Papel da azitromicina na prevenção da displasia broncopulmonar 

Tempo de leitura: 2 min.

A displasia broncopulmonar (DBP) é uma doença pulmonar crônica, de causa multifatorial, que ocorre nos recém-nascidos prematuros (RNPT), decorrente de diversas agressões causadas aos seus pulmões em desenvolvimento. Atualmente, definimos a presença desta condição em recém-nascidos que necessitaram de mais de 28 dias de oxigenioterapia suplementar.

A colonização por Ureaplasma é comum em RNPT. Essa colonização pode contribuir para a injúria pulmonar destes pacientes, devido às propriedades prófibróticas e próinflamatórias desta bactéria. Diversas pesquisas têm associado esta colonização como fator de risco independente para desenvolvimento da displasia broncopulmonar. A azitromicina, além de ser um antibiótico altamente eficaz contra Ureaplasma, apresenta propriedades imunomodulatórias. Devido a estas propriedades, o uso desta droga com o objetivo de reduzir o risco de desenvolvimento de DBP tem sido objeto de estudo.

Leia também: SUS terá novo tratamento para doença pulmonar obstrutiva crônica

Em uma metanálise recentemente publicada, Razak e colaboradores investigaram a eficácia e segurança do uso da azitromicina para prevenir DBP em RNPT. Foram incluídos apenas ensaios clínicos realizados e considerados como desfecho de DBP apenas os casos classificados como moderados a graves.

Resultados

Foram incluídos cinco ensaios que, juntos, avaliaram 564 pacientes. Em quatro destes estudos, foi realizada testagem para Ureaplasma, com taxa de detecção de 18% a 36%. O tempo de uso da droga não foi uniforme, sendo inferior a 7 dias em dois estudos e mais prolongado nos demais, variando de três a seis semanas.

Saiba mais: O uso de betabloqueadores em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

A metanálise não mostrou diferença no risco de desenvolvimento de DBP, óbito e DBP ou óbito entre os pacientes que receberam ou não azitromicina. Além disso, não houve diferença significativa ao se comparar a duração de oxigenoterapia, duração de ventilação mecânica, desenvolvimento de retinopatia da prematuridade (grau 3 ou maior), de hemorragia intraventricular (grau 3 ou 4) ou de leucomalácea periventricular. No entanto, ao analisarem somente os pacientes com colonização por Ureaplasma, os pesquisadores evidenciaram que o uso da azitromicina se associou a taxas significativamente menores de DBP ou óbito.

Conclusões

O uso indiscriminado da azitromicina com o intuito de prevenir DBP carece de evidências na literatura. Por outro lado, um subgrupo de RNPT colonizados por Ureaplasma pode apresentar benefício com o uso desta droga, possivelmente por seu efeito em reduzir a resposta inflamatória aumentada por esta bactéria.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Razak A, Alshehri N. Azithromycin for preventing bronchopulmonary dysplasia in preterm infants: A systematic review and meta-analysis. Pediatr Pulmonol. 2020 Dec 31. doi: 1002/ppul.25230
Relacionados