Página Principal > Cardiologia > Novo escore prediz risco de mortalidade cardiovascular na esteato-hepatite
esteato-hepatite

Novo escore prediz risco de mortalidade cardiovascular na esteato-hepatite

Tempo de leitura: 1 minuto.

A esteato-hepatite não alcoólica é uma patologia comum, associada à hipertensão, obesidade, resistência insulínica, diabetes melito e síndrome metabólica. Estudos mostram que a NASH é um fator de risco independente dos fatores de risco associados, estando relacionada a um risco 23% maior de eventos cardiovasculares, como IAM, AVC e morte por cardiopatia.

Uma pesquisa recente procurou identificar quais dos pacientes com NASH estão sob maior risco de evento cardiovascular (MACE). Para isso, os pesquisadores validaram um escore e testaram ele prospectivamente em uma população. Foram recrutados 356 pacientes com NASH em um único centro, na Inglaterra, e avaliados quais fatores de risco estavam associados a um MACE em 12 meses.

Leia maisTestes não invasivos para avaliação da gravidade da doença hepática gordurosa não alcoólica do fígado

Após análise multivariada, observou-se que idade, presença de DM e o volume plaquetário médio (MPV) foram os fatores preditores de MACE. Ao contrário do esperado, o grau de fibrose na biópsia hepática não se associou com risco cardiovascular.

Com base nos resultados, os autores criaram um escore, disponível no link: https://ld-eye.com/index.php?r=site/CVDRiskScoreAo final do cálculo, ele indica a pontuação e o grau de risco para MACE (baixo, moderado ou alto).

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • STEPANOVA, Maria et al. Independent Association Between Nonalcoholic Fatty Liver Disease and Cardiovascular Disease in the US Population. Clin Gastroenterol Hepatol. https://doi.org/10.1016/j.cgh.2011.12.039
  • Abeles, RD, Mullish, BH, Forlano, R, et al. Derivation and validation of a cardiovascular risk score for prediction of major acute cardiovascular events in non‐alcoholic fatty liver disease; the importance of an elevated mean platelet volume. Aliment Pharmacol Ther. 2019; 49: 1077– 1085. https://doi.org/10.1111/apt.15192

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.