Dicas de anticoagulação na obesidade

Obesidade representa um problema de saúde em todo o mundo e sua prevalência vem aumentando em adultos, adolescentes e crianças. Saiba mais.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Obesidade representa um problema de saúde em todo o mundo, e sua prevalência vem aumentando em adultos, adolescentes e crianças. Recente estudo estima que, em 2030, metade da população adulta será obesa, sendo que um quarto dos indivíduos terá obesidade grau II ou III. A condição está associada a aumento significativo da mortalidade e do risco de outras doenças, incluindo diabetes mellitus, hipertensão arterial, dislipidemia, apneia do sono e câncer.

Além disso, sabe-se que a obesidade é um fator de risco para o tromboembolismo venoso. Várias hipóteses já foram levantadas na tentativa de justificar a maior incidência de eventos tromboembólicos em pacientes obesos. Aumento de fatores pró-coagulantes (ex.: fibrinogênio), plaquetas e disfunção endotelial, hipofibrinólise, estase venosa e inflamação são alguns mecanismos propostos, assim como a secreção de hormônios que regulam a expressão de fatores teciduais associados a estado pró-trombótico pelo tecido adiposo (ex.: leptina).

Anticoagulação é a estratégia terapêutica que visa inibir a formação de trombos pelo processo de coagulação sanguínea anormal. As medicações anticoagulantes têm seu uso bastante difundido na prática clínica, em diversas situações do cotidiano, como prevenção e tratamento de trombose venosa profunda e embolia pulmonar. As doses de algumas drogas baseiam-se em testes laboratoriais (ex.: antagonista de vitamina K) ou no peso corporal (ex.: heparina de baixo peso molecular). Por outro lado, os novos anticoagulantes orais (DOACs) têm doses fixas. No entanto, é importante ter em mente que a obesidade pode afetar a farmacocinética dos anticoagulantes.

Obesidade: é necessário realizar anticoagulação profilática?

Anticoagulação terapêutica e profilática na obesidade mórbida

Pelo fato de não necessitarem de ajuste posológico regular baseado em testes laboratoriais e de serem medicações administradas por via oral, os DOACs vêm ganhando espaço no tratamento de eventos tromboembólicos, bem como na tromboprofilaxia na fibrilação atrial. No entanto, a eficácia e segurança em alguns grupos, incluindo os obesos mórbidos, são pontos que merecem atenção devido aos poucos dados disponíveis na literatura médica. Por isso, em 2016, a International Society on Thrombosis and Haemostasis (ISTH) recomendou evitar o uso de tais medicações em pacientes com mais de 120 kg ou índice de massa corporal (IMC) > 40 kg/m².

Pesquisadores conduziram estudos a fim de analisar a absorção e o metabolismo dos DOACs em obesos. Os resultados foram um pouco controversos: em alguns, o peso teve impacto moderado nos níveis dos anticoagulantes, enquanto que, em outros, o impacto foi leve ou nulo.

Por exemplo, no estudo RE-LY, peso ≥ 100 kg associou-se a uma redução de cerca de 20% na concentração de dabigatrana, quando comparado a peso entre 50 e 100 kg. No entanto, não houve diferença na ocorrência de hemorragia ou trombose entre os dois grupos. No estudo EINSTEIN, a eficácia e segurança da rivaroxabana foram analisadas no contexto de trombose venosa profunda e/ou embolia pulmonar, e os autores não observaram associação entre peso corporal ou IMC e eventos trombóticos ou hemorrágicos. As divergências entre os estudos, como o desenho, o número de participantes e as drogas analisadas, interferem na análise como um todo. 

Sendo assim, é importante sempre discutir as opções terapêuticas com o paciente, expondo os riscos e benefícios de cada modalidade. Os DOACs podem ser usados na obesidade mórbida, seja de forma profilática, seja de forma terapêutica. No entanto, a vigilância do paciente anticoagulado é fundamental, independente do peso ou do IMC.

Anticoagulação após cirurgia bariátrica

O tratamento da obesidade é dividido em clínico e cirúrgico. Inicialmente, recomendam-se mudanças do hábito de vida (ex.: dieta, exercícios físicos) e terapia farmacológica. Havendo insucesso com o manejo clínico, o procedimento cirúrgico pode ser considerado. Além da obesidade, a cirurgia e outros fatores associados, como imobilização, aumentam o risco trombótico dessa população. A evidência de eficácia e segurança dos DOACs nesse contexto é escassa.

O impacto do procedimento cirúrgico na absorção dos anticoagulantes varia de acordo com a técnica empregada e o DOAC em questão. Por exemplo, no caso de gastrectomia vertical (sleeve), a absorção da rivaroxabana é mais afetada, visto que a medicação é absorvida principalmente no estômago e duodeno. Já a absorção da apixabana não sofre tanto impacto com tal técnica cirúrgica, uma vez que ela ocorre em todo trato gastrointestinal, sendo mais da metade no jejuno distal e cólon ascendente.

Leia também: Semaglutida: uma nova era no tratamento da obesidade

Devido aos poucos dados na literatura e à interferência da cirurgia na absorção das drogas, muitos especialistas orientam evitar o uso de DOACs em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, dando-se preferência a antagonista de vitamina K ou heparina de baixo peso molecular.

Referências Bibliográficas:

  • Wang, Tzu-Fei, and Marc Carrier. How I treat obese patients with oral anticoagulants. Blood 135.12 (2020): 904-911. doi10.1182/blood.2019003528
  • Ward ZJ, Bleich SN, Cradock AL, et al. Projected U.S. state-level prevalence of adult obesity and severe obesity. N Engl J Med. 2019;381(25):2440-2450.
  • Reilly PA, Lehr T, Haertter S, et al; RE-LY Investigators. The effect of dabigatran plasma concentrations and patient characteristics on the frequency of ischemic stroke and major bleeding in atrial fibrillation patients: the RELY Trial (Randomized Evaluation of Long-Term Anticoagulation Therapy). J Am Coll Cardiol. 2014;63(4):321-328. doi10.1016/j.jacc.2013.07.104
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades