Página Principal > Colunistas > Quais comportamentos melhoram a assistência no parto?
médicos realizando parto

Quais comportamentos melhoram a assistência no parto?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Nos últimos anos, as mais diversas sociedades na área da saúde vêm demonstrando a importância de promovermos uma boa assistência às grávidas, principalmente durante o parto. Além de boa qualidade técnica, é fundamental que os profissionais de saúde colaborem para que a gestante se sinta acolhida e protagonista da situação. O momento do parto será algo lembrado pelo resto de suas vidas e o modo como a equipe age influencia se essa será uma boa experiência ou não.

Esse assunto foi comentado no British Journal of Medicine no começo desse mês, já que os novos manuais práticos que orientam o parto estão cada vez mais batendo nessa tecla. Os autores deram algumas dicas de como promover uma melhor experiência a essas mulheres, após receberem sugestões pelo Facebook em grupos de troca de experiências maternas. São elas:

1 – Refira-se à mulher pelo seu nome. Evite expressões como “a nulípara do leito 5”, “a que rompeu a bolsa em casa”, “a da pré-eclampsia”. Trate-as pelo nome, cada uma tem sua identidade e chama-las pelo nome mostra que essas mulheres são protagonistas do seu parto.

2 – Evite termos técnicos durante o parto. Se entre os profissionais é comum utilizarmos termos técnicos e siglas, na presença da parturiente utilize expressões que ela também entenda. O uso de termos técnicos de difícil entendimento pode preocupar a mulher e fazer com que ela se sinta apenas uma coadjuvante, que teria como protagonista o profissional de saúde. “A paciente do leito 2 está com 5 cm” pode ser trocado por “’Maria’ está com 5 cm de dilatação do cólo”.

3 – Quem decide a conduta é a paciente. Ainda durante o pré-natal, a gestante deve ser informada sobre os tipos de parto, os riscos de cada um, o que pode ser feito para facilitar o parto normal e como será o pós-operatório. A decisão sobre o tipo de parto deve ser da gestante. O profissional está lá para orientá-la e dar suporte. Durante o parto esse comportamento deve se repetir. A paciente deve ser informada de cada passo a ser realizado e ser questionada se concorda com isso. Expressões como “você terá que fazer uma cesária” pode ser substituída por “achamos que evoluir para uma cesárea será melhor, você concorda com isso?”.

Leia também: ‘Ministério da Saúde lança diretrizes de assistência ao parto normal’

4 – Algumas expressões podem preocupar a paciente. O modo de se referir aos eventos do parto faz toda a diferença. Parto “difícil” pode ser trocado por “demorado”, “pariu” por “deu a luz”, pré-natal “difícil” por “com algumas dificuldades”.

Essas orientações podem ajudar a equipe a trabalhar com a ideia de que a gestante é a personagem principal. Sua opinião deve ser respeitada e orientações bem feitas ajudam equipe e paciente a trabalharem juntos numa melhor experiência.

Tire suas dúvidas médicas de forma prática na hora da tomada de decisão. Baixe o Whitebook.

Autora:

Referências:

  • Humanising birth: Does the language we use matter? – BMJ – 8 de fevereiro de 2018

2 Comentários

  1. Excelente matéria. Gostaria de receber mais informações,pois sou técnica de enfermagem da maternidade do hospital Flávio leal em pirai.

  2. Excelente matéria,pois sou técnicade enfermagem da maternidade do hospital Flávio leal,rede amiga ds criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.