Obesidade infantil: vamos falar sobre e como evitá-la?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

A obesidade infantil vem aumentando de forma considerável no Brasil e no mundo. Durante a infância, ocorre a formação dos hábitos dos indivíduos, inclusive alimentares e físicos. Quando mal incentivados, esses hábitos são fatores de risco à obesidade, que, consequentemente, aumentam as chances de adquirirem diversas comorbidades. Nesse contexto, trata-se de uma questão indispensável para discussão na saúde pública, sendo essencial que as crianças desenvolvam uma alimentação saudável e evitem o sedentarismo, por meio de atividades físicas e de brincadeiras.

obesidade infantil

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Dados epidemiológicos da obesidade infantil

Os dados epidemiológicos da obesidade infantil, por intermédio da Organização Mundial e Saúde (OMS), preveem que haverá 75 milhões de crianças com obesidade no mundo até 2025. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), também, destaca que um terço das crianças na faixa etária de 5 a 9 anos está acima do peso no Brasil. Essa informação é reforçada por meio do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN), que identificou a prevalência de 16,33% das crianças brasileiras entre cinco e dez anos com sobrepeso, de 9,38% com obesidade e de 5,22% com obesidade grave no ano de 2019.

Estratégias de prevenção à obesidade

A prevenção da obesidade se inicia durante o período lactente, mediante o incentivo do aleitamento materno exclusivo (AME) até os seis meses de idade. Ao se alimentarem no seio materno, as crianças desenvolvem mecanismos na regulação do seu metabolismo, evitando o desenvolvimento de sobrepeso. Ademais, as alimentadas por mamadeira, que utilizam fórmulas e adicionais de açúcar, apresentam maiores riscos de sobrepeso e de obesidade.

O AME também previne algumas doenças no futuro, como asma, diabetes e obesidade; e favorece o desenvolvimento físico, emocional e a inteligência. Os movimentos que a criança faz para retirar o leite do peito são um exercício importante para a boca e para os músculos do rosto e irão ajudar a criança a não ter problemas com a respiração, a mastigação, a fala, o alinhamento dos dentes e, também, para engolir

Por intermédio da introdução alimentar, sem adição de açúcar, sódio e fritura, espera-se que a criança desenvolva hábitos alimentares saudáveis durante toda a vida. Nessa perspectiva, evidencia-se que a oferta da diversidade de frutas e legumes e a participação das crianças na montagem das receitas, aumenta o interesse pelos alimentos. Cabe destacar, entretanto, que o aumento de alimentos industrializados nas últimas décadas trouxe mais facilidade na oferta de alimentos, todavia, essa alimentação ocasiona prejuízos à saúde e ganho de peso excessivo. Dessa maneira, o aleitamento materno e o cuidado durante a introdução alimentar são ferramentas notáveis para evitar esse agravo e de outras doenças crônicas.

Outra estratégia eficaz para evitar a obesidade infantil é o incentivo às brincadeiras e às atividades físicas, que segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), pode ser estimulada a partir do primeiro ano de vida por exercícios como rolar, engatinhar, andar, correr e pular. Entretanto, o incentivo a atividade física enfrenta dois desafios: os avanços da tecnologia com grandes disponibilidades de jogos virtuais e a pandemia da Covid-19, que diminui os espaços para realizar atividades.

Obesidade x Pandemia de Covid-19

Embora a prioridade à frente da pandemia seja atentar-se para o seu impacto imediato, é oportuno salientar os efeitos a longo prazo. O fechamento das escolas e o distanciamento social aumentaram as chances do ganho de peso nas crianças, pois houve redução das oportunidades de atividade física e consequentemente fazendo com que elas se exercitem menos. Esse ambiente é propício ao consumo de alimentos industrializados, semelhante ao período de férias escolares, sendo preocupante, pois estudos mostram que o ganho de peso entre as crianças não se dá durante o ano letivo, mas sim durante o período de férias escolares, se mantendo no próximo ano letivo. 

Leia também: Obesidade na infância: puberdade precoce e atraso no desenvolvimento das mamas

Para evitar o ganho de peso em crianças durante a pandemia, é necessário que a rede de apoio familiar incentive as brincadeiras fora das telas de televisão e computadores. Alguns exemplos são: amerelinha, golf de papelão, brincar de cabana, esconde-esconde, “seu mestre mandou”, brincadeiras de artesanato e outros. 

Portanto, é imprescindível a atuação da família na prevenção da obesidade infantil, principalmente no que se refere à pandemia, por meio de incentivo à alimentação saudável, à atividade física e à brincadeira criativa. 

Autora:

Referências bibliográficas:

  • dos Santos Silva EB, Silva JM, Oliveira TRS. Fatores associados a obesidade infantil: uma revisão integrativa da literatura de 2013 a 2018. Saúde em Foco: Doenças Emergentes e Reemergentes; Vol 1; 165-177.
  • Silva MJ. Obesidade infantil desafia pais e gestores [homepage na internet]. Goiás: 11 out 2019. Acessado em 02 jun e 2021. Disponível em: https://www.saude.go.gov.br/noticias/81-obesidade-infantil-desafia-pais-e-gestores#:~:text=As%20notifica%C3%A7%C3%B5es%20do%20Sistema%20de,%2C98%25%20t%C3%AAm%20obesidade%20grave.
  • Simon VG N, Souza JMPD, Souza SBD (2009). Aleitamento materno, alimentação complementar, sobrepeso e obesidade em pré-escolares. Revista de Saúde Pública43(1), 60-69.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primaria à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primaria à Saúde, Departamento de Promoção da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2019. 265 p. : Il.
  • Brasil. MMFDH. Manual Brincarte — um guia de brincadeiras para fortalecer crianças e famílias em tempo de coronavírus. Brasilia, 2020, 17p. Acessado em 03 de jun 2021 Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2020-2/marco/mmfdh-lanca-guia-de-brincadeiras-para-a-quarentena/manualbrincarte.pdf 
  • Costa LR, de Oliveira Mueller ME, Frauches JP, Campos NB, de Oliveira LS, Gentilin KF, … e Mello P(2020). Obesidade infantil e quarentena: crianças obesas possuem maior risco para a COVID-19?. Revista Residência Pediátrica.

 

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar