Página Principal > Psicologia Médica > Projeto prevê que instituições ofereçam suporte psiquiátrico e psicológico a residentes e estudantes de Medicina
burnout na Medicina

Projeto prevê que instituições ofereçam suporte psiquiátrico e psicológico a residentes e estudantes de Medicina

Tempo de leitura: 2 minutos.

Estudantes de Medicina e residentes poderão ter assistência psiquiátrica e psicológica, segundo o Projeto de Lei do Senado (PLS) 157/2017. A obrigação de dar o suporte será das instituições aos quais os residentes estão vinculados, como hospitais universitários e universidades. O projeto tramita em decisão terminativa na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Caso seja aprovado, segue para a Câmara dos Deputados.

A medida está contida no Projeto de Lei nº 10105/18, do Senado, de autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), que altera as leis nº 6.932/81, que trata da residência médica, e nº 12.871/13, que instituiu o Programa Mais Médicos.

“A realidade do ambiente de trabalho médico mudou muito nos últimos anos. Houve incremento de tecnologia, mas, por outro lado, cresceu a demanda e aumentaram também os problemas de estrutura e de recursos humanos. Esse quadro sobrecarrega o residente em um momento extremamente delicado de sua trajetória, com consequências negativas para todos”, afirma Sérgio Palma, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), entidade que contribuiu com informações sobre a situação de trabalho imposta aos médicos na etapa da residência para a elaboração do documento ao repassar subsídios aos parlamentares.

Importância da aprovação do projeto

De acordo com uma pesquisa realizada com mais de 15 mil médicos, de idades entre 28 a 70 anos, as taxas de burnout, depressão e suicídio têm aumentado em decorrência do esgotamento profissional. Entre os principais sintomas, estão: perda do entusiasmo e do sentimento de realização pessoal, distanciamento emocional e exaustão física e mental.

Na visão da psicóloga clínica e psicanalista Priscila Gasparini Fernandes, a aprovação deste projeto em âmbito nacional seria de extrema importância, pois os médicos residentes e estudantes se sentiriam mais equilibrados e em condições de lidar com os estudos e atendimentos necessários.

Leia maisBurnout, furosemida, diabetes e mais; ouça nosso top 5 PEBMEDCAST

“São muitas horas de estudo, muitos trabalhos, provas, iniciações científicas, ligas, e os estudantes têm que se organizar para conseguir aprovações em todas as áreas. E quando se inicia a residência, a rotina tende a ficar mais puxada, pois além do trabalho nos hospitais, há também as matérias que precisam ser cumpridas e o nível de estresse é muito grande. Por isso, é necessário o acompanhamento psicológico e até psiquiátrico, muitas vezes”, explica Priscila Fernandes, especialista que possui especialização em neuropsicologia e neuropsicanálise, com mestrado e doutorado pela Universidade de São Paulo.

Segundo a profissional, a depressão, a ansiedade e o estresse não tratados podem agravar e comprometer o rendimento profissional. “Nos casos de hospitais públicos há uma demanda muito grande de pacientes e o tempo acaba sendo curto para tantos atendimentos, o que acarreta muita frustração por não conseguir dar a assistência adequada, podendo gerar até um quadro de depressão”, enfatiza Priscila Fernandes, que complementa que “é importante que o profissional de Medicina tenha uma qualidade psíquica adequada para que possa trabalhar com responsabilidade e foco, conseguindo assim dar um bom atendimento e ajudar o paciente com as suas queixas”.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.