Novo painel de monitoramento do Sistema Nacional de Transplantes já está em vigor

Novo painel de monitoramento do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) traz números por cada serviço de saúde e série histórica.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Os procedimentos realizados através do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) agora são monitorados por um painel que traz informações como número de órgãos transplantados por cada serviço de saúde e série histórica.

A iniciativa é do Ministério da Saúde, que visa garantir maior transparência em todo o processo. A pasta, inclusive, já publicou um documento com informações sobre o 1º Ciclo de Monitoramento do SNT.

Para a secretária da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (Saes), Maíra Botelho, a iniciativa é estratégica para garantir maior transparência e tem potencial de induzir o fortalecimento das ações e serviços do Sistema Nacional de Transplantes na rede.

Leia também: Cirurgiões britânicos realizam o primeiro transplante duplo de mão em paciente com esclerodermia

Novo painel de monitoramento do Sistema Nacional de Transplantes já está em vigor

Primeira Fase do Ciclo de Monitoramento

A primeira fase do ciclo de monitoramento foi pensada visando subsidiar os gestores com informações simples e tempestivas sobre a situação recente da Rede de Atenção à Saúde (RAS), consolidadas em um painel de monitoramento de número de transplantes realizados por serviço autorizado, listas de espera, cenário de doação e conformação da rede na prática.

Inicialmente, os responsáveis levaram em consideração os serviços autorizados a realizar transplantes de rim, fígado, coração, pulmão, pâncreas e transplante combinado do rim com o pâncreas, no período de três anos – de janeiro de 2017 a dezembro de 2019.

O primeiro ciclo utilizará parâmetros de classificação dos serviços de transplantes, a partir da volumetria de transplantes realizados no período estipulado, dos quais vai extrair a média apresentada por cada serviço, em cada modalidade de transplante, para definir os intervalos de cada categoria.

O objetivo principal é orientar o planejamento local, considerando as dimensões do acesso, escala e escopo, fluxos assistenciais e todos os indicadores quantitativos e qualitativos demonstrados.

“O resultado do monitoramento deverá influenciar diretamente na solicitação e análise de novas autorizações, além de possibilitar a avaliação da política na Rede de Atenção à Saúde”, destacou a secretária Maíra Botelho.

Saiba mais: Paciente com câncer recebe raro transplante de pulmão duplo com sucesso

Por serviço de transplante, entende-se a estrutura física e de recursos humanos utilizada para a realização de cada modalidade de transplante autorizada em um determinado centro transplantador, mesmo que algumas possam ser compartilhadas com outros serviços.

Dessa maneira, um mesmo centro pode ter um ou mais serviços de transplantes, por modalidade. Por exemplo: um centro de transplante autorizado para realizar transplantes de rim, pulmão e coração, possuirá três serviços de transplantes.

Daqui a um ano, o segundo ciclo deverá agregar a análise de indicadores de qualidade dos serviços e contribuirá com a elaboração e implementação de instrumentos de avaliação desses indicadores e das dimensões de estrutura, processos, desfechos e satisfação dos usuários.

Maior sistema público de transplantes do mundo

O Brasil tem o maior sistema público de transplantes do mundo, com atendimento de quase 90% dos procedimentos pela rede pública. E o Sistema Nacional de Transplantes é o responsável pela regulamentação, controle e monitoramento do processo de doação e transplantes realizados no país.

Para reduzir a desproporção entre o número de pacientes na lista de espera e o número de transplantes realizados é fundamental que os médicos e ajudem a esclarecer a população sobre todas as etapas do procedimento, que começa com a confirmação do diagnóstico de morte encefálica de um possível doador e termina na recuperação do paciente que recebeu um novo órgão.

Este texto foi revisado pela equipe médica do Portal PEBMED.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Ministério da Saúde divulga ferramenta de monitoramento do Sistema Nacional de Transplantes. Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://www.crfrs.org.br/noticias/ministerio-da-saude-divulga-ferramenta-de-monitoramento-do-sistema-nacional-de-transplantes

# Ministério da Saúde (BR). Sistema Nacional de Transplantes. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/saes/snt#:~:text=O%20Brasil%20possui%20o%20maior,95%25%20dos%20transplantes%20no%20pa%C3%ADs