Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Psiquiatria / Paciente com doença mental grave: manejo do diabetes
diabetes

Paciente com doença mental grave: manejo do diabetes

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minuto.

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um guia para o manejo de condições de saúde física em adultos com doença mental grave. Essa população tem, em média,  duas a três vezes mais chances de morrer, além de frequentemente conviverem com comorbidades. Já falamos sobre transtorno por uso de substâncias, manejo do peso, cessação do tabagismo e risco cardiovascular. Neste artigo, abordaremos a diabetes.

Diabetes no doente mental grave

Para pessoas com transtornos mentais graves e diabetes:

1) Deve-se considerar o início de / troca para um medicamento antipsicótico com menor propensão a produzir hiperglicemia, levando em consideração os benefícios clínicos e potenciais efeitos adversos.

2) Os prescritores devem estar cientes das possíveis interações entre medicamentos prescritos para diabetes mellitus e medicamentos psicotrópicos prescritos, que podem afetar o controle glicêmico. O controle glicêmico deve ser monitorado.

Diabetes tipo 1

  • Injeções diárias de insulina

Diabetes tipo 2

  • Se o alvo glicêmico não for alcançado com mudança de estilo de vida (dieta, atividade física regular), recomenda-se agentes antidiabéticos, sendo a metformina a droga inicial de escolha
  • Deve-se iniciar outras classes de agentes antidiabéticos, adicionados à metformina, se os objetivos glicêmicos não forem atingidos
  • Para pessoas com diabetes e risco cardiovascular em 10 anos > 20%: aspirina, inibidor da enzima conversora de angiotensina e estatinas para reduzir o risco

Nos próximos artigos falaremos sobre HIV e outras doenças infecciosas. Fique ligado!

ADA 2019: veja mudanças no diagnóstico de diabetes em crianças e adolescentes

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.