Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Macroglobulinemia de Waldenström: o que é e como abordar?

Macroglobulinemia de Waldenström: o que é e como abordar?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Macroglobulinemia de Waldenström é uma doença linfoplasmacítica associada à imunoglobulina IgM monoclonal. Epidemiologicamente, acomete mais homens do que mulheres e é diagnosticada em torno de 60-70 anos de idade.

cadastro portal

Macroglobulinemia de Waldenström

A apresentação clínica da doença é encontrada em dois grupos de sinais e sintomas: sudorese, perda ponderal, hepatoesplenomegalia e/ou linfonodomegalias e relacionados à paraproteinemia igM, que pode cursar com: amiloidose sistêmica, crioglobulinemia, neuropatia periférica e síndrome de hiperviscosidade. O achado
de anemia está, geralmente, associado ao envolvimento medular pela doença.

Para o diagnóstico, é necessário o exame da medula óssea com apresentação de, pelo menos, 10% de infiltração por linfócitos com características linfoplasma cíticas ou linfoma linfoplasmocitário acompanhado de igM elevada. As características imunofenotípicas da doença são importantes para diferenciá-la de outras neoplasias hematológicas com perfil semelhante.

Existem duas anormalidades citogenéticas que se tornaram importantes na condução hematológica da doença, as alterações MYD88 e CXCR4. Mutações nessas vias de sinalização estão presentes em mais de 90% dos pacientes com a doença, o que também pode ser utilizado para diferenciá-la de outras doenças hematológicas similares.

Tratamento

O manejo clínico dessa patologia envolve a avaliação clínica inicial de necessidade ou não de tratamento. Pacientes assintomáticos podem ser observados. Aqueles com imunoglobulina IgM acima de 4 g/dL ou sinais/sintomas de hiperviscosidade, a plasmaférese deve ser iniciada prontamente junto com tratamento citorredutor. Demais pacientes sintomáticos também devem receber terapia no diagnóstico.

Mais da autora: Uma revisão sobre policitemia vera e trombocitemia essencial

O tratamento do Waldenström tem como pilar drogas utilizadas no tratamento dos linfomas, mieloma múltiplo e até da leucemia linfocítica crônica, como ibrutinibe, rituximabe, bendamustina e corticoide. Inibidores de proteassoma são úteis no tratamento de pacientes que possuem síndrome de hiperviscosidade, crioglobulinemia, aglutinina fria e amiloidose concomitante. O transplante alogênico de medula óssea também entra no “hall” de opções de tratamento para doença refratária.

Por fim, a doença “ganhou carona” com o advento de novas medicações, com diversos estudos de fase II e III em andamento como tentativa de facilitar o tratamento da patologia e proporcionar melhor qualidade de vida aos pacientes.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Yun, S., Johnson, et al. (2017). Waldenström Macroglobulinemia:
    Review of Pathogenesis and Management. Clinical Lymphoma Myeloma and Leukemia, 17(5), 252–262.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.