Os números da hipertensão: novas drogas significam mais controle da doença?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um novo estudo americano decidiu avaliar a tendência da hipertensão nos pacientes do país durante o período de 2005 a 2016. O que motivou a realização do estudo foi o não crescimento do número de pacientes com a hipertensão controlada a despeito do desenvolvimento de melhores drogas com posologia mais facilitada.

Aparelhos para medir a hipertensão e remédios usados no combate da condição.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Tendência da hipertensão

O estudo envolveu 7.837 participantes com mais de 20 anos. Foram excluídos os participantes com informações deficitárias e gestantes. Os dados foram colhidos por pessoal treinado e diversas variáveis foram avaliadas, a pressão arterial era mensurada por médicos treinados.

A maioria dos pacientes hipertensos eram mulheres brancas, destacavam-se os obesos, diabéticos, com melhor escolaridade, a proporção de pacientes com a pressão não controlada girou em tono de 30%.

Leia também: Denervação renal volta como opção no tratamento da hipertensão [ACC 2020]

O estudo observou que a grande maioria dos pacientes com a pressão não controlada faziam uso de monoterapia, a maioria com BRA e IECA.

Com isso o estudo revelou que o número de norte-americanos com a pressão descontrolada não mudou, assim como a proporção de pacientes em uso de monoterapia no período estudado, a despeito de esforços das sociedades médicas e da orientação de diretrizes.

Ouça também o podcast: Cardio-oncologia: como abordar a hipertensão em pacientes com câncer? 

Conclusão

O estudo não foi capaz de dizer se a monoterapia advinha de prescrição médica ou de atitudes dos próprios pacientes. Entretanto, fica claro que insistir em melhores práticas de prescrição incentivando a dupla ou tripla terapia, preferencialmente com medicamentos combinados em uma única pílula pode ser o caminho para um melhor controle pressórico populacional.

A grande questão é se esses números poderiam ser extrapolados para o Brasil. Além de que se as prescrições e esforços para controle da hipertensão no país surtem um efeito desejável.

Receba as principais novidades em Cardiologia! Participe do nosso grupo do Whatsapp!

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Derington CG, King JB, Herrick JS, Shimbo D, Kronish IM, Saseen JJ, Muntner P, Moran AE, Bress Trends in Antihypertensive Medication Monotherapy and Combination Use Among US Adults, National Health and Nutrition Examination Survey 2005-2016. Hypertension. 2020;75(4):973. Epub 2020 Mar 9.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar