Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Quais as evidências sobre testagem da Covid-19 no perioperatório ortopédico?
cirurgiões realizando cirurgia ortopédica em paciente com Covid-19

Quais as evidências sobre testagem da Covid-19 no perioperatório ortopédico?

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Um recente artigo publicado no Journal of Clinical Orthopaedics and Trauma discorre sobre a evidência na testagem para Covid-19 de pacientes ortopédicos. Questões envolvendo estratégias de prevenção e rastreio são analisadas com base na literatura disponível baseadas em quatro cenários.

Perioperatório ortopédico e Covid-19

1. Todos os pacientes submetidos à intervenção cirúrgica devem ser testados para Covid-19?

Considerando a disponibilidade limitada dos testes disponíveis, apenas pacientes sintomáticos, pacientes assintomáticos com história de contato com casos confirmados e pacientes de alto risco são testados. Considerando a alta prevalência de infecções assintomáticas e o potencial de transmissão destes pacientes, todos os casos que necessitam de intervenção ortopédica devem ser considerados positivos para Covid-19, devendo ser gerenciados de forma semelhante aos pacientes confirmados desde a entrada no hospital até a alta.

2. Qual momento para o teste e para a cirurgia em casos sintomáticos?

Todos os pacientes sintomáticos devem ser submetidos ao teste Covid-19 pelo teste de RT-PCR (reverse-transcriptase polymerase chain reaction) da nasofaringe ou orofaringe antes da cirurgia, sempre que possível. Para cirurgias de emergência, o resultado dos testes não estará disponível a tempo de se executar o procedimento.

Considerando também o potencial de testes falsos negativos, as precauções perioperatórias precisam ser as mesmas para todos os pacientes independentemente do status do teste. O teste é feito com o propósito de notificação da doença, início do monitoramento precoce e medidas de terapia relacionadas ao Covid-19.

Em caso de cirurgias em que seja possível aguardar, a cirurgia deverá ser adiada até que ocorra obtenção do status negativo da doença ou recuperação da doença aguda. Cirurgias em pacientes com Covid-19 estão associadas à maior chance de morte/complicações. Se o adiamento da cirurgia não é viável, procedimentos menos invasivos devem ser realizados para minimizar o estresse cirúrgico.

cadastro portal

3. Testes pré-operatórios de rotina são o suficiente?

De acordo com as evidências disponíveis, a população saudável mais jovem apresenta taxas de recuperação mais altas após a doença em comparação com população idosa. Os pacientes mais jovens podem tolerar a cirurgia melhor do que os idosos.

Assim, pacientes idosos com idade superior a 50 anos ou aqueles com fatores de risco adicionais devem passar por investigações adicionais incluindo contagem diferencial de leucócitos, dosagem de LDH, coagulograma e tomografia computadorizada. Os exames de sangue podem sugerir infecção subclínica, e os achados TC de tórax podem detectar alterações precoces, que embora não sejam específicas da Covid-19, podem alertar o cirurgião. De acordo com os resultados, a necessidade de avaliação adicional com testes específicos e o adiamento da cirurgia podem ser necessários devido ao risco de exacerbação da doença subclínica ou das comorbidades associadas.

Leia também: Características e prognóstico precoce de pacientes com Covid-19 e fraturas

4. Testes pós-operatórios e momento para alta

Todos os pacientes positivos para Covid-19 devem ser tratados por equipes médicas sob medidas apropriadas de isolamento e só devem receber alta após resultado negativo em dois testes RT-PCR com intervalo de 24h.

Para pacientes mais jovens, sem fatores de risco associados, uma alta precoce deve ser preferida considerando os riscos associados à internação. Para pacientes idosos e para aqueles com fatores de risco adicionais, a alta deve ser realizada após estabilização clínica e regularização das comorbidades.

E se, antes de tudo, você precisa saber qual a melhor conduta para o seu paciente ortopédico, é só acessar o Whitebook. O maior aplicativo médico do Brasil te ajuda na tomada de decisão frente ao paciente. Baixe agora!

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Kumar, A., Kumar, A., & Das, S. (2020). Perioperative COVID-19 testing of orthopedic patients: Current evidence. Journal of clinical orthopaedics and trauma, 10.1016/j.jcot.2020.04.031. Advance online publication. https://doi.org/10.1016/j.jcot.2020.04.031

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.