Quais as evidências sobre a escolha de antibioticoterapia em lactentes com enterocolite necrotizante estágios II e III de Bell?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Uma revisão sistemática realizada na Dinamarca e publicada no BMC Pediatrics não encontrou nenhuma evidência suficiente para qualquer recomendação sobre antibioticoterapia em lactentes (a escolha de antibióticos, a via de administração ou a duração) tratados para enterocolite necrotizante (necrotizing enterocolitis – NEC) em estágios II e III de Bell.

Estima-se que a NEC ocorra em 1 a 3 de cada 1.000 recém-nascidos (RN). A maioria dos casos (90%) é observada em RN de muito baixo peso e de extremo baixo peso ao nascer (PN), com idade gestacional (IG) inferior a 32 semanas. A incidência pode chegar a 22% entre os lactentes com menor PN e IG.

Leia também: Prevenção de ITU em recém-nascidos com espinha bífida: antibioticoterapia profilática

O tratamento clínico da NEC consiste em antibioticoterapia e interrupção da alimentação enteral devido à imaturidade do trato gastrointestinal e do sistema imunológico inato. Em casos graves, como no estágio III de Bell, a cirurgia pode ser necessária e é indicada a antibioticoterapia pós-operatória com o intuito de prevenir infecções do sítio cirúrgico e a recorrência da condição. O tratamento antibiótico abrange empiricamente bactérias anaeróbicas e Gram-negativas. O regime mais comum relatado é a administração intravenosa (IV) com ampicilina e gentamicina combinadas com metronidazol por um período de 10 a 14 dias. Antibióticos de amplo espectro abrangendo bactérias aeróbicas e anaeróbicas são recomendados, justamente porque nenhum organismo provou consistentemente causar a doença.

Quais as evidências sobre a escolha de antibioticoterapia em lactentes com enterocolite necrotizante estágios II e III de Bell

Metodologia

O estudo, feito conforme a metodologia PRISMA e registrada na plataforma PROSPERO, apresentava dois objetivos: identificar o melhor regime antibiótico para evitar a progressão da doença, avaliada por cirurgia ou óbito e descrever o melhor regime antibiótico para crianças submetidas à cirurgia devido a NEC, avaliada por reabordagem cirúrgica ou morte.

Os pesquisadores levantaram dados das bases Embase, MEDLINE e Cochrane, que foram pesquisadas sistematicamente para estudos em humanos usando antibióticos para pacientes com NEC, estágios II e III de Bell.

Foram incluídos estudos com NEC documentada de acordo com a classificação de Bell estágio II ou III, tratada com pelo menos um tipo de antibiótico e com relato de progressão da doença definida como cirurgia e/ou óbito como desfecho.

Os critérios de exclusão foram: incapacidade de obter o texto completo e dados insuficientes sobre os resultados primários; estudos com dados sobrepostos; relatos de casos; artigos não originais, como revisões, e artigos não disponíveis em inglês ou em idiomas escandinavos (dinamarquês, norueguês ou sueco).

Resultados

Foram incluídos cinco estudos, com um total de 375 lactentes. Dois estudos consistiram em ensaios clínicos randomizados (ECR) e três eram estudos de coorte.

Quatro regimes de antibióticos principais foram descritos: três com uma combinação de ampicilina e gentamicina (ou similar) com adição de 1) clindamicina 2) metronidazol ou 3) administração enteral de gentamicina. Um estudo investigou cefotaxima associada a vancomicina. Nenhum dos estudos investigou um regime antibiótico específico no pós-operatório em crianças submetidas à cirurgia. Todos os bebês continuaram o tratamento específico do estudo que receberam antes da cirurgia.

Conclusão

Os pesquisadores concluíram que nenhuma evidência suficiente foi encontrada para qualquer recomendação sobre a escolha de antibióticos, a via de administração ou a duração em lactentes tratados para NEC com estágios II e III de Bell. De acordo com os autores do estudo, a associação de ampicilina e gentamicina funciona sinergicamente e cria a base para muitos regimes de tratamento para NEC. Os pesquisadores descreveram que a literatura vigente mostra que o uso de piperacilina/tazobactam pode ser um tratamento alternativo na NEC e que muitos estudos não demonstraram nenhum efeito de antimicrobianos anaeróbios como a clindamicina na prevenção da progressão da NEC estágio II.

Saiba mais: Proposta de um esquema de antibioticoterapia para crianças com sepse

As limitações desta revisão são os estudos de dados mais antigos, onde a metodologia e os relatórios eram de um formato diferente, menos rigoroso e estruturado. Como resultado, os pesquisadores relataram dificuldade para se obter informações equivalentes de todos os estudos incluídos. Com as crescentes preocupações sobre a resistência aos antibióticos, são necessários esforços para encontrar um regime de tratamento com efeito máximo, assim como mais conhecimento sobre a antibioticoterapia na prevenção e progressão da NEC, além do tratamento pós-operatório. Outro problema é a dose necessária para uma penetração suficiente do antibiótico na cavidade peritoneal. O método aprovado com microdiálise intraperitoneal para medir as concentrações de antibióticos pode ser uma opção.

Comentários

Para melhor entendimento do texto, o Quadro abaixo exibe a classificação de Bell para a gravidade da NEC.

Estágio Sinais sistêmicos Sinais intestinais Achados radiográficos Tratamento
IA Distermia, apneia, bradicardia, letargia Resíduo gástrico, distensão abdominal, êmese, sangue oculto nas fezes Sem alterações ou distensão de alças intestinais Dieta zero e antibioticoterapia por 3 dias
IB Igual a IA Sangue nas fezes Igual a IA Igual a IA
IIA Igual a IA Redução ou abolição de RHA

Pode ocorrer dor à palpação de abdome

Pneumatose Dieta zero e antibioticoterapia por 7 a 10 dias
IIB Acidose metabólica e trombocitopenia Abolição de RHA, dor à palpação de abdome

Pode haver celulite de parede e massa em QID

Pode haver ar no sistema porta ou ascite Dieta zero e antibioticoterapia por 14 dias
IIIA Acidose mista, instabilidade ventilatória e hemodinâmica Piora da dor à palpação, distensão, eritema de parede abdominal Ascite Suporte clínico

Paracentese

Cirurgia caso não haja melhora em 24 a 48 horas

IIIB Igual a IIIA Igual a IIIA Pneumoperitônio Cirurgia
Legenda: QID – quadrante inferior direito; RHA – ruídos hidroaéreos. Fonte: Adaptado de Hachem et al., 2020

Em artigo de revisão publicado na revista Residência Pediátrica, da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Hachem e colaboradores destacam que, se não existe evidência de necrose ou perfuração intestinal, a abordagem inicial da NEC consiste em:

  1. Dieta zero.
  2. Sonda orogástrica (SOG) aberta para descompressão gástrica e monitoração do resíduo gástrico.
  3. Coleta de exames.
  4. Antibioticoterapia de amplo espectro.

Na suspeita, o tratamento pode ser mais curto, por volta de três dias, podendo ser prolongado em casos confirmados.

  1. Monitoração da volemia.
  2. Monitoração do quadro hemodinâmico para avaliar a necessidade de suporte inotrópico.
  3. Considerar nutrição parenteral.
  4. Exame físico detalhado e radiografia de abdome seriados a cada 6 a 8 horas, para detectar precocemente os casos com indicação cirúrgica.

No estádio IIIA, pode haver necessidade de cirurgia, se não houver melhora em 24 horas. No estádio IIIB, sempre existe indicação cirúrgica. No entanto, o momento ideal da cirurgia, isto é, quando ocorre necrose de alça, porém antes da perfuração, ainda é um grande desafio na prática clínica.

Referências bibliográficas:

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.