ainda com relação à BCG, que a vacina vem sendo estudada (por meio de ensaios clínicos) sobre sua atuação na prevenção de diversas doenças infecciosas. Pesquisas realizadas sobre a revacinação de idosos na Grécia e na África do Sul demonstraram, respectivamente, a redução de 79% das infecções respiratórias e 73% infecções de trato respiratório superior. Nessa lógica, alguns pesquisadores sugerem que pode ser considerada uma medida preventiva frente à Covid-19 por causar ação celular contra microorganismos mediante a resposta imune natural.

Como, por exemplo, o estudo intitulado Brace Trail, coordenado pelo pesquisador Australiano Nigel Curtis, que investiga se a BCG protege ou atenua a virulência do SARS-CoV-2. A referida pesquisa irá vacinar 10 mil pessoas como voluntários na Austrália, Reino Unido, Espanha, Holanda e Brasil. No Brasil é chamada de Brace Trial Brasil (BTB) e liderada pela pneumologista Margareth Dalcolmo (Fiocruz).

Atualmente ainda não é possível afirmar a relação entre a vacinação da BCG e a redução de gravidade dos casos de Covid-19, apesar de demonstradas em estudos epidemiológicos, pois devido a multifatores, ainda não considera-se que as informações são suficientes para estabelecer a causa entre a BCG e a atenuação da gravidade da doença. Apesar disso, é indispensável que haja incentivo às pesquisas científicas, ampliando as evidências e garantindo recursos preventivos para proteção da população quanto à Covid-19 e demais doenças infecciosas evitáveis.

Autora:

Referências bibliográficas:

 

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar