Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / O uso de antipsicóticos em crianças reduziu nos Estados Unidos
Diminuição no uso de antipsicóticos em crianças

O uso de antipsicóticos em crianças reduziu nos Estados Unidos

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

De acordo com o estudo Trends in Antipsychotic Medication Use in Young Privately Insured Children, publicado no Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry, o uso de antipsicóticos diminuiu nos Estados Unidos, de 2009 a 2017, em crianças pequenas com planos de saúde. No entanto, a maioria das prescrições permanece off-label, sem dados de eficácia e segurança.

Método

A população do estudo incluiu crianças pequenas de um banco de dados de reivindicações comerciais, em todos os Estados Unidos, no período de 2007 a 2017. Os pesquisadores estimaram o uso anual por idade e sexo, definido como o número de crianças que dispensaram um antipsicótico por ano, dividido pelo número inscrito. Além disso, foram descritos os diagnósticos clínicos e a utilização de serviços de saúde mental entre os participantes com uso prescrito em 2009 e 2017.

Diminuição no uso de antipsicóticos em crianças pequenas

Os resultados desse estudo mostraram que o uso anual de antipsicóticos em crianças pequenas foi de 0,27% em 2007, atingiu um pico de 0,29% em 2009 e diminuiu de forma estatisticamente significativa para 0,17% em 2017. O uso foi maior em meninos do que em meninas.

Uma proporção maior de usuários recebeu um diagnóstico de transtorno mental em 2017 (89%) do que em 2009 (86%, p <0,01). Os diagnósticos clínicos mais comuns, sob uma classificação hierárquica, foram transtorno invasivo do desenvolvimento (2009 = 27%, 2017 = 38%, p <0,01), transtorno do comportamento disruptivo ou de conduta (2009 = 15%, 2017 = 21% , p <0,01) e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (2009 = 24%, 2017 = 18%, p <0,01).

Entre os usuários de antipsicóticos de 2017, 32% tiveram quatro ou mais solicitações de psicoterapia, 43% fizeram uma consulta com um psiquiatra e a maioria usou outro medicamento psicotrópico, mais comumente um estimulante (meninos = 57%, meninas = 50%).

Limitações 

O estudo possui inúmeras limitações:

  • Este estudo avaliou tendências em crianças com plano de saúde com cobertura dos medicamentos prescritos, não sendo generalizáveis para crianças sem plano ou matriculadas no sistema americano Medicaid;
  • A fonte de dados pode não generalizar todos os indivíduos com plano de saúde; 
  • A prescrição de antipsicóticos provavelmente varia entre as regiões dos Estados Unidos;
  • Os diagnósticos foram baseados em códigos registrados em qualquer momento em determinado ano; estes não são validados com base em entrevistas psiquiátricas estruturadas e não se pode determinar a indicação pretendida de tratamento antipsicótico, nem a adequação clínica ou eficácia;
  • A variação nos diagnósticos, entre 2009 e 2017, pode estar relacionada à mudança do Código Internacional de Doenças da nona para a décima edição (CID-9 para CID-10);
  • Não foi feita distinção entre o uso de um antipsicótico novo e contínuo;
  • Não foram levadas em consideração a ordem temporal de prescrições e diagnósticos, o uso dos medicamentos ou de serviços de saúde mental;
  • As doenças mentais na população podem ter sido subestimadas. Os serviços de saúde mental não cobertos pelo plano não são registrados no banco de dados; 
  • Não foi determinada a indicação de uso de outros medicamentos prescritos; 
  • Não foi possível distinguir com segurança psiquiatras infantis e de adolescentes de outros psiquiatras;
  • Os pesquisadores não tiveram acesso a prescrições dispensadas em ambientes hospitalares, embora o foco do estudo tenha sido o tratamento comunitário;
  • Não havia dados disponíveis sobre raça e etnia.

Mais do autor: ABCDEF (A-F) bundle em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica

Conclusões

Apesar das diversas limitações, no geral, a prescrição de medicamentos antipsicóticos diminuiu na última década entre meninos e meninas muito jovens que têm planos de saúde nos Estados Unidos, o que pode refletir uma tendência de prescrição mais cautelosa. Os resultados sugerem grandes mudanças para condições com menos evidências clínicas que suportam o uso em crianças pequenas, juntamente com ligeiros aumentos no uso de psicoterapia entre crianças pequenas com tratamento antipsicótico prescrito.

Apesar dessas tendências encorajadoras, no entanto, os pesquisadores destacaram que muito do uso de antipsicóticos em crianças pequenas continua a ocorrer em crianças diagnosticadas apenas com condições em que ainda não têm eficácia comprovada e nem há dados de segurança.

Esses achados, somados ao número substancial restante de crianças tratadas que não recebem intervenções psicossociais de saúde mental, sugerem que ainda há espaço para melhorias no tratamento comunitário de crianças pequenas com estes tipos de medicamentos.

Em jovens, os antipsicóticos têm sido associados a risco de ganho de peso, sedação, diabetes, hiperlipidemia, efeitos cardiovasculares, reações extrapiramidais e morte inesperada. Estas preocupações são especialmente salientes em crianças muito pequenas, nas quais os efeitos adversos dessa classe de medicamentos no desenvolvimento e em longo prazo são desconhecidos.

Autora:

Referência bibliográfica:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.