Quais as mutações genéticas do coronavírus SARS-CoV-2? - PEBMED

Quais as mutações genéticas do coronavírus SARS-CoV-2?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Cerca de três meses depois dos primeiros casos na China, o RNA do primeiro SARS-CoV-2 detectado na cidade de Wuhan já tem sequências genéticas diferentes das encontradas em outros países, como na Itália e Alemanha, por exemplo.

Os dois primeiros casos confirmados no Brasil, de pacientes que vieram do Norte da Itália e desembarcaram em São Paulo, tiveram amostras do vírus recolhidas das vias respiratórias. Cientistas brasileiros sequenciaram o código genético dos dois e apontaram alguns pontos divergentes.

O genoma do paciente número 1, um homem de 61 anos, é idêntico a um outro vírus sequenciado na região da Lombardia, na Itália. Ele também apresenta sequências encontradas em pacientes na Alemanha, México e Finlândia.
O segundo paciente também é um homem, de 32 anos, que visitou a Itália. Os mesmos cientistas fizeram a análise do RNA e descobriram que o código genético é diferente do encontrado no primeiro. Neste caso, há sequências iguais às encontradas em pacientes infectados na China, Inglaterra, Austrália, França, Estados Unidos, Cingapura e Suécia.

Leia também: Telemedicina durante pandemia do coronavírus: quais resoluções devem ser seguidas?

Segundo os pesquisadores, se todos os pacientes existentes na Europa tivessem vindo da China diretamente, a sequência genética do vírus seria mais parecida com a encontrada em Wuhan e na província de Hubei.

imagem digital de coronavírus

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Coronavírus já está aclimatado no Brasil

Um grupo de pesquisadores brasileiros conseguiu sequenciar 19 genomas do novo coronavírus em apenas 48 horas. A análise foi realizada a partir de amostras de pacientes do Rio de Janeiro, Minas, Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Com o estudo, foi confirmada a transmissão local do Sars-Cov-2, além de comprovar geneticamente que o coronavírus chegou ao país através de brasileiros que viajaram ao exterior.

“Uma boa parte desses vírus está circulando porque eles são muito parecidos. Já estão aclimatados, não se assemelham tanto aos que entraram em nosso país. Após esse estudo, podemos afirmar que essa transmissão está acontecendo de brasileiro para brasileiro, não somente vindo de fora, por isso que o isolamento social é tão importante neste momento”, afirma Ana Tereza Ribeiro Vasconcelos, geneticista e coordenadora do Laboratório de Bioinformática do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), em entrevista ao Portal G1.

Veja também: Quais os principais achados tomográficos do novo coronavírus?

Maioria dos casos do Brasil tem ligação com a Itália

A Itália foi a principal origem dos primeiros viajantes infectados pelo novo coronavírus, que chegaram ao Brasil entre fevereiro e o início de março deste ano. Essa descoberta foi realizada por pesquisadores brasileiros participantes do Projeto Cadde (Centro Conjunto Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus) e publicado no Journal of Travel Medicine.

A pesquisa aponta que antes de acontecer a transmissão comunitária, 54,8% dos casos de Covid-19 no país tiveram ligação com viajantes infectados na Itália, seguido por 9,3% da China e 8,3% da França.

Em entrevista ao Portal da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), Ester Sabino, diretora do Instituto de Medicina Tropical (IMT), afirmou a necessidade de isolamento social para evitar a transmissão.

“São Paulo e Rio de Janeiro, em menor proporção, serão os centros de distribuição do coronavírus no país. Por isso, é preciso restringir a saída de pessoas dessas localidades”, explicou a líder da pesquisa responsável pelo primeiro sequenciamento do genoma do coronavírus.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. Antonio Oswaldo de Souza

    Penso que os resultados dos estudos até agora realizados sobre este virus deveriam ser publicados. Também os progressos científicos conseguidos. Pelo que eu saiba, nada de concreto por enquanto foi conseguido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar